Visita do Presidente Marcelo Teve Hoje o Seu Ponto Alto na Catumbela

Foto Lusa

A popularidade do chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa, em Angola, teve hoje o seu ponto alto na Catumbela, na província de Benguela, litoral sul do país, onde foi saudado por uma multidão eufórica.

Vários populares, numa manifestação de contentamento com a visita,  chegaram a nomear Marcelo como presidente de uma imaginária “Portangola”, relata o jornalista da agência Lusa.

“Sem ofender João Lourenço”, o chefe de Estado angolano, disse à Lusa um grupo de populares da Catumbela,  recentemente elevada a município. As autoridades locais indicaram estarem ali concentradas entre 10 a 15 mil pessoas para receber o Presidente português, que chegara de comboio numa deslocação de cerca de 25 minutos, que começou no Lobito.

No entanto, o mesmo grupo, chamado à atenção por outros angolanos que se queriam juntar aos que gritavam e cantavam, acabou por retirar a “ideia”, ao considerarem que o respeito pela soberania de Angola estava a ser posto em causa.


À Chegada ao Lubango, Marcelo Demorou Mais de Duas Horas a Saudar a Multidão

Foto Sapo Notícias

O Presidente português levou hoje mais de duas horas a saudar o povo do Lubango, percorrendo lentamente os 11 quilómetros entre o aeroporto e o centro da cidade, onde foi recebido por uma multidão.

“Eu vim quase sempre no estribo do automóvel, vim do lado de fora, a agradecer, porque ao longo do caminho havia milhares de pessoas”, descreveu Marcelo Rebelo de Sousa, quando finalmente chegou à sede do Governo Provincial da Huíla, no sul de Angola.

Era ali que a maior parte da sua comitiva e a comunicação social que o acompanha nesta visita de Estado a Angola o aguardavam, sob um sol forte,

assim como os cerca de 20 elementos do Kataleco, um grupo cultural que tocou e dançou toda a manhã à espera do chefe de Estado português, que nunca mais vinha.

Várias centenas de pessoas amontoaram-se, entretanto, na beira da estrada, alguns metros adiante, e Marcelo Rebelo de Sousa dirigiu-se de imediato até elas, à chegada, pelas 12:30 locais (11:30 em Lisboa), ficando rodeado por uma multidão de gente que se atropelava para estar perto dele.


Á Boleia do CFB Marcelo Visita Benguela Catumbela e Lobito

Foto JOÃO RELVAS/ LUSA

Políticos consideram histórica a vinda a Benguela do Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa a Benguela, numa altura em que se normalizam as relações bilaterais, depois do “irritante”, mas pedem mais investimento português

No quadro da visita de 4 dias a Angola, país ao qual regressa um ano e meio depois, o Chefe de Estado português reservou na sua agenda deslocações a duas províncias, sendo uma a Huíla e outra a Benguela. Em Benguela,

Marcelo Rebelo de Sousa vai ao Porto Comercial do Lobito, e aos Caminhos de Ferro de Benguela, ocasião que será aproveitada para as direcções das empresas apresentarem as potencialidades dos dois

empreendimentos tidos como dos maiores em África. Os políticos dizem que, por questões históricas, era expectável que os portugueses dominassem o mercado angolano, no geral, e Benguelense, em particular, mas isto não ocorre, porque os investimentos deles ficam muito aquém do desejado.

O deputado Alberto Ngalanelã, secretário da UNITA em Benguela, associa a visita de Marcelo às potencialidades económicas de uma província que considera estratégica para economia de Angola. O político justifica que Benguela tem


Cooperação Entre Angola e Portugal no Combate à Criminalidade Grave e Organizada

Foto Lusa

Portugal e Angola vão passar a cooperar na investigação à criminalidade grave e organizada, conforme prevê um protocolo de cooperação assinado entre os governos dos dois países, promulgado este mês pelo Presidente angolano, João Lourenço.

Portugal e Angola vão cooperar no combate à criminalidade grave e organizada

A informação consta de um decreto de 01 de março, a que a Lusa teve hoje acesso, no qual o chefe de Estado aprova o acordo rubricado em novembro, em Portugal, durante a visita de Estado que João Lourenço realizou a Lisboa e ao Porto.

O protocolo estipula que o Ministério do Interior de Angola e o Ministério da Justiça de Portugal deverão cooperar “em particular, no âmbito da criminalidade grave e organizada, nomeadamente em matéria de corrupção, tráfico internacional de drogas, branqueamento de capitais, terrorismo e o seu financiamento”.

O acordo de cooperação foi assinado pela ministra da Justiça de Portugal, Francisca Van Dunem, e pelo ministro do Interior de Angola, Ângelo Veiga Tavares, em novembro de 2018, mas “não abrange as questões de extradição e de auxílio judiciário mútuo em matéria penal”.


Nesta Quarta-Feira em Luanda o Presidente de Portugal Recebe Ordem Agostinho Neto

O Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, foi agraciado, nesta quarta-feira, em Luanda, pelo homólogo angolano, João Lourenço, com a Ordem Agostinho Neto, a mais alta distinção do Estado angolano.

A Ordem Agostinho Neto é constituída por um único grau e é concedida a nacionais e estrangeiros, em particular chefes de estado e de governo, líderes políticos e outros indivíduos de renome.

Após a distinção, Marcelo Rebelo de Sousa dedicou-a ao povo português, que acompanha dia-a-dia, solidária e fraternalmente todos os momentos da vida do povo angolano, especialmente os mais de 150 mil que vivem e trabalham em Angola.

Já o Chefe de Estado angolano, João Lourenço, manifestou-se honrado por ter a oportunidade de atribuir a distinção, que perpetua o nome do primeiro Presidente de Angola, além de ser um reconhecimento ao elevado valor da personalidade do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa.