António Costa Afirmou Hoje Que Portugal Vai Estar na 1ª Linha na Reconstrução de Moçambique

O primeiro-ministro português afirmou hoje que Portugal quer estar na primeira linha do apoio à reconstrução e desenvolvimento das regiões moçambicanas atingidas pelos ciclones, numa intervenção em que salientou a importância do combate às alterações climáticas.

António Costa deixou esta nota de empenhamento na cooperação com Moçambique no final da IV Cimeira Luso Moçambicana, que decorreu no Palácio Foz, em Lisboa.

Tendo ao seu lado o chefe de Estado de Moçambique, Filipe Nyusi, António Costa expressou “a solidariedade de Portugal em relação a todos os moçambicanos que foram vítimas ou sofreram grandes prejuízos na sequência dos ciclones Idai e Kenneth.

“Portugal, através das suas Forças Armadas, dos seus serviços de proteção civil e de emergência médica, teve a oportunidade de estar na primeira linha da resposta de emergência.

Quero aqui manifestar a total disponibilidade e empenho em continuarmos na primeira linha agora na fase da reconstrução”, salientou António Costa.

Neste contexto, o primeiro-ministro português referiu-se em particular a um dos 13 acordos bilaterais hoje assinados entre os dois países e que se relaciona com a constituição de um fundo de apoio à reconstrução das zonas moçambicanas atingidas pelos ciclones.


Entre 5 e 7 de Julho Vai Decorrer em Maputo a III Cimeira Portugal-Moçambique

foto_stormdog

A capital moçambicana vai acolher, entre 05 e 07 de julho, a III Cimeira Portugal-Moçambique, que privilegiará as relações económicas e comerciais, a par do reforço das político-diplomáticas, anunciou o Governo moçambicano. O primeiro-ministro português, António Costa, deverá participar do evento.

O anúncio foi feito pelo ministro da Indústria e Comércio moçambicano, Ragendra de Sousa, que salientou estarem ainda em curso os preparativos do encontro.

Segundo a AIM, a III cimeira vai decorrer num contexto de crise financeira e económica em Moçambique, agravada pelo corte de fundos de apoio direto ao Orçamento Geral do Estado (OGE) moçambicano por parte do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do grupo de 14 doadores (G14), incluindo Portugal, na sequência da descoberta das dívidas ocultas contraídas pelas empresas Ematum (Tunamar), ProIndicus e MAM.

O FMI e o grupo de 14 doadores para o OGE moçambicano suspenderam, em 2016, a transferência de fundos na governação do Presidente Armando Guebuza, recorda a agência noticiosa moçambicana.


Em Maputo Foi Assinado um Programa de Cooperação Entre Moçambique e Portugal

Moçambique e Portugal assinam hoje, em Maputo, um novo programa estratégico de cooperação, durante a visita de três dias da secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros portuguesa, Teresa Ribeiro, à capital moçambicana.

O novo programa será orientado para a “agenda do desenvolvimento sustentável” definida pelas Nações Unidas, anunciou a governante, informa a agência Angop.


Mesa Operatória Para Cirurgia Cardíaca Oferecida por Portugal a Moçambique

mesa_operacoes_A embaixada de Portugal em Maputo entregou, quarta-feira (02), ao Instituto do Coração (ICOR) uma mesa operatória para cirurgia cardíaca, uma oferta que resulta do apoio anunciado pelo Presidente português durante a visita a Moçambique, em maio, informa a agência Lusa.

A cerimónia decorreu com a presença da embaixadora de Portugal em Maputo, Maria Amélia Paiva, da Diretora do ICOR, Beatriz Ferreira, e de um representante do Ministério da Saúde.

“Com esta oferta, a Embaixada de Portugal — Cooperação Portuguesa pretende contribuir para o esforço realizado pelo ICOR em proporcionar às crianças e jovens moçambicanos com problemas cardíacos, provenientes em muitos casos das camadas mais carenciadas da população, o acesso a tratamentos de cateterismo e cirurgia cardíaca”, acrescenta-se no documento.

África 21 Digital