Nas 18 Províncias de Angola e em Quatro Anos Foram Formadas Sete Mil Parteiras Tradicionais

Foto OPAÍSA ministra Filomena Delgado deseja que as parteiras tradicionais sejam as principais atoras na sensibilização de jovens gestantes e, simultaneamente, incentivadoras do registo de crianças recém-nascidas nas maternidades.


Depois de Uma Cirurgia de Grande Envergadura no Hospital Geral de Benguela Gémeas Siameses Estão Bem

benguela_0As gémeas siameses separadas após uma intervenção cirúrgica, no hospital geral de Benguela, recuperam satisfatoriamente 24 horas depois da operação.


Angola Quer Reduzir Para Metade a Mortalidade Materna e Número de Mortes de Menores de Cinco Anos

materno_infantil_angola

As metas da Saúde nacional, ao encontro dos planos de desenvolvimento do Executivo, foram apresentadas pelo embaixador da União Europeia (UE) em Angola, Gordon Kricke, como ambições do Programa de Apoio ao Sector da Saúde (PASS II), financiado pela UE.

A projecção de Kricke surgiu na II reunião do comité de direcção do PASS II, realizada em Luanda no início da semana e marcada pela injecção de cerca de 34 milhões de dólares no projecto, canalizados em 25% para a saúde materno-infantil, a principal beneficiária. Além do foco nas mulheres e nas crianças, o programa destaca-se pela cobertura geográfica: Abrange os 15 municípios mais populosos das províncias de Benguela, Bié, Huambo, Huíla e Luanda.


Consolidação da Imunidade das Crianças Angolanas à Poliomielite

jose_van_dunemA erradicação da poliomielite e o aumento dos serviços em unidades de saúde para o acompanhamento e tratamento de pessoas com VIH/Sida e a expansão do programa de prevenção vertical foram apontados como os ganhos do sector, segundo o titular da pasta, José Van-Dunem.

O governante referiu que a consolidação da imunidade das crianças angolanas a 80 porcento foi através da vacinação de rotina de campanhas nacionais e sub-jornadas, bem como o reforço da vigilância epidemiologica, incluindo a ambiental e da participação activa das comunidades


Saúde Materna e Infantil em Angola, Apontada Como um Exemplo no Continente Africano

saude-criancas-580De acordo com o vice-Presidente da República, Manuel Vicente, Angola tem registado progressos no campo da saúde materna e infantil, afirmando-se cada vez mais como um exemplo no continente africano. Para isso contribuiu a baixa da taxa de mortalidade infantil, que passou de 1400 crianças para 450 em cada 100.000 nascimentos.

As declarações do responsável governamental foram feitas na abertura da primeira reunião dos ministros africanos da saúde, que se realizou em Luanda. De acordo com o Jornal de Angola, Manuel Vicente reforçou que a melhoria dos indicadores da mortalidade materna e infantil na região é uma realidade, mas o grande objectivo é extinguir em África os óbitos evitáveis. O ministro acrescentou ainda que, no que diz respeito à saúde infantil, Angola está livre da poliomielite há mais de 28 meses.

Manuel Vicente pediu também aos lideres africanos uma união de esforços na monitorização da qualidade de todos os medicamentos e meios de diagnóstico a utilizar no continente. O vice-Presidente da República mostrou ainda vontade do país em albergar o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças de África. O responsável acrescentou que a guerra civil criou atrasos consideráveis no processo de desenvolvimento de alguns países africanos, inclusive Angola, causando um milhão de mortos, milhares de mutilados e órfãos, milhões de deslocados e uma ferida profunda na saúde pública.

O representante estatal acredita que com o conhecimento das reais necessidades de recursos, infraestruturas e serviços será possível “conseguir definir as diferentes etapas de execução ou revitalização de programas dos cuidados de saúde em África com equipas locais e apoiados por países parceiros conscientes do seu papel de partilha de conhecimentos”, escreve o Jornal de Angola.

Ver Angola