Aprovada Pelo Presidente Angolano a Compra da Nova Frota da TAAG Para os Voos Internos

A TAAG vai finalmente resolver o problema da inadequada frota para voos internos com a chegada dos seis DASH-8, da canadiana Havilland Aircraft, antiga Bombardier, com 74 lugares e custos na ordem dos 34 a 38 milhões de dólares norte-americanos por unidade, e que devem chegar ao país a partir de Janeiro de 2020, uma unidade por mês, até Junho.

A decisão já tinha sido anunciada no passado mês de Junho, à margem da 53ª conferência do salão internacional de aviação “Paris Air Show”, mas é agora confirmada por um decreto presidencial que autoriza a modernização da frota da companhia de bandeira nacional, em que o Chefe de Estado revoga um diploma de Abril que punha fim ao negócio depois de a aquisição das aeronaves ter sido impedida pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), no âmbito do acordo de empréstimo firmado com o Executivo.

O diploma, que justifica a aquisição com os resultados de um estudo que defende um plano de reestruturação e modernização da frota da TAAG com a aquisição de aeronaves Havilland DASH-8, responde ainda às pretensões do presidente da Comissão Executiva da transportadora aérea,


Negociações da Venda da Taag Entre Estado Angolano e a Qatar Airways

Estado vai manter-se como maior accionista, com 51% da participação da TAAG, os trabalhadores do sector dos transportes ficarão com 10% das acções e a Qatar Airways vai controlar 39% do capital e cuidará da gestão da companhia.

O Governo, por via do ministro dos Transportes, Ricardo D”Abreu, e quadros seniores do sector dos transportes, tem estado a negociar com os accionistas da companhia aérea Qatar Airways a venda de 39% das acções da TAAG àquela operadora, confidenciaram ao Novo Jornal fontes ligadas ao processo.

As partes podem fechar parcialmente o negócio ainda este ano, já que, fruto da compra dos 39% das acções da TAAG, a Qatar Airways, apesar de não vir a ser acionista maioritária, assumirá a gestão da operadora aérea nacional, explicou um dos interlocutores, realçando posteriormente que o processo de venda poderá ficar concluído em 2021, como previsto no Programa de Privatizações (Propriv) do Governo, usando a modalidade da privatização por alienação de participações sociais.


Seis Novas Aeronaves Para Renovação da Frota da TAAG

De acordo com uma nota de imprensa da companhia de bandeira nacional, o anúncio foi feito à margem da 53ª conferência do salão internacional de aviação de Paris (França), denominado “Paris Air Show”, na presença do ministro dos Transportes, angolano, Ricardo D’Abreu.

Segundo o documento, o salão internacional de aviação de Paris ficou marcado pela transição do programa de aeronaves da serie Dash8/Q, da construtora Bombardier para a De Havilland of Canada Limited. A TAAG atende actualmente mais de 12 destinos domésticos e vários internacionais, em África, na América do Sul, do Caribe, na Europa e na Ásia, com uma frota de dez aviões, sendo 4 do tipo 737-700 e seis 777-300 e 777-200.

‘De Havilland Aircraft of Canada’ confirma encomenda da TAAG

Entretanto, a NewsAvia noticia que a construtora de aviões ‘De Havilland Aircraft of Canada’, que retomou o programa ‘Dash 8’, até há poucas semanas nas mãos do conglomerado industrial canadiano Bombardier, confirmou nesta terça-feira, dia 18 de junho, que assumiu a responsabilidade de fornecimento dos aviões que tinham sido contratados para a TAAG Linhas Aéreas de Angola, que era público, desde julho de 2018.

A TAAG tinha confirmado no ano passado a encomenda de seis aviões novos à Bombardier, que já tinham sido inicialmente negociados por um consórcio angolano, então denominado ‘Air Connection Express – Transportes Aéreos S. A.’ constituído à revelia do novo Presidente da República, João Lourenço, e que agrupava a TAAG e a ENANA, empresa pública que opera os aeroportos e controla o tráfego aéreo civil em Angola, e outras pequenas companhias aéreas, propriedade de destacados empresários e oficiais ligados ao regime de José Eduardo dos Santos, que governou Angola durante as últimas décadas.


A Angolana TAAG Vai Retomar as Ligações Aéreas entre Angola e Cabo Verde

A informação consta num comunicado divulgado pela delegação da TAAG em São Tomé e Príncipe, mas os serviços de reserva da companhia aérea na capital angolana indicaram que nem as datas dos voos nem as respetivas tarifas estão disponíveis na rede informática da TAAG.

No comunicado da delegação da TAAG, em São Tomé, é referido que, entre 26 deste mês e 26 do próximo mês outubro, no quadro do reajustamento do novo Programa de Verão da companhia, o voo terá duas ligações semanais para a ilha do Sal – sai de Luanda à sexta-feira e ao domingo e regressa ao sábados e segunda-feira, respetivamente.

À sexta-feira e ao domingo, e tendo em conta as horas locais, o voo da TAAG parte de Luanda às 21:50 e chega a São Tomé às 23:50, deixando a capital são-tomense às 00:40, com destino ao Sal, onde aterrará às 05:55.

Em sentido inverso, e sempre em horas locais, ao sábado e à segunda-feira, o aparelho sai do Sal às 07:25 locais, chegando a São Tomé às 12:30, de onde parte para Luanda às 13:30, para aterrar na capital angolana às 15:20.

Os voos diretos entre Angola e Cabo Verde foram suspensos em 2016 devido à falta de rendibilidade do destino.


Ao Contrário do Anunciado a TAAG Aumenta Tarifário dos Voos Domésticos

A TAAG anunciou, em comunicado, no início do mês, que tinha revisto o tarifário dos voos domésticos, baixando o preço das viagens para as províncias, mas o NJOnline fez as contas, tendo como base o tarifário anterior, que data de Fevereiro de 2018, e concluiu que o preço das viagens aumentou, em alguns casos, na ordem dos 20%.

Tendo em conta o comunicado da TAAG e o tarifário que resultou da revisão efectuada no ano passado por esta altura, a viagem para o Lubango custava 63.421 kwanzas, isto sem os descontos de 10 e 20% anunciados pela companhia em Fevereiro e sem as taxas, mas a mesma viagem custa agora 77.330 kwanzas, de acordo com os valores avançados pela companhia à Angop.

Já a viagem Luanda-Luena, que custava 66.541 (também sem os referidos descontos), custa agora 80.757 Kz. No caso da viagem Luanda-Huambo, o bilhete, que custava 60.926 kz kwanzas (sem os tais descontos), passou, com a entrada em vigor deste tarifário, a custar 83.941 kwanzas.

Também a viagem para a cidade de Menongue, no Kuando Kubango, que custava 66.853 kz, custa agora 73.143, em económica.