Indústria de Transformação de Café em Angola é Urgente

caféCom uma boa transformação do café solúvel Angola terá mercado para exportar a sua produção principalmente, para os países da Comunidade de Desenvolvimento de África ( SADC), informou hoje, Luanda, a ex -secretária da Organização Inter – Africana do Café (OIAC), Josefa Sacko.

Angola tem vantagem comparativa em termos económicos em relação aos países da região. Só na nossa região podemos fazer uma indústria transformadora como a que é feita em outros sectores , disse Josefa Sacko em entrevista à Angop.

Segundo referiu, Angola neste momento está ditar a sua própria sorte, pois está diante de um mercado com 160 milhões de habitantes (África do Sul e RDC com 80 milhões de habitantes cada), sem contar com os restantes membros da SADC. Angola pode aproveitar este momento para implementar um bom programa e reactivar o sector.

Por outro lado, disse, Angola tem também boas relações com a China e pode aproveitar este mercado para vender o café solúvel que é muito prático a ser confeccionado.


No Golungo Alto Arrancam-se os Cafeeiros e Planta-se Mandioca, Feijão, Banana e Milho

Golungo Altogolungo_alto_06O café como produto de geração de trabalho e riqueza está a desaparecer paulatinamente no município de Golungo Alto, província do Kwanza Norte, onde os produtores vão derrubando cafeeiros e substituindo-os por outras culturas.

Os três hectares de café servem apenas de lembrança para a geração do camponês Almeida José da comuna de Quilombo-Kia-Puto, no município de Golungo Alto, província de Kwanza Norte.

A fazenda de 20 hectares com a plantação do café foi substituída por outras culturas de rápido rendimento, nomeadamente, mandioca, feijão, bananeira (…) milho e abacaxi. “A cultura do café marcou a história de quase todo o nosso município no tempo colonial. Hoje ninguém fala desta riqueza que desenvolveu Angola”, lamenta.


Angola Tem Enormes Possibilidades de Regressar ao Grupo dos Grandes Produtores de Café

cafeO director-geral da Organização Inter-Africana do Café (OIAC), Frederick Kawuama, afirmou quarta-feira, em Luanda, haver uma grande possibilidade de revitalização da cafeicultura em Angola, por ter sido um dos maiores produtores de café antes da independência.

Citado pela agência noticiosa Angop, Kawuama, que sexta-feira conclui uma visita de três dias a Angola, salientou que o país tem a experiência necessária para o efeito e por ser longa está em condições de voltar a ser uma grande potência no sector.

Esta visita deve-se igualmente ao facto de Angola ter assumido a presidência da Organização Inter-Africana do Café, em Novembro de 2014, na capital do Uganda, Campala, no decurso da 54ª Assembleia Geral Anual deste fórum que congrega os países produtores de café do continente.

Entre as campanhas de 1990/91 e 2014/15 a produção de Angola oscilou entre um mínimo de 13 mil sacas de 60 quilogramas na de 2009/2010 e 85 mil na de 1998/1999, sendo que na mais recente, 2014/2015, a produção indicada nos dados estatísticos da Organização Internacional de Café é de 35 mil sacas.


Está Difícil a Recuperação da Produção de Café em Angola

plantacao_cafeVolvidos mais de 30 anos desde a proclamação da independência de Angola, a 11 de Novembro de 1975, período marcado por instabilidade política e êxodo rural, o abandono das antigas fazendas e a inoperância de parte das infra-estruturas afectas ao sector do café continuam a preocupar os produtores no activo a julgar pela baixa de produção que se vem registando desde os anos 80.


Angonabeiro Compra a Liangol, Empresa Pública Angolana de Produção de Café

nabeiroA Liangol foi vendida à Angonabeiro, unidade do grupo português Nabeiro, que actua no país africano há 14 anos. A autorização para privatização e venda da totalidade da empresa pública angolana de produção de café foi dada pelo Governo.

Leia Mais