Determinação de Angola em Aderir à Zona de Comércio Livre da ZCLCA

Ministro do comércio, Jofre Van-Dúnem, está em Adis-Abeba, Etiópia, onde assegurou que o órgão que dirige já desenvolveu todo o trabalho técnico, estando neste momento a adesão à Zona de Comércio Livre da SADC dependente do Ministério das Relações Exteriores e da Assembleia Nacional.

Angola poderá, dentro em breve, depositar os seus instrumentos de ratificação do Acordo da Zona de Comércio Livre Continental Africana (ZCLCA), afirmou ontem em Adis-Abeba, Etiópia, o ministro do comércio angolano, Jofre Van-Dúnem Júnior.

De acordo com o governante, tecnicamente o dossiê está pronto, mas precisa da aprovação da Assembleia Nacional para o depósito dos respectivos instrumentos de ratificação.

“O Ministério do Comércio fez todo o trabalho técnico, estando, neste momento, o dossiê a seguir os seus tramites a nível do Ministério das Relações Exteriores”, sublinhou o governante angolano, que participou de 7 a 8 deste mês na 8ª Reunião dos Ministros do Comércio da União Africana (AMOT), que se realizou na capital etíope.

Segundo uma nota dos Serviços de Imprensa da Embaixada angolana na Etiópia, citada pela Angop, essa reunião visou preparar a Cimeira de Niamey (Níger), na qual será lançada, oficialmente, a Zona de Comércio Livre Continental Africana.


A Maior Reserva de Petróleo do Mundo é da Venezuela

Se o custo de produção de um barril é de menos de 9 USD para os sauditas, segundo dados da OPEP, na Venezuela e no Brasil esse custo sobe para 27,62 USD e 34,99 USD, respectivamente.

A Venezuela é actualmente o País com as maiores reservas de petróleo do mundo, avaliadas em cerca 300,8 biliões de barris, segundo informações avanças pela CIA, Agência de inteligência dos Estados Unidos.

De acordo com a informação divulgada recentemente a que o Mercado teve acesso, o País ainda liderado por Nicolás Maduro (pese embora o líder da oposição Juan Guaidó se tenha auto declarado presidente), enfrenta inúmeros desequilíbrios macroeconómicas o que tem afectado negativamente a qualidade de vida dos venezuelanos.

dade de vida dos venezuelanos. Segundo o Banco Central daquele País, as exportações de petróleo, que representam pouco mais de 96% das receitas da América do Sul, caíram para 28,8 mil milhões USD em 2018. Mas em 2013, as receitas provenientes da exportação deste recurso, fizeram entrar nos cofres do Estado mais de 85,6 mil milhões USD, e no ano seguinte 71,7 mil milhões USD, ano em que os preços do petróleo registaram uma queda significativa no mercado internacional.

Apesar do País ter verificado uma recuperação nos preços desta commodity em 2016, uma forte queda na produção da Venezuela impediu a recuperação financeira do País. Segundo dados oficias, a oferta de petróleo que era de 3,2 milhões de barris/dia há dez anos, foi de apenas 1,03 milhões barris/ dia no mês de Abril.

Na edição nº 208 do Mercado, analisou-se alguns indicadores da economia venezuelana, entre eles a inflacção, que segundo a autoridade monetária venezuelana, a mesma terá sido de mais de 130 000%, informação esta que contrasta com os dados do Fundo Monetário Internacional (FMI) que considerou uma inflacção de 1.370.000% o ano passado, e prevê uma inflação de 10.000.000% este ano informação esta que contrasta com os dados do Fundo Monetário Internacional (FMI) que considerou uma inflação de 1.370.000% o ano passado.


Data Emblemática da Identidade Portuguesa Saudada Pelo Presidente de Angola

O Presidente de Angola, João Lourenço, enviou hoje (10) uma mensagem ao homólogo português, Marcelo Rebelo de Sousa, saudando o povo português pelo “10 de junho”, a “celebração de uma data emblemática da identidade portuguesa”.

Segundo um comunicado da Casa Civil do Presidente da República de Angola, enviado à agência Lusa, João Lourenço destaca que a efeméride permite que os portugueses “se unam à volta dos grandes valores e símbolos da pátria” para “comemorar com júbilo as conquistas alcançadas ao longo da História como Nação”.

“Tenho a honra de felicitar o Povo, o Governo português e Vossa Excelência, em nome do Povo, do Governo angolano e no meu próprio pela celebração de mais um aniversário do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. Trata-se de uma data emblemática da identidade portuguesa, em que os portugueses se unem à volta dos grandes valores e símbolos da sua Pátria, para comemorar com júbilo as conquistas alcançadas ao longo da sua história como Nação”, sublinha João Lourenço na mensagem.


Estão em Risco de Morrer de Fome Mais de Dois Milhões de Somalis

O responsável para Assuntos Humanitários da ONU, Mark Lowcock, alertou que são necessários US$ 700 milhões para auxílio a comunidades carenciadas na Somália.

Mais de dois milhões de somalis, incluindo crianças, podem morrer de fome até o final do verão se a ajuda internacional não for enviada rapidamente para o país, alertou esta quarta-feira o responsável para Assuntos Humanitários da ONU, Mark Lowcock.

Citado pela agência AP, o responsável para os Assuntos Humanitários e coordenador da ajuda de emergência disse que são necessários cerca de 700 milhões de dólares (620 milhões de euros) para esse auxílio à população, depois de uma temporada de chuvas que destruiu as plantações agrícolas e matou o gado.

Mark Lowcock disse ainda que o Fundo Central de Resposta de Emergência da ONU já destinou 45 milhões de dólares (40 milhões de euros) para alimentos, água e outras necessidades diárias na Somália, bem como para o Quénia e Etiópia, países igualmente afetados por secas.

Segundo a AP, cerca de três milhões de pessoas lutam na Somália para ter acesso a alimentação.

África 21 Digital

 


Parlamento Angolano Aprova Orçamento Com Verba Reforçada Para a Educação

O Parlamento angolano aprovou, na votação final global, o projeto de revisão do Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2019, que prevê um corte de 9% face ao aprovado em dezembro passado, mas com a Educação a subir 67%.

O Parlamento angolano aprovou, quinta-feira (06), na votação final global, o projeto de revisão do Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2019, que prevê um corte de 9% face ao aprovado em dezembro passado, mas com a Educação a subir 67%.

O projeto de OGE para 2019, revisto, foi entregue a 07 de maio na Assembleia Nacional, e tem receitas e despesas estimadas em 10,3 biliões (milhões de milhões) de kwanzas (27,3 mil milhões de euros), representando uma diminuição de quase 9%, tendo sido necessário revê-lo face à flutuação do preço do petróleo nos mercados internacionais.

O OGE inicial foi aprovado a 14 de dezembro de 2018 – com votos favoráveis do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), e contra da oposição -, tinha previsto receitas e despesas globais de mais de 11,3 biliões (milhões de milhões) de kwanzas (29,9 mil milhões de euros), tendo sido elaborado com o preço médio do barril de petróleo exportado em 68 dólares.


Energia Solar na Província do Namibe com Parceria Entre Sonangol e ENI

A petrolífera angolana Sonangol e a sua congénere italiana ENI assinaram em Luanda, um acordo de para constituição de uma empresa para produzir electricidade através de energia solar na província do Namibe, sul do país.

O acordo foi assinado no Centro de Convenções de Talatona, sul de Luanda, durante os trabalhos do segundo dia da conferência “Angola Oil & Gás 2019”, e foram signatários o presidente da administração da Sonangol, Sebastião Gaspar Martins, e o vice-presidente da ENI para África Subsariana, Guido Brusco.

Em declarações aos jornalistas, o director-geral adjunto da ENI, João Silva, fez saber que o projecto, que vai lançar a utilização de energias renováveis em Angola, será implementando em duas fases.

“A primeira fase a ser implementada com 25 MegaWatts e será seguida, um ano depois, com mais 25 MegaWatts, e tem o objectivo principal fr redução do consumo de diesel na produção [em centrais termoeléctricas] de energia que se verifica no sul do país”, afirmou.


O Presidente Angolano Volta a Atribuir Empreitadas Retiradas à Soares da Costa

A construtora Soares da Costa vai retomar a sua participação num consórcio responsável pelas obras de alargamento da rede de abastecimento de água em Luanda, projecto avaliado em 320 milhões de euros.

Segundo a Lusa, citando um despacho presidencial, João Lourenço justificou a decisão de voltar a atribuir a obra à Soares da Costa por considerar que a construtora portuguesa está “em condições de assumir as suas obrigações decorrentes” dos dois contratos anunciados no início de 2016, avaliados num total de 324,3 milhões de dólares (288,8 milhões de euros ao câmbio actual).

O Presidente angolano referiu também que “a cessão da posição contratual” – decisão de 2017 – para a construtora Centro Cerro “não foi concluída e formalizada”.

Estes contratos referem-se às intervenções nos lotes B1 e B7 que seriam realizadas por um consórcio constituído pelas empresas Degremont, Mota-Engil e Soares da Costa.


A Província de Luanda Contará com 300 Mil Ligações Domiciliares Até Agosto Próximo

A província de Luanda contará com 300 mil ligações domiciliares até Agosto próximo, contribuindo deste modo na melhoria da qualidade de vida de mais de dois milhões e 500 cidadãos, afirmou nesta quarta-feira o ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges.

Segundo o governante, que falava no acto inaugural de uma subestação de 60/15 KV, no bairro Belo Monte, município de Cacuaco, as 300 mil ligações, iniciadas em finais de 2017, estão inseridas no Programa de Desenvolvimento Nacional (PDN)-2018/2022, do Executivo angolano.

“Na província de Luanda, a conclusão do projecto em que se insere esta subestação e outras em fase de conclusão, contará com a execução de 300 mil ligações domiciliares”, informou.

A empreitada foi adjudicada à Sinohydro Corporation Limited, por via de um contrato que envolve a Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE), inserido no Programa de Investimentos Públicos (PIP).

Em relação à subestação, inaugurada hoje, o ministro disse que perto de 25 mil famílias do Bairro Belo Monte, em Cacuaco, começam a partir desta quarta-feira a beneficiar do fornecimento de energia eléctrica da rede pública.


Contingente de 22 Triliões de Pés Cúbicos de Gás Natural Ainda por Explorar

Angola tem um contingente de 22 triliões de pés cúbicos de gás natural ainda por explorar, dos quais 14 triliões de pés cúbicos estão localizados na Bacia do Kwanza e os oito na Bacia do Soyo, assegura o administrador executivo da Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANPG), Belarmino Chitangueleca, durante a Conferência sobre Petróleo e Gás que decorre desde ontem em Luanda.

Falando em exclusivo ao Mercado depois da mesa redonda sobre a “monetização do gás e os desafios do trading”, Belarmino Chitangueleca esclareceu que os 22 triliões de pés cúbicos correspondem apenas às antigas descobertas, sendo que, com a licitação de 55 novos blocos até 2022, há uma forte probabilidade de se fazerem novas descobertas e o contingente atingir níveis superiores.

O contingente de gás natural é formado pelo gás que foi descoberto pelos operadores ao longo dos trabalhos de prospecção mas não foi explorado porque não tinham a devida autorização.

Com a entrada em vigor da Lei 10/04 de 12 de Novembro de 2018- Lei das Actividades Petrolíferas, os operadores passaram a ter a autorização de explorar as descobertas de recursos que resultem das actividade de prospecção.

ANGONOTÍCIAS

 

 


A Curto e Médio Prazo Angola Tem Mobiliário e Outros Bens Resultantes da Madeira com Qualidade Para Exportação

Angola poderá exportar a curto e médio prazos mobília e outros bens, resultantes da madeira, pelo facto do país contar já com uma produção quantitativa e qualitativa, afirmou hoje, em Luanda, a ministra da Indústria, Bernarda Martins.

Bernarda Martins referiu existir oportunidades para as empresas angolanas da madeira e mobiliário, apostarem na exportação, começando por estudar mercados, estilos preferenciais e oferecer uma gama de produtos com qualidade.

A governante, que falava na abertura da 1ª edição da Feira das Indústrias do Mobiliário e Madeira de Angola, que decorre sob o lema “Mais Indústria, mais emprego e mais Angola”, informou que essa indústria já tem empresas com alguma dimensão, com tecnologia avançada e design que apelam à boa qualidade.

No País, estão licenciadas 94 empresas industriais do ramo da madeira e mobiliário, incluindo as de sofás e colchões, que emprega mais de três mil trabalhadores.