General Ben Ben Homenageado Pelo Presidente da República Angolana

Foto de ALBERTO JULIAO

O Presidente da República, João Lourenço, rendeu hoje (sexta-feira) homenagem ao ex-chefe do Estado Maior General Adjunto das Forças Armadas Angolanas (FAA), Arlindo Chenda Pena “Ben Ben”, falecido a 18 de Outubro de 1998 na África do Sul, por doença.

No velório realizado no Quartel-General do Exército (ex-RI 20), e depois de ter sido entoado o Hino Nacional, o Presidente da República e Comandante-em-Chefe das FAA, João Lourenço, inclinou-se diante da urna, depositou uma coroa de flores e transmitiu condolências à família enlutada.

No livro de condolências, João Lourenço reconheceu os feitos do General Ben Ben e desejou “que os seus restos mortais descansem em paz, na terra que o viu nascer”.

No ex-RI 20 renderam também homenagem ao general “Ben Ben” outros titulares de órgãos de soberania, auxiliares do Titular do Poder Executivo, deputados à Assembleia Nacional, magistrados, entidades ligadas ao Ministério da Defesa, às FAA, ao Ministério do Interior, à Polícia Nacional, partidos políticos e organizações da sociedade civil.

Os restos mortais do general Arlindo Chenda Pena “Ben Ben” chegaram quinta-feira (13) a Luanda, provenientes da África do Sul, 20 anos depois.


João Lourenço Estará em Lisboa nos Dias 23 e 24 de Novembro

A primeira visita oficial do Presidente da República angolano a Portugal já está marcada, sabe o PÚBLICO. João Lourenço estará em Lisboa nos dias 23 e 24 de Novembro, dois meses depois de ter lugar a visita oficial de António Costa a Angola, entre os dias 16 e 18 de Setembro. O “irritante” nas relações entre os dois países foi ultrapassado.

O “irritante”, expressão utilizada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, referia-se ao processo em curso na justiça portuguesa, envolvendo o vice-presidente Manuel Vicente.

“Ficou claro que o único irritante que existe nas nossas relações é algo que transcende o Presidente da República de Angola e o primeiro-ministro de Portugal, transcende o poder político, e tem a ver com um tema da exclusiva responsabilidade das autoridades judiciárias portuguesas”, assumia António Costa em Novembro de 2017, em Abidjan, à margem da cimeira entre a União Europeia e a União Africana?.


Diz João Lourenço Que em 11 Meses Foi Feito Mais do Que Era Esperado

O Presidente de Angola, João Lourenço, disse hoje, em Berlim, que nos 11 meses que leva em funções foi feito “mais do que era esperado”, balanço feito precisamente quando passa um ano desde que que foi eleito.

A posição foi assumida pelo chefe de Estado angolano, em declarações aos jornalistas no final da visita oficial de dois dias que João Lourenço realizou à Alemanha.

“Em 11 meses não é possível fazer-se o que deve ser feito num mandato de cinco anos”, disse.

Ainda assim, João Lourenço considera que, “modéstia à parte”, neste período “muito foi feito”. E acrescentou: “pode-se mesmo dizer que mais do que era esperado, um conjunto de medidas corajosas que uma boa parte das pessoas pensava não ser possível fazer-se neste período inicial de arranque de mandato”.

A 23 de Agosto de 2017 o MPLA venceu as eleições em Angola e João Lourenço foi nomeado presidente, sucedendo a José Eduardo dos Santos, mas só tomou posse no final de Setembro.

O MPLA venceu com 61,07% dos votos, menos 10,8 pontos percentuais que nas eleições de 2012.


João Lourenço Vai Participar em Fórum a Decorrer em Berlim com a Presença de Mais de 220 Empresários

Mais de 150 empresas alemãs e 77 angolanas participam, Quarta-feira, no Fórum Angola – Alemanha, no quadro da visita do Chefe de Estado angolano, João Lourenço, àquele país da Europa

A informação foi prestada pelo embaixador de Angola na Alemanha, Alberto Neto, durante o Programa “Café da Manhã” da Rádio LAC, tendo precisado que o fórum, em que João Lourenço se pronunciará, vai decorrer na cidade de Berlim. No evento, segundo o diplomata, Angola terá representantes de mais de 50 empresas privadas e de 27 estatais, no intuito do estreitamento de parcerias com as congéneres da Alemanha. O fórum terá seis painéis, concretamente de finanças, de recursos mineiras e petróleos, infra- estruturas, saúde, entre outros, que serão orientados pelos titulares de departamentos ministeriais.

Nesta deslocação, informou o embaixador, o Chefe de Estado faz-se acompanhar de nove ministros que vão falar dos diversos programas em curso no país, assim como apresentar a panorama económica e financeira de Angola e oportunidades de investimentos. Segundo o diplomata, pelo número de empresários angolanos presentes nesta deslocação, Angola manifesta o interesse de encetar parcerias com o empresariado alemão, tendo em conta que as pequenas e médias empresas, em todos os ramos da actividade económica, comandam a economia alemã. “Quem acompanha o cenário internacional nota que Angola está num processo de mudanças, principalmente na gestão da coisa pública e na governação, onde há maior transparência e abertura”, referiu o diplomata, para quem o país não tem nada a provar nesta parceria, porquanto a “prática demonstra que estamos no bom caminho em relação a governação”.


Chefe de Estado Angolano Afasta Generais do Círculo do Poder

Foto-Portal de Angola

Um dia depois de um desmentido oficial, o chefe de Estado angolano exonerou hoje (20) de funções nas casas de Segurança e Militar do Presidente da República três oficiais generais, entre os quais o tenente-general Leopoldino Fragoso do Nascimento, considerado um dos maiores empresários do país. Outros dois generais foram passados à reforma.

De acordo com uma nota da Casa Civil do Presidente da República, João Lourenço exonerou os três oficiais generais ao abrigo da Lei de Defesa Nacional e das Forças Armadas “e depois de ouvido o Conselho de Segurança Nacional”.

Além do tenente-general Leopoldino “Dino” Fragoso do Nascimento, que até agora ocupava o cargo de consultor do ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, foram ainda exonerados o general Henrique Futy, do cargo de assessor do Chefe da Casa Militar do Presidente da República, e o tenente-general Fernando de Brito Teixeira de Sousa e Andrade, do cargo de Consultor do Ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança.

Vários artigos publicados nos últimos pelo portal de investigação angolana makaangola, do jornalista Rafael Marques, apontam o Leopoldino Fragoso do Nascimento como “testa-de-ferro” do anterior Presidente da República, José Eduardo dos Santos.