A Partir de Outubro Começam a Entrar os Primeiros Moradores da Centralidade do Dundo

-d085b53bdf75A centralidade do Dundo, o maior projecto habitacional da Lunda Norte, começa a receber, a partir de Outubro próximo, os primeiros moradores, anunciou, na terça-feira, o administrador da cidade sede da província.

O projecto habitacional demonstra o compromisso social do Executivo em continuar a trabalhar para proporcionar aos angolanos melhores condições de vida, frisou o administrador da cidade do Dundo, no âmbito de uma visita de campo do vice-governador provincial para Infra-estruturas e Serviços Técnicos, Lino dos Santos, ao distrito urbano de Mussungue, onde está implantada a centralidade do Dundo.

A centralidade do Dundo marca o ponto de partida do processo de urbanização da cidade capital da Lunda Norte e Outubro é um momento histórico porque recebe os primeiros habitantes, disse Alteres Malenga.
A urbanização da cidade do Dundo foi concebida pelo Executivo em 2008, como um projecto estruturante, com o objectivo de solucionar o problema do défice habitacional que muitas famílias enfrentam.


Mais de 5400 Cidadãos Com Casas Pagas e Não Recebidas nas Centralidades, Começam a Receber as Mesmas a Partir do Dia 25 Deste Mês

kilamba_06Mais de cinco mil 400 cidadãos, que pagaram e não receberam residências nas centralidades, começam a receber as suas habitações a partir do dia 25 deste mês, anunciou segunda-feira, em Luanda, o presidente do Conselho de Administração da Imogestin, Rui Cruz.

O responsável, que falava no acto de abertura da 3ª Conferência Internacional do Imobiliário Imogestin – 17 anos, reafirmou o compromisso de continuar a actuar de forma responsável aos desafios da problemática habitacional do Executivo.


Um Milhão de Casas, 1.500 Escolas, Mais de 160 Centros de Saúde e 13 Hospitais Vão Ser Construídos em Luanda Até 2030

Engarrafamento em Luanda-Foto Angopluanda_00O Governo da Província de Luanda prevê no seu plano director 2015/2030, a construção de um milhão de casas, 1.500 escolas, mais de 160 centros de saúde e 13 hospitais.

O facto foi dado a conhecer quarta-feira pelo arquitecto Gilberto Rita, durante a apresentação do painel sobre “o uso do solo e planeamento urbano e plano director da província de Luanda”, no seminário provincial sobre a problemática da ocupação ilegal de terreno que decorreu no centro de convenções Talatona.

De acordo com o prelector, estes investimentos preveem melhorar a vida de cerca de 12,9 milhões de habitantes, numa vertente de crescimento populacional até 2030, onde se almeja atingir um produto interno bruto a nível de Luanda, na ordem de três ponto quatro, proveniente do sector não petrolífero.


Nada Funciona na Centralidade do Cacuaco e Reclamações São Mais que Muitas

Foto de Ampe Rogério centralidade_cacuacoElevadores que não funcionam há anos, falhas de água constante, falta de semáforos na via. Cidade sem lojas, creches, hospital, escolas sem guardas e empregadas de limpeza, entupimentos de fossas residuais, lixo, jardins maltratados, parqueamento de viaturas de forma desregradas, são algumas das queixas.

Os residentes da também conhecida cidade musseque Sequele reclamam igualmente uma presença activa da administração local, cuja ausência, entendem estar na base da não resolução dos vários problemas que ainda enfrentam os dez mil habitantes que comportam esta primeira fase de ocupação. Prognosticaram uma vida melhor na cidade, comparada à das zonas que em que viviam anteriormente. Mas alguns problemas, como regras de convivência, saneamento básico e criminalidade continuam a persegui-los, segundo relatos dos próprios moradores.

Compradores nas Centralidades do Kilamba e Cacuaco Vão Ter Que Pagar de Uma Só Vez os Valores Mensais Não Pagos ao Longo do Tempo Que Vivem nas Casas

kilamba_07Os cidadãos que adquiriram residências nas centralidades do Kilamba e Cacuaco, bem como noutros projectos habitacionais deverão pagar de uma só vez os valores mensais não pagos ao longo do tempo vivido nas casas, revelou sexta-feira, em Luanda, o presidente do Conselho de Administração da Imogestin.

Rui Cruz falava à imprensa, à margem de uma visita de constatação das infra-estruturas da urbanização Nova Vida, efectuada pelo ministro do Urbanismo e Habitação, José Silva.

O responsável acrescentou que as dívidas não serão perdoadas porque é necessário que se pague o valor da residência na sua totalidade e em tempo útil.