Angola é um País Desigual Porque Não Soube Aproveitar os Primeiros Anos de Paz

Apesar dos 16 anos de paz, Angola é um país desigual porque não teve capacidade de aproveitar os primeiros anos do fim da guerra até 2008 e de resistir às crises económicas e financeiras internacionais, considerou hoje o economista Alves da Rocha, diretor do Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica de Angola.

O economista angolano afirma que o país foi incapaz de transformar a paz num dividendo de distribuição justa do rendimento nacional.

De acordo com Alves da Rocha, Angola deveria apresentar índices de igualdade no acesso a oportunidades, rendimento nacional, crédito bancário, “que não somos capazes de apresentar porque há pessoas muito ricas e há pessoas muito pobres no país”.


Água Boa Que se Desperdiça em Luanda é um Insulto Àqueles Que Nunca a Tiveram em Suas Casas

A quantidade de água boa que diariamente se desperdiça em Luanda é, no mínimo, um insulto àqueles que nunca a tiveram canalizada em casa e aos que há anos não a vêem sair das torneiras.

Luanda é a cidade dos contrastes. Agressivos arranha-céus envidraçados a par de prédios abandonados feitos lixeiras, “casas de banho” públicas ou refúgio dos desvalidos. Também de modernas centralidades a conviverem com musseques enlameados. Enfim, de todos os contra senso que a imaginação menos fértil pode imaginar.

Jornal de Angola

 


Diz o Vice-Presidente da República Que Angola Perdeu Incansável Promotor da Concórdia e Harmonia

O Vice-Presidente da República de Angola, Bornito de Sousa, considerou, este domingo, que, com o falecimento de Almerindo Jaka Jamba, o país perde um incansável promotor da concórdia e harmonia entre os angolanos.

O nacionalista, político, escritor e académico Almerindo Jaka Jamba faleceu na madrugada deste domingo, numa das unidades hospitalares da capital, Luanda, vítima de paragem cardíaca.

Numa mensagem de condolências endereçada à família do malogrado, Bornito de Sousa diz que recebeu a notícia com um “sentimento de profunda consternação”.

“Com este infausto acontecimento, Angola perde um dos seus filhos mais ilustres, intelectual de rara estirpe e incansável promotor da concórdia e harmonia entre os angolanos”, escreve o Vice-Presidente de Angola.

Bornito de Sousa acrescenta: “Nesta hora de dor, e em nome de Sua Excelência o Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço, do Executivo  e no meu próprio, apresento condolências à família do malogrado, na esperança de que a sociedade valorize, na sua acção quotidiana, o legado do nacionalista que parte prematuramente”.


Armelindo Jaka Jamba Político Angolano Morreu Hoje em Luanda

Morreu na madrugada deste domingo (01), em Luanda,  o político e historiador angolano Armelindo Jaka Jamba, vítima de doença.

Morreu hoje, aos 69 anos,  Jaka Jamba, deputado da Unita, maior partido da oposição angolana e membro da Academia de Letras de Angola.

Almerindo Jaka Jamba era formado em Filosofia, pela Universidade Clássica de Lisboa, e doutro em História.

Por força dos Acordos de Alvor, assinados em 1975, entre Portugal e os então movimentos de libertação angolanos (FNLA, MPLA e UNITA), ocuparia, no Governo de Transição, a pasta de secretário de Estado da Informação.

Foi vice-presidente da Assembleia Nacional (1997-2005) e embaixador na Missão Permanente de Angola junto do Organismo das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), em Paris (2005- 2008).

No partido UNITA, já ocupou vários cargos de destaque, tais como os de secretário de Educação, Informação, dos Negócios Estrangeiros, da Cultura e Herança Africana.


Vai Ser Uniformizado em Angola Processo para Obtenção de Moradias Construídas no Tempo Colonial

Cidade do Lobito

Cerca de 60 por cento do património habitacional não está regularizado, uma situação que abarca tanto os edifícios e moradias construídos na época colonial e confiscados pelo Estado, quanto as novas construções, incluindo as centralidades, soube ontem o Jornal de Angola.

Edna Silva, conservadora do Registo Predial garantiu que os moradores em regime de renda resolúvel também têm procedimentos próprios para regularizarem os imóveis.Para acelerar o projecto de regularização em curso, vão ser instalados 54 postos de serviços equiparados aos do Guiché Único da Empresa, onde estarão representadas todas as entidades que fazem parte do processo, anunciou a conservadora.