Oito Anos Depois o Nacionalista Adolfo Maria Recebe o Seu Passaporte Angolano

Oito anos depois de ter dado entrada no Consulado de Angola em Portugal, o nacionalista Adolfo Maria, residente em Lisboa, recebeu finalmente o seu passaporte.

O documento foi-lhe entregue ontem pelo cônsul geral de Angola em Lisboa, Narciso do Espírito Santo. Nascido em Luan-da, em 1935, Adolfo Maria esteve pela última vez em Angola em 1991 na companhia de Gentil Viana, no quadro de uma solução pacífica para o conflito armado, tendo sido recebidos pelo então Presidente José Eduardo dos Santos.

Adolfo Maria foi apresentador do programa radiofónico do MPLA “Angola Combatente”, durante a Luta de Libertação Nacional. Juntou-se à Revolta Activa e foi forçado a viver escondido durante cerca de dois anos, em Luanda, para evitar a sua prisão pela então DISA.

Depois de o Presidente Agostinho Neto ter declarado a amnistia aos membros da chamada Revolta Activa, foi expulso de Angola, em 1979, sem qualquer documento, passando a viver em Portugal. É jornalista, escritor e comentarista residente da RDP e RTP África no “Debate Africano”.


Ministro Britânico dos Negócios Estrangeiros Anunciou Pedido de Angola Para Aderir à Commonwealth

“É esplêndido que Angola se queira juntar à família da Commonwealth. Saudamos o empenho do Presidente (João) Lourenço em fazer reformas, no combate à corrupção e na melhoria dos direitos humanos. Esperamos saudá-lo brevemente no Reino Unido”, escreveu Johnson na sua conta Twitter citada pelo diário estatal Jornal Angola.

País de expressão lusófona em resultado da sua colonização por Portugal, Angola é atualmente membro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), organização também integrada por Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Portugal, Brasil e Timor-Leste.

O país já manifestou igualmente a sua intenção de integrar a Organização Internacional da Francofonia (OIF), que congrega países de língua oficial francesa ou com estatuto privilegiado.

Esta intenção foi anunciada semana passada pelo chefe de Estado angolano, João Lourenço, durante a sua visita oficial de três dias a França, onde reconheceu o “importante papel” que a OIF desempenha no mundo.

Nesta sua primeira deslocação à Europa enquanto Presidente de Angola, João Lourenço revelou, em conferência de imprensa, em Paris, ter manifestado o interesse de Angola ser membro da OIF num encontro que manteve com o seu homólogo anfitrião, Emmanuel Macron.