No Lobito Crianças Sobrevivem com Lixo Recolhido na Maior Lixeira da Cidade

Crianças que moram nas imediações da maior lixeira a céu aberto do município do Lobito, 30 quilómetros a Norte da cidade de Benguela, sobrevivem nos últimos dias com a venda de resíduos sólidos recolhidos no lugar apurou esta quarta-feira, a Angop

A maioria desses “catadores” de lixo vive numa situação de pobreza extrema, em casebres construídos a poucos metros da maior lixeira a céu aberto a nível do Lobito, onde todos os dias lutam pela sua sobrevivência, recolhendo resíduos para serem vendidos em praças.

Exemplo disso, são as garrafas de plástico que, apesar de serem nocivos à saúde devido ao risco de contaminação, essas crianças, misturadas com adultos, apanham no lixo e vendem às senhoras, servindo como recipiente para kissângua (bebida caseira) comercializada na via pública.

O soba da zona, Estévão Soline, contactado pela Angop, afirmou que as populações recorrem ao lixo por ser a única forma de subsistência.

“Quase ninguém tem casa própria, até porque as rendas estão fora do alcance das suas possibilidades”, disse, sustentando que, em função disso, os populares são obrigados a construir casebres situados nas proximidades da lixeira.


Limpeza na Cidade de Malanje Promovida por Cidadãos de Vários Estratos Sociais

Foto Edições Novembro

Cidadãos de vários estratos sociais participaram numa mega campanha de limpeza na cidade de Malanje e zonas periféricas, promovida pelo Governo Provincial, que visa a recolha de resíduos sólidos.

A iniciativa foi lançada pelo governador provincial, Norberto dos Santos, e consistiu na limpeza e recolha de resíduos sólidos na cidade, com destaque para o jardim municipal, rotundas e espaços verdes ao longo da Avenida Comandante Dangereux e a chamada Rua do Comércio.
A campanha foi extensiva a todos os bairros periféricos da cidade de Malanje, envolvendo moradores, estudantes, membros do Governo, autoridades administrativas, efectivos da Polícia Nacional e das Forças Armadas Angolanas (FAA), e voluntários, sob fiscalização da administração municipal de Malanje.
Falando a propósito da campanha, o governador provincial, Noberto dos Santos, exortou os habitantes a aderirem a este tipo de iniciativa, limpando os locais colectivos e fachadas das residências. “Queremos mais uma vez transformar Malanje numa cidade limpa e procurar mantê-la sã para o orgulho de todos”, frisou.


A Partir de Hoje e Por Tempo Indeterminado na Província de Benguela o Lixo Deita-se no Chão

Os habitantes do município sede de Benguela terão, de hoje em diante e, por tempo indeterminado, de depositar os seus resíduos sólidos domésticos no chão, nas ruas. O Governo local rescindiu unilateralmente o contrato com a empresa Vista, com a qual tem uma dívida acima dos 40 milhões de dólares

O Governo provincial de Benguela rescindiu, ontem, os contratos com as empresas de limpeza e recolha de resíduos sólidos domésticos nos municípios do Lobito, Catumbela, Benguela e Baía Farta. Em resposta, a empresa “Vista”, que assegurava este serviço na sede de Benguela, recolheu todos os seus contentores espalhados pela cidade. Para dar sequência ao trabalho e evitar que a cidade passe a figurar entre as com mais lixo do país, a Administração conta com alguns meios matérias que possui e cerca de 30 funcionários, ficando ao órgão máximo do Estado a nível local a responsabilidade de lhes assegurar mais recursos. O anúncio foi feito ontem pelo governador provincial em exercício, Leopoldo Muhongo, vice-governador para Infra-estruturas, frizando que cada benguelense produz diariamente cerca de 0,5 Kg de lixo.

Desde 2010 que a província de Benguela tem enfrentado fortes dificuldades no combate ao lixo, que se vai acumulando cada vez mais pelas conhecidas artérias dos municípios do litoral, nomeadamente, Baía Farta, Benguela, Catumbela e Lobito. Por falta de condições para prolongar os contratos com as empresas que operam neste segmento, este ano, o Governo provincial não renovou os acordos, atribuindo as tarefas outrora privatizadas, às administrações municipais. Sendo a “Vista” a maior empresa e maior parceiro do Estado neste sector, em Benguela, a totalidade dos contentores, barcas e caixotes do lixo distribuídos pelo município sede, nas zonas urbanas, têm o seu timbre. Logo, ao encerrar-se este contrato, com uma dívida do Governo acima dos 40 milhões de dólares, a empresa privada recolheu e armazenou os seus meios, despindo a cidade das Acácias Rubras de depósitos de lixo.


7,5 Mil Toneladas de Sucata Acumuladas em Órbita da Terra

Em 60 anos de atividade espacial, mais de 5 mil lançamentos de foguetes fizeram com que a órbita da Terra ficasse repleta de dejectos

No início de Abril, a estação espacial chinesa Tiangong-1 – que pesava 8,5 toneladas e estava fora de controle e inoperante desde 2006 – caiu no Oceano Pacífico, chamando a atenção do mundo para a questão da sucata espacial. Mas, segundo estudos feitos pela Agência Espacial Europeia (ESA), o problema é bem mais grave do que a queda de um módulo: a quantidade de lixo aumentou consideravelmente nos últimos anos, deixando o espaço orbital da Terra cada vez mais próximo do limite de saturação.

Em 60 anos de actividade espacial, mais de 5 mil lançamentos de foguetes fizeram com que a órbita da Terra ficasse repleta de dejectos. A ESA estima que satélites inoperantes, partes de foguetes, peças de espaço-naves e pedaços de objectos relacionados a missões espaciais já somam 7,5 mil toneladas de lixo orbital.

Esses detritos viajam em torno da Terra em velocidades alucinantes, que podem passar dos 28 mil quilómetros por hora. Nessas condições, a colisão de um pequeno parafuso com um satélite pode ter o efeito de um tiro de canhão.


Crise de Saneamento Básico Afoga Benguela em Lixo

O Governo de Benguela anunciou, por via do Gabinete Provincial do Ambiente e Gestão de Resíduos Sólidos, que vai deixar de trabalhar com as empresas de recolha de resíduos sólidos, passando a actividade para a alçada das administrações municipais

A província de Benguela vive uma crise de saneamento básico nunca antes vista. A falta de regularidade na recolha de resíduos sólidos, fruto da dívida do Governo para com as operadoras, na ordem dos 16 mil milhões de kwanzas, é apontada como causa do actual quadro. As quatro cidades do litoral de Benguela (Benguela, Lobito, Baia- Farta e Catumbela) registam um amontoado de lixo bastante significativo, facto que preocupa os munícipes que pedem a definição de estratégias para se inverter o quadro, temendo contrair doenças decorrentes do débil saneamento básico.

Para o presente exercício económico, soube OPAÍS, Benguela deverá, do ponto de vista nominal, contar com um orçamento de 80 mil milhões de kwanzas e prevê, já para os próximos dias, a presentação pública do mesmo. Para as despesas pontuais, a província recebeu, no princípio do ano, segundo uma fonte, uma parcela orçamental do Governo Central na ordem dos 16 mil milhões de kwanzas, mas este valor ficou muito aquém do desejado.