Quadro Social da Província de Benguela é Considerado Deplorável Pelo Bispo Dom António Jaka

O bispo da diocese de Benguela, Dom António Jaka, deplora o quadro social da província e chama a atenção do Executivo local para a necessidade de se garantir o básico para a população.

Em declarações à imprensa à margem da cerimónia de abertura da semana da “diocesaneidade”, no quadro do 49º aniversário da diocese de Benguela, o prelado católico afirmou que se constata grandes debilidades no saneamento básico, fornecimento de energia eléctrica, distribuição de água, de entre outras deficiências que apoquentam o cidadão e condicionam o seu bem-estar social.

“Há um conjunto de situações que os nossos concidadãos vivem aqui na província de Benguela que necessitam de uma atenção dos governantes”, adverte. Aos governantes, segundo o bispo, cabe garantir as condições básicas, exigindo, contudo, trabalho das autoridades para se resolver os problemas de uma província tida como estratégica.

“A questão do saneamento deve envolver todos os cidadãos”, considera, esperançado de que as famílias venham a ter “as condições mínimas e dignas”.


A Partir de Hoje e Por Tempo Indeterminado na Província de Benguela o Lixo Deita-se no Chão

Os habitantes do município sede de Benguela terão, de hoje em diante e, por tempo indeterminado, de depositar os seus resíduos sólidos domésticos no chão, nas ruas. O Governo local rescindiu unilateralmente o contrato com a empresa Vista, com a qual tem uma dívida acima dos 40 milhões de dólares

O Governo provincial de Benguela rescindiu, ontem, os contratos com as empresas de limpeza e recolha de resíduos sólidos domésticos nos municípios do Lobito, Catumbela, Benguela e Baía Farta. Em resposta, a empresa “Vista”, que assegurava este serviço na sede de Benguela, recolheu todos os seus contentores espalhados pela cidade. Para dar sequência ao trabalho e evitar que a cidade passe a figurar entre as com mais lixo do país, a Administração conta com alguns meios matérias que possui e cerca de 30 funcionários, ficando ao órgão máximo do Estado a nível local a responsabilidade de lhes assegurar mais recursos. O anúncio foi feito ontem pelo governador provincial em exercício, Leopoldo Muhongo, vice-governador para Infra-estruturas, frizando que cada benguelense produz diariamente cerca de 0,5 Kg de lixo.

Desde 2010 que a província de Benguela tem enfrentado fortes dificuldades no combate ao lixo, que se vai acumulando cada vez mais pelas conhecidas artérias dos municípios do litoral, nomeadamente, Baía Farta, Benguela, Catumbela e Lobito. Por falta de condições para prolongar os contratos com as empresas que operam neste segmento, este ano, o Governo provincial não renovou os acordos, atribuindo as tarefas outrora privatizadas, às administrações municipais. Sendo a “Vista” a maior empresa e maior parceiro do Estado neste sector, em Benguela, a totalidade dos contentores, barcas e caixotes do lixo distribuídos pelo município sede, nas zonas urbanas, têm o seu timbre. Logo, ao encerrar-se este contrato, com uma dívida do Governo acima dos 40 milhões de dólares, a empresa privada recolheu e armazenou os seus meios, despindo a cidade das Acácias Rubras de depósitos de lixo.


Província de Benguela Uma Potência Económica

As suas potencialidades económicas vão desde o sector das pescas, da agricultura, da indústria extractiva e transformadora, e do turismo.

Os municípios do Lobito, Catumbela, Benguela e Baía Farta, todos do litoral, são os principais pólos de atracção económica da província. A agricultura e a pecuária são actividades concentradas mais para o interior, nos municípios do Balombo, Bocoio, Ganda, Cubal, Chongorói. Além dos novos investimentos nos sectores de energia e águas e que podem dar outro impulso à economia, a província tem uma bacia hidrográfica considerável, onde os rios Catumbela, Cubal e outros ajudam no fomento da agricultura nas localidades por onde passa.

As principais produções agrícolas são o Sisal, Algodão, Cana-deaçúcar, Café Arábica, Abacateiro, Banana, Batata, Batata-doce, Gergelim, Feijão Macunde, Girasasol, Goiabeira, Mamoeiro, Mangueira, Maracujá, Massambala, Massango, Milho, Plantas Aromáticas, Produtos Hortícolas, Rícino, Tabaco, Eucalipto, Pinheiro. Dos 39.826,83 km² de área total, cerca de 1 milhão de hectares são terras favoráveis ao desenvolvimento da actividade agrícola.


A Província de Benguela Vai Começar a Beneficiar de 22 Mil Ligações de Energia Eléctrica ao Domicílio

Foto de António Escrivão

A província de Benguela vai beneficiar de duas mil ligações de energia eléctrica ao domicílio até ao final de ano de 2018, anunciou, no Cubal, o ministro de Energia e Águas, João Baptista Borges, no quadro de uma visita de trabalho de dois dias efectuada a província de Benguela.

O governante, que falava à imprensa no último fim-de-semana, disse que dentro de dias Benguela vai começar a beneficiar de 22 mil ligações de energia eléctrica ao domicílio no âmbito do projecto de electrificação.

“A ligação entre Cambambe ao Lobito, a linha já esta concluída, havendo necessidade da estação do sistema de compensação que deverá decorrer nos próximos meses, este será um projecto que aliviará grande parte da produção térmica e dos custo de aquisição de combustíveis, porque Benguela vive de ponto de vista de abastecimento de 50 Megawatts, vindo do Lumaum”, disse.

Segundo o ministro, grande parte de energia distribuída na província de Benguela é por gerador e o sector vai, com esta ligação, reduzir estes custos.


Província de Benguela Recebe 150 Novos Autocarros Para Transporte de Passageiros

Cento e cinquenta novos autocarros, que vão permitir o transporte de passageiros em Benguela, entram em circulação em breve na província, anunciou o governador Rui Falcão Pinto de Andrade.

O governante, que aludiu ao facto na Baía Farta, no acto de abertura do Ano Lectivo 2018, que decorreu sob o lema “Capacitar o professor é garantir uma educação de qualidade para todos”, disse que os meios vão garantir maior mobilidade.