Tômbwa, em Angola Aposta no Sector Turístico e Elabora um Plano Directório de Turismo

A administração municipal de Tômbwa, em Angola, tem como aposta o sector turístico, com a elaboração de um plano directório do turismo, como fonte de captação de receitas e desenvolvimento da região.

om os olhos postos na afirmação do turismo, o município do Tômbwa assinala este domingo 165 anos desde a sua fundação. Fundada a 8 de Dezembro de 1854, pelo major português Marcelino Norberto Rudzcki, com a designação de Angra das Aldeias, a cidade passou, em 1981, a chamar-se Tômbwa, nome derivado de uma das línguas nativas locais, expressão usada para designar a planta Welwitchia Mirabilis que se encontra espalha por todo o deserto deste município.

Com uma população estimada em mais de 50 mil habitantes, ostenta uma composição etnolinguística diferenciada, com particular realce para os Hereros, povos que têm como principal actividade a pesca artesanal, pecuária e agricultura de subsistência.

Promoção do turismo

A administração municipal tem como aposta o sector turístico, com a elaboração de um plano directório do turismo, como fonte de captação de receitas e desenvolvimento da região.

Alexandre Nyuka, o administrador municipal, afirmou, à ANGOP, que o turismo afigura-se como a actividade alternativa ao sector pesqueiro para a geração de emprego e renda para as populações do município.


Falência de Hotéis e Resorts Angolanos Devido à Redução das Taxas de Ocupação

Foto Lusa

A Associação dos Hotéis e Resorts de Angola (AHRA) lamenta a falência de muitas unidades hoteleiras do país, originada pela “brutal redução das taxas de ocupação”, apontando, no entanto, uma “considerável subida” nas taxas de Luanda.

Trouxemos também para o debate as causas que têm levado a termos maior constrangimento neste momento e que provoca uma brutal, para não dizermos dramática, baixa de taxas de ocupação e que tem estado a levar à falência muitas das nossas unidades hoteleiras”, afirmou, quinta-feira (26), o secretário-geral da AHARA, Ramiro Barreira.

Falando em Luanda, na abertura do 1.º Congresso Nacional de Hotelaria, Ramiro Barreira disse que a atual situação leva com que o setor registe “muito desemprego”, defendendo a necessidade de “crédito, principalmente, na reativação do setor hoteleiro”.

“Pedimos também que continuemos de mãos dadas com o executivo para encontrarmos as melhores plataformas que visem, a breve trecho, pôr Angola no caminho certo do desenvolvimento e do crescimento económico”, adiantou.


Construção de Zoológicos em Angola é um Pedido dos Turistas

Ao falar á Angop, na cidade do Cuito, o proprietário do “Rovos Rail”, Rohan Vos-Ceo, disse que a ideia da construção de parques zoológicos,vai garantir maior atracção para os turistas, inscrever o país na rota do turismo Safari e assegurar a permanência de outros animais raros da região.

“Os turistas gostam visitar estes locais de maior concentração animal” – Disse Rohan Vos-Ceo.

Por sua vez, o guia do comboio luxuoso sul-africano “Rovos Rail”, Nicholas Schofield, mostrou-se impressionado com a vasta fauna e flora constatada durante o percurso, (Luena-Cuito), defendendo a criação de espaços de lazer ao logo do troço.

No Cuito,o Comboio, com dez carruagens luxuosas apinhadas de turistas sul-africanos, norte-americanos, ingleses, suíços, holandeses, australianos e neozelandeses, foram recebidos pelo Governador da província, Pereira Alfredo.


Dia 26 de Julho Entra em Angola Pela Fronteira do Luau o Primeiro Comboio Turístico Proveniente de Dar Es Salaam

Angola recebe dentro de uma semana o primeiro comboio turístico, proveniente de Dar Es Salaam, Tanzânia, que traz ao país mais de 100 turistas estrangeiros para uma estada de oito dias, num itinerário promovido pela sul-africana Rovos Rail.

Esta atividade foi anunciada sexta-feira em conferência de imprensa pela coordenadora da Benguela Turismo, Rebeca Barreiros, e responsáveis do Ministério da Hotelaria e Turismo de Angola.

O comboio chega a Angola, entrando pela fronteira do Luau, província angolana do Moxico, no dia 26 de julho, com 53 turistas norte-americanos, suíços, australianos, belgas, neozelandeses, holandeses e sul-africanos, que pagaram pacotes turísticos entre 12.000 a 25.000 dólares (cerca de 10.700 a 13.360 euros).

O segundo grupo, de 54 turistas, chega a Luanda, por via aérea, permanecendo na capital por alguns dias, antes de seguirem para Benguela, terminando a viagem em Dar Es Salaam.

Em declarações à imprensa, Rebeca Barreiros disse que este é um ano experimental, estando já previstas outras duas viagens para 2020 e 2021, tendo Angola incluída no itinerário.

“A empresa optou por um número menor de turistas, para ver qual era a aceitação do turismo internacional, que foi bastante grande, sendo que já estão confirmadas duas partidas” em julho de 2020 e 2021, disse Rebeca Barreiros.


De Dar Es Salaam na Tanzânia ao Lobito no litoral Angolano Em Comboio Turístico de Luxo

Cerca de 50 turistas de várias nacionalidades viajam a bordo do primeiro comboio de luxo do operador turístico sul-africano “Rovos Rail”, que partiu de Dar Es Salaam, na Tanzânia, dia 14 de julho, com destino a Angola, no âmbito de um safari de comboio transafricano denominado “Os dois oceanos”, ligando o Índico e o Atlântico.  No total são 18 dias a bordo do Rovos, O preço pago pelos turistas endinheirados foi de US$ 25 mil dólares para duas pessoas.

Com dez carruagens luxuosas, que acomodam turistas sul-africanos, norte-americanos, ingleses, suíços, holandeses, australianos e neozelandeses, o comboio vai entrar pela Zâmbia e atravessar a República Democrática do Congo, antes de chegar ao Luau, na fronteira de Angola, no próximo dia 26 deste mês.

Em declarações nesta quarta-feira à Angop, Rebeca Barreiros, coordenadora do escritório da Agência Benguela Turismo/Alive Travel, no Lobito, adiantou que os turistas embarcaram em Dar Es Salaam, acompanhados por mais 35 pessoas do staff da Rovos Rail, a principal companhia de caminhos-de-ferro de luxo em África.

Depois de entrar em Angola, o comboio segue do Luau, no Moxico, com destino ao Lobito, litoral da província de Benguela, percorrendo 1.334 quilómetros na linha do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB).

Segundo a técnica de turismo, estão previstas paragens ao longo da viagem, nomeadamente nas estações de passageiros do CFB no Luena, no Moxico, e na do Cuito, província do Bié, para os turistas pernoitarem no comboio.