2014 Vai Trazer um Novo Mercado à Cidade do Lobito com Capacidade Para Seis Mil Feirantes

lobito_mercadoUm novo mercado com capacidade para seis mil feirantes deverá ser construído na cidade do Lobito, em 2014, com vista a acolher grande parte dos vendedores informais dos mercados do “Africano” e do “Calumba”.

A informação foi prestada nesta terça-feira pelo administrador do Lobito, Amaro Ricardo, que considerou positivo o balanço das actividades realizadas em 2013, em função da execução na ordem de 90 porcento da programação financeira prevista para esse período.

Segundo o responsável, está também prevista a execução de outros projectos nos domínios da educação, saúde e infra-estruturas diversas.

No sector da Educação, ressaltou a entrada em funcionamento da escola média de formação de professores, vulgo “INE Comandante Kwenha do Lobito”, além de outras escolas que em breve serão colocadas à disposição dos discentes.

Notou que a execução destes projectos coincidiu com o centenário da cidade, o que eleva o sentimento de mais responsabilidade para com as comunidades.

Agradeceu, por outro lado, o contributo de todos os munícipes que directa ou indirectamente têm contribuído para tornar realizáveis os projectos das autoridades, particularmente o apoio das Forças Armadas estacionadas nesta região nas campanhas de vacinação.

Angop / NJ


Município do Lobito Com Elevado Indíce de Crianças de Rua

48O elevado índice de pobreza é um dos problemas que interfere na valorização das crianças e da sua dignificação, afirmou nesta quinta-feira, na cidade do Lobito, província de Benguela, o director municipal do Instituto Nacional da Criança, José Alberto

Em declarações à Angop, o responsável disse que esta situação está igualmente na base da violência dos direitos da criança, como o abuso de menores junto das famílias e a presença de petizes de e na rua.

“O elevado índice de crianças na e de rua no município do Lobito chega a atingir os 80 por cento”, disse o responsável.

Acrescentou que existem outros casos de abusos dos direitos da criança na sociedade, que de forma directa ou indirecta afecta às mesmas, como o trabalho forçado, a falta de ensino, gravidez precoce e violação sexual, que aliado ao índice elevado de pobreza interfere na situação de renda das próprias famílias.

“Estas situações fazem com que as crianças deixem de exercer e desempenhar o seu papel como prioritárias dentro de uma sociedade, um papel fundamental na socialização e na formação da personalidade, dos comportamentos e das suas mentes como cidadãos”, referiu.

José Alberto acrescentou que os pais, muitas vezes, não têm capacidades financeiras para darem respostas às necessidades das crianças, daí que elas recorrem a outros caminhos como a rua, prostituição e trabalhos forçados em busca do que precisam.

Deu a conhecer que, para solucionar os problemas da sociedade, o INAC no Lobito tem trabalhado com alguns parceiros no sentido de colmatar várias situações que ocorrem diariamente.

Apontou as igrejas e escolas como os parceiros primordiais nas actividades concernentes à resolução de problemas que as crianças têm enfrentado sobre o abuso dos seus direitos.

Angop


Investimentos Milionários na Reabilitação e Reconstrução do Caminho-de-Ferro de Benguela e do Porto Comercial do Lobito

lobito_baia_1742674237_nO governador de Benguela, Isaac dos Anjos, afirmou, na cidade do Lobito, que o Governo fez investimentos milionários na reabilitação e reconstrução do Caminho-de-Ferro de Benguela e do Porto Comercial local, faltando poucos quilómetros para se atingir a fronteira com a Zâmbia.

“Valeu a pena a espera paciente dos lobitangas pela preservação e conservação das imponentes infra-estruturas do sector dos transportes que o município domina e que já sustentaram milhares de famílias, enquanto outras aguardam ansiosamente que aquela majestosa obra volte a funcionar a cem por cento”, referiu o governador.
Isaac dos Anjos reconheceu que o Lobito registou uma considerável pressão humana e por causa disso a cidade perdeu uma parte de si por evolução natural, com o nascimento do município da Catumbela, estando hoje amputado de uma das suas componentes agrícola, industrial e territorial.
“A pressão sobre a terra no Lobito continua e vemo-nos forçados a solicitar aos empresários que se dedicam à agricultura, na via Lobito/Bocoio, Lobito/Biópio e Lobito/Hanha do Norte para levarem o desenvolvimento àquelas localidades, uma vez que já se identificaram mais de oito mil hectares, estando em curso o processo de talhonamento e loteamento para a urbanização”, salientou. O governador saudou o regresso dos flamingos à cidade, graças à recuperação do sistema de canalização de água da baía para os mangais.
Isaac dos Anjos anunciou que foram identificados novos territórios para as salinas, estando prevista a abertura de um concurso público para a requalificação do Lobito e aproveitamento de todos os espaços das antigas salinas para se fazerem canais que permitam a circulação da água entre a baía e esses pontos, drenagem do bairro do Liro, Canata, Alto-Liro e o restante espaço destinado a empreendimentos para a juventude. O governadorIsaac dos Anjos considerou que se deve fazer o ordenamento da área envolvente à nova refinaria do Lobito, para não acontecer o que se verificou em Luanda e possa nascer um parque petroquímico adequado, com largas avenidas, e a população seja assentada em lugar apropriado, com uma boa urbanização.
Isaac dos Anjos disse, igualmente, que a Sonangol lançou um concurso público para o abastecimento de água à refinaria e pediu “calma” às senhoras, garantindo que “tudo está a ser feito para a construção de um novo mercado com condições condignas para a venda de produtos alimentares e industriais”.
Amaro Ricardo, administrador municipal do Lobito, “agradeceu a Deus” por ter colocado no Lobito “uma baía de águas profundas que lhe conferem o valor, importância económica e o papel que hoje desempenha no contexto económico do país e na região centro-sul”.

Jornal de Angola/Jesus Silva|


Corredor de Desenvolvimento do Lobito Vai Promover o Crescimento e Trocas Comerciais na Região Austral do Continente

lobito_corredorOs ministros africanos dos Transportes estão reunidos desde ontem em Luanda para analisarem o grau de execução do plano de acção do sector dos transportes, o relatório de actividades do Programa para o Desenvolvimento de Infra-estruturas em África (PIDA) e perspectivar as acções para os próximos anos.

A comissária para as Infra-estruturas e Energia da Comissão da União Africana (UA), Elham Ibrahim, elogiou Angola pela forma como está a executar o “Corredor de Desenvolvimento do Lobito”, um programa destinado a promover o crescimento e as trocas comerciais na região austral do continente.
Elham Ibrahim, que falava à imprensa, durante a terceira reunião de Mesa da Conferência da União Africana dos Ministros dos Transportes, defendeu que a execução do “Corredor do Lobito” deve ser “um exemplo a ser seguido pelos países africanos”, realçando que o projecto vai garantir um avanço nos planos de acção que constam da agenda da Comissão da União Africana.
O “Corredor de Desenvolvimento do Lobito” constitui um importante sistema regional de infra-estruturas de transportes, capaz de promover o crescimento económico sustentável, pelo seu forte potencial de atrair e mobilizar o capital de investimento e o desenvolvimento das trocas comerciais nacionais e transfronteiriças.
A comissária da União Africana apontou os sectores das tecnologias de informação e comunicação, transportes e águas transfronteiriças, como prioridades na agenda dos países, pelo seu impacto a nível regional e continental.Elham Ibrahim lembrou que o “Corredor do Lobito” tem grande importância para os países da região austral do continente, pelo facto de envolver o desenvolvimento dos sistemas de transporte aéreo, ferroviário, rodoviário e marítimo. A aprovação dos programas do subsector dos transportes a nível dos países africanos deve obedecer a consenso de todos os países que integram a Comissão da União Africana, alertou.
“Qualquer trabalho feito a nível nacional deve merecer o reconhecimento da Comissão da União Africana”, sublinhou. Os ministros africanos dos Transportes estão reunidos desde ontem, em Luanda, para analisar o grau de execução dos planos de acção dos subsectores de transportes, o relatório de actividades do Programa para o Desenvolvimento de Infra-estruturas em África (PIDA) e decidir as perspectivas para o futuro.
Na reunião que termina hoje, está a ser preparada a terceira sessão da Conferência da União Africana dos Ministros dos Transportes, prevista para Novembro, em Malabo, na Guiné Equatorial.
Os participantes perspectivam que o encontro resulte na facilitação da execução dos planos de acção dos subsectores dos transportes e concertação sobre a preparação da terceira sessão da Conferência dos Ministros Africanos dos Transportes.
Participam no encontro cinco ministros dos Transportes: de Angola, que preside ao encontro, da Tanzânia, Gana,Camarões e Egipto. De acordo com uma nota do Ministério dos Transportes, desde a última reunião dos ministros africanos, que decorreu de 20 a 25 de Novembro de 2012, a execução do programa do sector no continente registou “grandes progressos”, embora haja ainda muitos desafios por enfrentar.

Jornal de Angola/Natacha Roberto


Na Restinga do Lobito, Baleia com 16 Metros dá à Costa

baleiaUma baleia de aproximadamente 16 metros de comprimento foi encontrada morta nesta sexta-feira, na costa da Restinga do Lobito, província de Benguela, com avançados sinais de degradação.

O animal, que segundo pescadores terá sido levado à costa sem vida, pelas ondas, foi avistado cedo, pelos primeiros “homens das redes” que tentavam fazer-se ao mar.

Até as 13 horas, a espécie marinha que deixava passar muitos líquidos, principalmente sangue, deixou parte da Restinga, constrangida, devido ao mau cheiro que exalava.

Para contornar a situação, agentes do Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros fizeram-se ao local, com um tractor, visando a sua remoção.

Um oficial que comandava as forças do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros disse à Angop ser sua preocupação, o mais rápido possível, a remoção e enterro dos restos da baleia, com vista a proteger a saúde pública.

“Vamos fazer os possíveis de retirá-la da praia, mas compete aos outros analisarem as causas da sua morte”, disse, indicando que é de “médio porte, com 16 metros de comprimento.

O director do Instituto de Investigação Marinha – Centro Regional de Benguela, Kumbi Kilongo, “a ocorrência de situações do género, neste período do ano, pode considerar-se muito normal e pode ser frequente, porque tanto as baleias, quanto as focas, partem da zona mais a Sul da África do Sul, subindo, em função do clima que se assemelha, associado à procura de alimentos (cardumes)”.

Neste período, as condições climatéricas são semelhantes às do Sul do continente e, ao acompanharem os cardumes, de que se alimentam, as vezes atingem a costa por não dominarem a região.

Quanto ao facto de ter sido trazida à costa pelas ondas, já sem vida, apontou a probabilidade de algum choque com qualquer embarcação, uma vez que essa zona é muita frequentada por navios de grande porte.

Para o mestre em Ambiente e Ordenamento do Território, Miguel Nito, neste período do ano a zona Antárctica está abaixo de zero graus centígrados e as baleias tendem a seguir para temperaturas aparentemente mais quentes, no caso as da costa de Benguela, em função do factor latitude e proximidade com a costa.

Esta é a terceira ocorrência do género, depois de em 2000 ter-se registado por duas ocasiões, com baleias de tamanhos consideráveis.

Angop