Paralisação das Obras do Porto de Caio em Cabinda Poderá Provocar Danos às Estruturas Já Implementadas

A paralisação das obras do Porto de Caio, o maior projecto a ser erguido em Cabinda, avaliado em 600 milhões de dólares, poderá provocar danos às estruturas já implementadas causando um retrocesso na execução da empreitada, devido a sedimentação com as correntes marítimas predominantes do Sul para Norte de Cabinda, segundo o consultor da empresa, Manuel Barata, entrevistado pelo Jornal de Angola.

Até a conclusão do projecto, disse Manuel Barata, Cabinda continuará “refém “do Porto de Ponta-Negra, para a descarga de mercadorias na medida em que a ponte-cais local não tem capacidade para a atracação de navios de grande porte. Actualmente, a descarga de mercadorias é feita através de um processo de transbordo, a partir dos navios acostados no largo para os pontões que levam a carga para até a ponte-cais.
Manuel Barata indicou que a falta de um porto de águas profundas em Cabinda tem reflexos no nível da vida da população, com o encarecimento, sobretudo, dos bens de primeira necessidade. Explicou que importação de um contentor de 20 pés da Europa para Luanda custa 1.700 euros, enquanto para Cabinda a mesma operação custa cerca 3500 euros. A transportação de um contentor de cabotagem de Luanda para Cabinda está avaliada em 4.000 dólares, custos que são, depois, reflectidos no preço final dos produtos ao consumidor.


O Primeiro Porto de Águas Profundas no País Será Construído em Cabinda e Financiado Pelo Fundo Soberano de Angola

O Fundo Soberano de Angola vai investir 180 milhões de dólares na construção do primeiro porto de águas profundas no país, projecto a ser desenvolvido em Caio, província de Cabinda, de acordo com um comunicado terça-feira divulgado em Londres.


Garantida Eficiencia no Porto de Cabinda

O presidente do Conselho de Administração do Porto de Cabinda, Manuel Nazaré Neto, afirmou ontem, na cidade de Cabinda, que estão criadas as condições técnicas e operacionais para a descarga rápida dos navios que transportam mercadorias destinadas à quadra festiva.
Segundo Nazaré Neto, o Porto de Cabinda criou um programa especial que vai permitir o acesso rápido à zona costeira da província de todos os navios que transportam carga destinada à quadra festiva, para evitar embaraços e demoras.

Jornal de Angola


“Estamos seguros que, pela técnica operacional do Porto de Cabinda, todos os navios com carga destinada à quadra festiva vão merecer atenção especial e descarga rápida”, sublinhou. O responsável do Porto de Cabinda disse ainda que o recinto portuário tem espaço suficiente para armazenar pelo menos 200 contentores, assegurando que os serviços de operações de descarga de mercadorias encontram-se tecnicamente operacionais.
Na oportunidade, apelou aos agentes importadores para contactarem os serviços operacionais do porto e comunicarem as datas de partida e chegada dos navios com mercadorias para a quadra festiva, com vista a viabilizar e tornar mais ágil a tramitação da documentação portuária e aduaneira.
“Estamos a pedir aos nossos importadores para que nos comuniquem rápido e com antecedência sobre os navios com essas cargas e também pedimos que façam com antecipação os habituais procedimentos portuários e aduaneiros”, afirmou. Nazaré Neto informou que ao largo da costa portuária de Cabinda estão ancorados seis navios, dos quais um contém carga para a quadra festiva e que está já a merecer a atenção dos serviços operacionais do porto para a descarga da mercadoria. Quanto aos produtos perecíveis, Nazaré Neto disse estarem criadas as condições para que nada altere o programa especial bem definido para a descarga de mercadorias destinadas à quadra festiva para a população da província de Cabinda.

Jornal de Angola

Cabinda


Angop
A ponte Cais de Cabinda que nos últimos dez anos tem vindo a ganhar a categoria de pequeno porto para atracagem de navios com cargas contentorizadas, recebeu esta Sexta-feira, um navio de grande porte, com mais de 132 metros de comprimento e 15 metros de largura, soube hoje a angop de uma nota da direcção local.
A note refere que a atracagem do navio proveniente da República do Brasil demonstra os esforços que a direcção do Porto de Cabinda tem vindo a empreender na requalificaçao da ponte-cais, alargamento da área de parqueamento das cargas contentorizadas bem como na segurança da acostagem dos navios e na dragagem do largo de manobra e não só.
O navio tem um calado de 7m 20 cm e possui uma capacidade de transportar contentores de 20 a 40 pés, com cargas, numa escala de 8 toneladas e meia, o que vem demosntrar a segurança que a ponte Cais de Cabinda vai ganhado para a categoria de Porto, sem riscos de maior nas descargas e cargas deste tipo de navio.
O navio, cujo nome a nota não refere, tem uma tripulação Ucraniana e o seu agenciador ou armador é a empresa de Shipping angolano, Manubito.
O navio transportou do Brasil para o porto de Cabinda, 19 autocarros, do governo da província, e as operaçoes de descargas e acostagem, bem como as manobras desde o alto mar para o cais decorreram da melhor forma, conforme garantem as autoridades da pilotagem da barra de Cabinda.
O acto da chegada do navio junto a ponte Cais de Cabinda foi testemunhado pelo Vice- Governador de Cabinda para Área Técnica, António Manuel Gime, director do Porto, Osvaldo Lobo de Nascimento, e o Piloto de Barra da Capitania de Cabinda, Santos Domingos.
A ponte cais de Cabinda foi construído em 1956 e possui uma estrutura metálica que data até aos dias de hoje, estando a sofrer várias remodelaçoes.