Fortuna de Trump Resulta de Fraude Fiscal Segundo Revelação do The New York Times

O The New York Times revela que o Presidente americano recebeu do seu pai mais de 413 milhões de euros e não pagou os impostos correspondentes.

O jornal The New York Times publicou Terça-feira uma investigação na qual revela que Donald Trump, Presidente dos Estados Unidos, terá feito parte da sua fortuna através de duvidosos esquemas fiscais e, em alguns casos, claramente fraudulentos, durante os anos de 1990. O jornal norte-americano analisou um vasto arquivo de declarações de impostos, além de outros documentos, que comprovam que Trump recebeu do seu pai o equivalente a mais de 413 milhões de dólares (353 milhões de euros). Uma situação que acaba por contrariar a ideia que o Presidente americano fez passar ao longo dos anos, de que ter-sei-a tornado milionário à custa do seu esforço. O New York Times garante que Trump recebeu esse dinheiro para ajudar os pais a fugir aos impostos. Uma das situações reveladas pelo jornal tem a ver com a criação de uma empresa fictícia para esconder o dinheiro proveniente dos pais, além de ter avaliado por baixo os activos do negócio imobiliário para fugir aos impostos.


Na Ilha de Santo Antão-Cabo Verde Começa a Época Alta do Turismo

Santo Antão recebe nos próximos oito meses, período da época alta do turismo na ilha, milhares de visitantes provenientes, sobretudo, do norte da Europa, que procuram a ilha para caminhadas em trilhas.

A expectativa dos operadores é de que se mantenha a tendência de crescimento do turismo nesta ilha que, em 2017, recebeu  mais de 26 mil turistas, registando um crescimento de 23,8 por cento (%) face a 2016.

A expectativa dos operadores turísticos em relação à época alta do turismo em Santo Antão, que tem início em outubro, tem sido cada vez mais alta, segundo a operadora Sandra Pereira.

Santo Antão, para potenciar o seu turismo, precisa do aeroporto, mas necessita, sobretudo, de um plano que dê atenção à qualificação dos recursos humanos, através de formação profissional, segundo esta operadora.

Este ano, a época alta do turismo nesta ilha, que decorre até ao mês de maio, deverá ser marcada pela diversificação da oferta, já que, além do trekking, até agora o principal produto turístico de Santo Antão, os operadores começam a apostar na promoção do “canyoning” e mergulho.


O Presidente de Moçambique Anuncia Para Sábado Como Início da Desmilitarização da Renamo

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, anunciou nesta quinta-feira (04), em Maputo, que o processo de desmilitarização da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) começa no sábado, com a desmobilização e reintegração nas Forças de Defesa do braço armado da principal partido da oposição.

“Tenho o prazer de anunciar que, como está previsto no memorando de entendimento que o Governo assinou com a Renamo, iremos lançar no próximo sábado, dia 06 de outubro, o início efetivo do processo de desmilitarização, desmobilização e reintegração”, afirmou Filipe Nyusi, numa declaração à nação sobre o Dia da Paz e da Reconciliação, que se assinala hoje em Moçambique.

O chefe de Estado moçambicano, que falava a partir da Praça dos Heróis, em Maputo, adiantou que até sábado estarão em Moçambique o chefe da missão que vai dirigir o processo de desarmamento da Renamo, o general argentino Javier Perez Aquino, e os peritos militares dos sete países que vão monitorizar a operação.

“Até sábado já se encontrarão no território nacional todos os peritos solicitados para testemunhar o processo provenientes da Tanzânia, do Zimbabwe, Estados Unidos da América, Suíça, Alemanha, Noruega, Irlanda e Índia e a eles se juntará o general Javier Aquino, da Argentina, que irá liderar o grupo”, destacou Filipe Nyusi.

O Presidente moçambicano apelou aos moçambicanos e à comunidade internacional para se empenharem na instauração de uma Paz duradoura, para que o país se concentre na luta contra a pobreza e criação da prosperidade, pedindo o sucesso da operação.


A Necessitar de Apoio Internacional Urgente, Estão os Mais de 35 Mil Refugiados em Angola

Angola tem registado 35 mil 644 refugiados, dos quais 22 mil 428 encontram-se na província da Lunda Norte e que necessitam de apoio internacional urgente, afirmou terça-feira, em Genebra (Suíça), o secretário de Estado para as Relações Exteriores, Téte António.

O governante angolano, citado numa nota do Ministério das Relações Exteriores, fez essas declarações durante a 69ª sessão do Comité Executivo do Programa do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, que decorre na Suíça.

Nesse quadro, segundo Téte António, o país presta assistência a cerca de 82 mil 833 cidadãos estrangeiros requerentes de asilo e de protecção.

Apesar da situação financeira que o país atravessa, o secretário de Estado para as Relações Exteriores disse que o governo de Angola continua a salvaguardar o assentamento e protecção dos refugiados, dando-lhes o direito a terra para actividade agrícola, criação de postos de saúde, prestação e assistência alimentar e acesso a educação e o ensino.

O responsável aproveitou o momento para sensibilizar a comunidade internacional no sentido de mobilizar recursos necessários para assistência e apoio a esses refugiados que dependem do apoio de países doadores e pessoas de boa vontade.


Colisão de Mini-Autucarro e Camião no Troço Chongoroi-Katengue Faz 18 Mortos

Dezoito pessoas morreram e 11 encontram-se gravemente feridas em consequência de uma colisão entre um mini-autocarro de 30 lugares e um camião contentorizado, ocorrida na estrada nacional nº 105, no troço Chongoroi-Katengue (Caimbambo), na província de Benguela.

Acidente de viação continuam a causar muitas mortes (arquivo) Segundo apurou a Angop de fonte policial em Katengue, Caimbambo, o mini-autocarro saía da cidade do Lubango com destino a capital do país (Luanda), tendo o acidente ocorrido por volta das 0h00, quando colidiu com o camião contentorizado que se encontrava parado numa das bermas. A fonte avançou o excesso de velocidade aliado ao estado de embriaguês do condutor do miniautocarro, como as causas do sinistro.

Alguns feridos foram transferidos para o hospital municipal de Caimbambo e outros para o hospital geral de Benguela, dos quais cinco já tiveram alta, segundo fonte sanitária.


Desde 2014 Que o Barril de Brent Não Ultrapassava os 85 Dólares

O petróleo do mar do Norte, de referência para Angola, abriu esta terça-feira em alta a valer 85,07 dólares, mais 0,10% do que no fecho da sessão de segunda-feira. Segundo analistas, na origem da escalada no preço do petróleo estão as sanções dos Estados Unidos às exportações iranianas que levaram à redução da produção global, causando um desequilíbrio entre a oferta e a procura.

O mercado teme uma queda no fornecimento de petróleo bruto quando as sanções dos Estados Unidos contra o Irão entrarem em vigor, em 4 de Novembro.

A recusa da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em aumentar imediatamente a sua produção para compensar a queda na oferta impulsionou os preços na semana passada quando o preço do barril do Brent ultrapassou a barreira dos 80 dólares.


Deixar de Escrever Sobre Angola e Começar um Novo Ciclo, Diz Pepetela

Escritor angolano disse, no festival literário Folio, em Óbidos, Portugal, que “Sua Excelência de Corpo Presente” pode ser seu último livro sobre a realidade histórica angolana.

O escritor Pepetela admitiu hoje, em Óbidos, que “Sua Excelência de Corpo Presente” possa ser seu último livro sobre a realidade histórica angolana, país que acredita ter entrado num novo ciclo apesar de a corrupção ainda ser um problema.

“Este livro é capaz de ser mesmo o último [sobre a história contemporânea de Angola] porque está a ser muito difícil gerir o pós escrita”, afirmou o escritor angolano Pepetela.

Orador numa mesa de autor do Folio – Festival Literário Internacional de Óbidos, o autor de mais de duas dúzias de obras partilhou com o público a “dificuldade” de escrever as 271 páginas de “Sua Excelência de Corpo Presente”, o seu último livro, lançado no dia 18, em Luanda (Angola).

Foi “de todos os meus livros, o mais difícil de escrever”, disse, lembrando ter demorado “seis anos” a por no papel a obra em que um ditador africano jaz deitado num caixão, mas que apesar de morto “vê, ouve e pensa”, entretendo-se a recordar as peripécias vividas com muitos dos que lhe vieram dizer ‘adeus’.

As memórias da “excelência” são para o autor o pretexto para relatar os meandros do poder político, no que poderá ser “num local indeterminado de uma qualquer nação africana”.

O livro que Pepetela considerou ser “uma realidade bastante geral”, em que nenhum dos personagens “corresponde realmente a qualquer pessoa” é, no entanto, “capaz de ser uma ajuda para fechar aquele ciclo”, no país, e na escrita do autor que prometeu dedicar-se a “livros mais pequenos, com mais ficção e menos personagens”.


Facilitada a Imigração Para Africanos Com Nova Lei em Portugal

Gibrilo Djaló e Serifo Embaló são da Guiné-Bissau e foram para Portugal à procura de trabalho. Djaló chegou há apenas três meses. Arranjou emprego numa empresa de construção civil em Lisboa para custear as despesas e conseguir autorização de residência. O conterrâneo Embaló está em Portugal há quase dois anos, tem descontado para a Segurança Social e já entregou os papéis no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) a requerer residência, com o apoio da Associação Olho Vivo. Conta que a legalização é a principal dor de cabeça para quem chega ao país.

“Trabalho aqui em Lisboa, porque há muitas empresas, mas não posso trabalhar sem título de residência. Tenho que trabalhar, tenho que descontar. Neste momento estou a tratar da legalização do título de residência. Esta é a dificuldade que a gente mais tem por causa da residência. Se tenho documento, nunca fico sem trabalho, mas, se não tenho, é sempre um stress.”

Só assim espera conseguir um contrato para se apresentar ao SEF em maio de 2019. Tanto Serifo Embaló como Gibrilo Djaló estão a par das recentes alterações à Lei de Imigração, que entram em vigor a partir de 1 de outubro.

“Para nós, imigrantes, se nos dão ajuda para nos legalizarmos, isso é bom. Ninguém fica stressado, porque está a trabalhar, não tem dificuldade de pagar a renda, não tem dificuldade de transporte. Graças a Deus, é melhor para todos os imigrantes”, diz Embaló.


Mais de 50 Consultas e Uma Dúzia de Cirurgias Feitas Por Médicos Portugueses em Cabo Verde

Foto de Elza Fiúza

Uma equipa portuguesa de urologia e cirurgia pediátrica do Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, termina hoje uma missão na Praia, em Cabo Verde, durante a qual realizou mais de 50 consultas e uma dúzia de cirurgias.

Estes profissionais de saúde portugueses realizaram sobretudo cirurgias de malformações genitais masculinas e femininas, ao aparelho urinário e canal inguinal.

O objetivo da missão, que decorreu no Hospital Agostinho Neto, na cidade da Praia, é “melhorar a saúde das crianças de Cabo Verde portadoras de patologias urológicas, patologia cirúrgica neonatológica e pediátrica e realizar acções de formação com vista à capacitação de profissionais locais”.

Segundo uma nota do hospital, estas ctividades irão proporcionar “melhor qualidade de prestação de serviços, contribuindo para a poupança de recursos financeiros locais, como consequência da redução de evacuações externas”.

A missão insere-se no âmbito da cooperação entre Portugal e Cabo Verde e faz parte de um projecto entre os dois países no domínio da Ssaúde 2018-2020.


Segundo a IATA Angola é o Terceiro País do Mundo Com Maior Dívida às Companhias Aéreas

Angola é o terceiro país do mundo com maiores dívidas às companhias de aviação que operam no país, que ascendem a 137 milhões de dólares, indicou a Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA).
À frente de Angola, figura a Venezuela, que absorve 82% do total da dívida de 4.600 milhões de dólares (4.000 milhões de euros), que deve às companhias aéreas 3.780 milhões de dólares (3.230 milhões de euros), e o Bangladesh, com 147 milhões de dólares (125,6 milhões de euros).

Na lista dos cinco maiores devedores figuram ainda o Sudão (com 134 milhões de dólares – 114,5 milhões de euros) e o Zimbabué (132 milhões de dólares – 112,8 milhões de euros).

A 29 de Junho, a agência Lusa noticiou que o governador do Banco Nacional de Angola (BNA) anunciou que os valores reclamados pelas companhias aéreas desceram nesse mês para 100 milhões de dólares (85 milhões de euros) e que a situação seria totalmente regularizada em Julho.

José de Lima Massano sublinhou, na altura, que, dos 540 milhões de dólares (460 milhões de euros) identificados como devidos no início do ano, as dívidas tinham descido para menos de 100 milhões de dólares.