Seis dos 17 Navios Patrulha Encomendados a Empresa dos Emirados Árabes Unidos Já Chegaram a Angola

Angola já recebeu seis dos 17 navios encomendados em 2016 à empresa Privinvest, a mesma que está indiciada no caso das “dívidas ocultas” em Moçambique, confirmou o ministro da Defesa angolano, citado pelo semanário Expansão.

O contrato com a empresa dos Emirados Árabes Unidos (EAU), no valor de mais de 565 milhões de dólares (405 milhões de euros), e que prevê também a construção de um estaleiro naval, foi autorizado em 29 de agosto de 2016 através de um decreto presidencial, assinado pelo então chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos.

Segundo o jornal angolano, que recebeu uma carta de esclarecimento do ministro da Defesa de Angola, general Salviano de Jesus Sequeira “Kianda”, o atraso na aquisição dos navios patrulha deveu-se a “constrangimentos de ordem financeira”, sendo retomada em 2018.

“Por constrangimentos de ordem financeira, ligados às dificuldades que o país enfrenta, o contrato só entrou em vigor em 2018 e a Marinha de Guerra recebeu até agora seis navios”, afirmou o ministro.

A Privinvest, uma multinacional com sede nos EAU, está envolvida no escândalo das “dívidas ocultas”, processo judicial que corre em Moçambique e que envolve o antigo ministro das Finanças moçambicano, Manuel Chang, entretanto detido na África do Sul.


Marinha de Guerra Angolana Vai Ter 17 Navios Patrulha Construídos no Líbano

navio_patrulhaO grupo de estaleiros navais Privinvest, com sede no Líbano, vai construir 17 navios de patrulha para a Marinha de Guerra de Angola. O contrato no montante de 495 milhões de euros foi autorizado pelo Presidente angolano, José Eduardo dos Santos.

A informação consta de um despacho presidencial de 29 de agosto, citado pela agência portuguesa Lusa, referindo que a aquisição destes meios insere-se na implementação do projeto de Vigilância Marítima da Costa Angolana, sendo “vital” para o apetrechamento da Marinha de Guerra.