Duo Ouro Negro – Raul Indipwo e Milo MacMahon

duo_

Clique no Link da música que quer ouvir
Duo Ouro Negro – Agora Vou Ser Feliz
Duo Ouro Negro – Alucinado
Duo Ouro Negro – Amanhã
Duo Ouro Negro – Au Revoir Sylvie
Duo Ouro Negro – Baile Dos Trovadores
Duo Ouro Negro – Cantando
Duo Ouro Negro – Cavaleiro Solitário
Duo Ouro Negro – Eliza (1967)
Duo Ouro Negro – Estou Pensando em Ti
Duo Ouro Negro – Garota
Duo Ouro Negro – Georgina
Duo Ouro Negro – Iemanjá
Duo Ouro Negro – Iliza Gomara Saia
Duo Ouro Negro – Kurikutela
Duo Ouro Negro – Luanda
Duo Ouro Negro – Mamã Esperança
Duo Ouro Negro – Maria Rita
Duo Ouro Negro – Menino de Braçanã
Duo Ouro Negro – Muxima
Duo Ouro Negro – Na Minha Casa De Benguela
Duo Ouro Negro – Nostalgia
Duo Ouro Negro – Onde Estão Teus Olhos Negros

Duo Ouro Negro – Quando Amanhecer

Duo Ouro Negro – Serenata do Adeus
Duo Ouro Negro – Ter Amigos e Fortuna
Duo Ouro Negro – Trem das Onze
Duo Ouro Negro – Valsa do Vaqueiro
Duo Ouro Negro – Vou Levar-te Comigo

Veja Mais Músicas no Fundo da Página

525491_572889159389101_1888968629_nRaul Indipwo e Milo MacMahon formaram, em 1959, o Duo Ouro Negro. Raul e Milo conheciam-se desde a infância, em Benguela (Angola) e, quando se reencontraram, já no início da idade adulta, iniciam um projecto centrado no folclore angolano de várias etnias e línguas. O nome Ouro Negro foi escolhido porque, naquela região de Angola, designava tudo o que fosse excepdonal: o petróleo, o café, um jogador de futebol fora de série ou… um bom cantor.

Quem os baptizou foi a locutora Maria Lucília Dias do Rádio Clube do Congo Português.

Um espectáculo que deram em Luanda incluía uma cláusula que garantiu uma apresentação no cinema Roma, em Lisboa. E assim o grupo chega à Metrópole, pela mão do empresário Ribeiro Braga, onde alcança êxitos não apenas no referido cinema como também no Casino Estoril. Desta breve viagem resulta a gravação de três discos. 

Após o regresso a Angola, integram um terceiro elemento, José Alves Monteiro que, em breve, deixaria o grupo. A carreira dos Ouro Negro tem, a partir de então, uma expressão internacional. No espaço de um ano, actuam na Suíça, em França, na Finlândia, na Suécia, na Dinamarca e, naturalmente, em Espanha e Portugal. Em Lisboa, ao êxito quase instantâneo dos primeiros discos, sucedem-se actuações em programas televisivos e radiofónicos, a par de inúmeras prestações em casas de espectáculos. 

Seguindo a “onda” dos ritmos de dança como o twist, o madison, o surf e muitos outros, o Duo Ouro Negro lança o kwela, que rapidamente se transformou numa moda, sendo considerado o ritmo do Verão em1965. Na realidade, o kwela mais não era que uma dança ritual da tradição africana, que em dialecto zulu quer dizer flauta. A nova moda pegou e, para a cena europeia, representava uma novidade encantadora. Paris rendeu-se ao kwela e a Europa também.

O Duo Ouro Negro conhece, em 1966, um dos pontos mais altos da sua ainda recente carreira, ao actuar no Olympia e no Alhambra, em Paris. E no ano seguinte, naquela que pode ser considerada uma das mais elevadas distinções do grupo, actuam na Sala Garnier da Ópera de Monte Carlo para os Príncipes do Mónaco, por ocasião das comemorações do IV Centenário do principado. Ainda nesse mesmo ano, são galardoados em Portugal com o Trofeu da Imprensa.

O Olympia de Paris transforma-se numa sala talismã para o Duo Ouro Negro. Em 1967, a sala acolhe-os durante três semanas em Maio e outras três em Outubro. Repartem estas actuações com espectáculos em diversas televisões europeias. O Brasil é outro dos palcos da actuação dos dois angolanos nesse mesmo ano de 1967, com recitais no teatro Cecília Meireles e no Canecão. Neste ano de ouro para o Duo Ouro Negro acontece, ainda, no programa da RTP de coroação da Rainha da Televisão de 1960. Flama,35-5-60 uma verdadeira consagração, ao actuarem no Rendez-Vous avec Danny Kaye, o espectáculo de comemoração do 20º aniversário da UNICEF, transmitido de Paris para mais de 200 milhões de telespectadores.

“Figuras fulgurantes do music-hall não apenas em Portugal mas por toda a Europa onde os escutam e enlouquecem”, de acordo com uma revista da época, Raul e Milo conhecem a partir de 1968, uma segunda fase da sua carreira. Ao conquistarem o Canadá e, depois, os Estados Unidos, internacionalizam as suas músicas a uma escala mais larga. Em Chicago assinam um contrato com a Columbia Artists Management e, depois de um breve regresso a Portugal e a África, brilham no Waldorf Astoría, em Nova Iorque.
165771_185993584745329_4653862_n
Também a América Latina foi palco de dois espectáculos do Duo Ouro Negro, no teatro Maipu, de Buenos Aires, a par de quatro espectáculos televisivos e do lançamento do LP Ouro Negro Latino. O cosmopolitismo do grupo não pára e uma longa digressão ao Japão consolida o seu prestígio em terras do Oriente.

Nos anos setenta com o espectáculo Blackground, o Duo Ouro Negro faz êxito em Lisboa e mais tarde na Alemanha. Têm, então, a intenção de abandonar as canções mais ligeiras, como Maria Rita, para se dedicarem ao folclore angolano como eixo da sua carreira.

Dois meses antes do 25 de Abril, Raul Indipwo desdenhava, de certa forma, da actuação em Portugal, afirmando que “a verdade é que não há um sítio, uma casa de music-hall para cantarmos. A televisão contrata como vedetas cançonetistas que lá fora ficam num plano inferior a nós”.

Com a revolução, o Duo Ouro Negro experimenta sons de carácter mais vanguardista e, em breve, optam de vez pelo estrangeiro, com novas actuações nos Estados Unidos, Austrália e Paris. don

No final da década de 70 chega um tempo de maior calma para a música do duo que ainda volta a cintilar alto em Portugal com Império de lemanjá. Com a morte de Milo, no final dos anos 80, termina a carreira do Duo Ouro Negro.

 Raul Indipwo morreu a 4 de Junho de 2006.

Para sempre ficam Kuríkutéla, Muiowa, Muxima, Kwéla, Sylvie, Maria Rita, Blackground, Império de lemanjá, Amanhã, Vou Levar-te Comigo.

Clique nos Links abaixo e Ouça

Duo Ouro Negro – A Minha Mulata
Duo Ouro Negro – Carnaval de Luanda
Duo Ouro Negro – Dekhinni
Duo Ouro Negro – Eh! Sambá
Duo Ouro Negro – Kangrima
Duo Ouro Negro – Katéria
Duo Ouro Negro – Mãe Preta
Duo Ouro Negro – Mana Fatita
Duo Ouro Negro – Maria Candimba
Duo Ouro Negro – Muamba, Banana e Cola
Duo Ouro Negro – Ondyaiya
Duo Ouro Negro – Singing my Song
Duo Ouro Negro – Upa Neguinho