Porto do Lobito Passa a Receber Navios da Terceira Maior Empresa de Transporte de Carga Marítima

lobito_portoO grupo francês CMA CGM, o terceiro maior do mundo no transporte de carga por via marítima, vai passar a operar o terminal do porto do Lobito, no sul de Angola, numa parceria com a angolana Multiparques, informou na passada semana o grupo francês.

De acordo com a informação divulgada, o entendimento para a operação foi formalizado em Paris, a 18 de Dezembro, na presença dos ministros dos Negócios Estrangeiros de Angola e de França, e o terminal estará operacional durante o ano de 2015.


Inaugurado o Porto Seco, o Terminal de Contentores e o Terminal de Minérios do Porto do Lobito

lobito_portoO porto seco, o terminal de contentores e o terminal de minérios do porto do Lobito, província de Benguela, com um custo estimado em 1247 milhões de dólares, foram quinta-feira inaugurados pelo presidente deAngola, de acordo com a agência noticiosa Angop.

O terminal de contentores tem uma extensão de 414 metros, o de minérios dispõe de um cais com 310 metros e o porto seco está directamente ligado, por estrada e a via férrea, ao porto do Lobito e ao Caminho-de-Ferro de Benguela, dispondo de uma área de 90 mil metros quadrados.

O terminal de contentores custou 673 milhões de dólares, o de minérios 522 milhões de dólares e o porto seco 32 milhões de dólares, englobando a verba total a aquisição de um rebocador multifuncional (16 milhões de dólares) e de uma lancha rápida (4 milhões de dólares).

Estas inaugurações foram feitas no âmbito da reunião da Comissão Económica do Conselho de Ministros, presidida quinta-feira, naquela cidade da província de Benguela, no litoral centro de Angola, pelo Presidente de Angola.

A articulação entre o transporte marítimo, na cidade portuária de Lobito, e a linha férrea de Benguela, até à fronteira (província do Moxico), assenta na aposta angolana em captar a exportação de produtos não só do interior do país mas também de outros da sub-região austral do continente africano, como a Zâmbia e a República Democrática do Congo.

(macauhub/AO)


Caminho-de-Ferro de Benguela e Porto do Lobito Vão Escoar Produção Mineira da RD do Congo e da Zâmbia

porto_mineiro_lobitoO porto do Lobito está-se a preparar para receber a produção mineira do Catanga, na RD do Congo e da Zâmbia, a ser transportada através da linha de caminho-de-ferro de Benguela, disse quarta-feira o presidente da empresa gestora Porto Comercial do Lobito.

Anapaz Neto disse ainda à agência noticiosa Angop que para receber a produção mineira de Catanga e da Zâmbia, a unidade portuária investiu na construção de um terminal de minérios que conta com um cais de 310 metros, uma área total de 200 mil metros quadrados e capacidade para receber navios até 50 mil toneladas de arqueação bruta.

O presidente da Porto Comercial do Lobito salientou que o terminal de minérios tem uma capacidade operacional de 3,6 milhões de toneladas/ano.

O porto do Lobito, cuja construção data de 1928, está intrinsecamente ligado com o caminho-de-ferro de Benguela, permitindo ligar o Oceano Atlântico aos países do interior e, através destes, ao Oceano Índico.

Na passada semana, a China Railway Construction deu por concluída a empreitada de reconstrução da linha de caminho-de-ferro de Benguela, em Angola, com uma extensão de 1344 quilómetros entre o Oceano Atlântico e a República Democrática do Congo.

De acordo com a empresa, esta empreitada, que implicou a reconstrução de 67 estações e permitirá uma velocidade máxima das composições de 90 quilómetros por hora e 20 milhões de toneladas de carga por ano, representou para o Estado angolano um custo de 1,83 mil milhões de dólares.

A linha começou a ser construída por Portugal em 1899, a ligação ao Luau foi completada em 1929 e em 1931 o porto do Lobito recebeu por via férrea o primeiro carregamento de cobre proveniente do Catanga.

(macauhub/AO/CN)


Porto do Lobito Com Novos Equipamentos de Movimentação de Carga

A instalação de novos equipamentos de movimentação de carga no Porto do Lobito, Benguela, iniciada no passado dia 29 de Novembro, prossegue a bom ritmo e tudo indica que os trabalhos ficam prontos ainda no decurso da primeira quinzena deste mês.
Com a montagem desses equipamentos, os navios de grande porte vão passar a ser descarregados em apenas um dia, em vez de três, como acontece actualmente.
A cerimónia do início da instalação dos equipamentos foi assistida pelo ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás.
Naquela ocasião, o presidente do Conselho da Administração (PCA) do Porto do Lobito, Anapaz de Jesus Mendes, informou que, no presente momento, a empresa conta com dez gruas móveis, seis sobre rodas, com capacidade para 41 toneladas, e quatro sobre carris, com capacidade para 50 toneladas .
Os novos equipamentos vão dotar o porto de maior capacidade e eficiência no manuseamento e entrega de mercadorias aos clientes em prazos mais céleres.
A manutenção dos equipamentos vai ser assegurada por 26 técnicos nacionais, treinados durante 30 dias na China e igual período em Angola.
O reequipamento técnico do Porto do Lobito insere-se num programa de modernização e inclui a construção de terminais de contentores, minérios e, também, de um porto seco.
“Assim, vamos poder competir com outros portos da África Austral, porque vamos ser mas rápidos na descarga, recarga e nas entregas de mercadorias aos nossos clientes”, disse Anapaz de Jesus.
As obras em curso nos principais portos angolanos foram decididas para corresponderem ao elevado fluxo de carga e seguem-se a outras medidas operacionais.

Jornal de Angola


Conferência Internacional Sobre Corredor do Lobito

A cidade do Lobito, litoral sul de Angola, acolhe desde quinta-feira (29), uma conferência internacional de dois dias sobre o Desenvolvimento do Corredor do Lobito, numa promoção do Ministério dos Transportes.

A decorrer sob o lema “Corredor do Lobito no fortalecimento económico da África Austral”, o evento conta com peritos de países ligados pelo Caminho de Ferro de Benguela, que nasce na corredor do Lobito, designadamente de Angola, Zâmbia e RD do Congo, além de empresários e instituições financeiras convidadas.

Durante dois dias de trabalho, são abordados temas como “oportunidades, potencialidades e perspectivas para o corredor do Lobito” e o impacto deste no desenvolvimento nacional e regional dos caminhos-de-ferro de Benguela (CFB).

A conferência analisa o impacto do porto do Lobito e do aeroporto internacional de Catumbela no desenvolvimento nacional e regional, assim como as plataformas logísticas ao longo do corredor e as potencialidades de desenvolvimento turístico da região.

O corredor de desenvolvimento do Lobito começa do Porto do Lobito e compreende as regiões mineiras de Katanga, na República Democrática do Congo, e de Copperbelt, na Zâmbia, tendo como instrumento base o CFB que, em Angola, atravessa as províncias de Benguela, Huambo, Bié e Moxico.

África 21