O Presidente da Toyota Manifestou Abertura Para Investimento Noutros Sectores da Economia Angolana.

O presidente do grupo japonês Toyota Tsusho Corporation, Ichiro Kashitani, manifestou esta quinta-feira, em Luanda, o interesse na abertura do investimento a outros sectores da economia angolana.

O responsável de um dos maiores fabricantes mundiais de automóvel fez esta revelação no final de uma audiência concedida pelo Presidente da República, João Lourenço.

Avançou que o grupo Toyota está interessado em contribuir para o crescimento de Angola, não apenas no sector automóvel, mas nas áreas de infra-estruturas e energia, além de explorar outras possibilidades em que as empresas japonesas possam trazer novas tecnologias para o desenvolvimento integral do país.

Ichiro Kashitani acrescentou que este interesse não tem simplesmente a ver com o desenvolvimento do sector empresarial, mas, também, com recursos humanos, concretamente no treinamento e formação multidisciplinar.

Ressaltou ter sido bastante produtivo e frutífero o encontro que manteve como o Presidente João Lourenço, pois foram abordadas questões relacionadas com as importantes oportunidades que Angola oferece.


Deustech Bank da Alemanha Concede Crédito a Angola no Valor de Mil Milhões de Dólares Para Fomento da Agro-Indústria

O Presidente da República assegurou que as negociações estão avançadas no para que o Deustech Bank da Alemanhã disponibilize o dinheiro que vai servir para os sectores da agroindústria e das pescas

O Presidente da República anunciou hoje, em Luanda, a existência de uma linha de crédito do Deutesh Bank da Alemanha, no valor de um mil milhão de dólares, montante que pode ser debloqueado nos próximos dias.

Na sua comunicação, durante a abertura do 1º Fórum das Câmaras de Comércio de Angola, João Lourenço sublinhou que “o ministro das Finanças, Archer Mangueira, está mandatado para tratar do assunto, pelo que nos próximos dias será assinado o documento final”, avançou.

Para o governante, os sectores da agroindústria e das pescas devem constituir prioridade para financiamento com base na linha de crédito que vem da Alemanhã.


No Primeiro Trimestre Deste Ano Angola Comercializou 368 Milhões de Dólares em Diamantes e Rochas Ornamentais

A receita bruta proveniente da comercialização de diamantes e rochas ornamentais foi de 368 milhões 660 mil e 981 dólares norte-americanos (USD), durante o primeiro trimestre deste ano, com a venda de dois milhões 647 mil e 215 de quilates.

Neste período registou-se o aumento de receitas no valor de 106 milhões 572 mil e 560 dólares norte-americanos (40,7 por cento) e de 31,5 por cento na comercialização total de quilates, comparativamente com o 1º trimestre de 2018.

De acordo com os dados apresentados esta Segunda-feira, pelo Ministério dos Recursos Mineiras e Petróleos, dos dois milhões 647 e 215 quilates, dois milhões 503 mil 816,52 quilates (94,6%) são diamantes de origem kimberlítica e 143 mil 398,60 quilates de origem aluvionar.

A informação, apresentada durante a análise das actividades do 1º trimestre deste ano, refere que os diamantes comercializados no período em balanço são provenientes das províncias da Lunda Sul (93,6 por cento) e Lunda Norte (6,4 por cento).

À margem do acto que também perspectivou o mercado de diamantes e rochas ornamentais para o 2º trimestre deste ano, o secretário de Estado das Minas, Jânio Correia Victor, referiu que a comercialização aumentou em 31,5 por cento.


Fonte Oficial Informa Que Angola Já Recuperou Coercivamente perto de 4.000 Milhões de Dólares

Angola não conseguiu recuperar, de forma voluntária, qualquer capital financeiro, mas, coercivamente já tem nos cofres perto de 4.000 milhões de dólares (3.480 milhões de euros) em dinheiro e bens conseguidos desde dezembro de 2018, disse hoje fonte oficial.

A informação foi avançada pela diretora nacional dos Serviços de Recuperação de Ativos da Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola, Eduarda Rodrigues, na conferência sobre prevenção e combate à corrupção, ato central das celebrações dos 40 anos de existência da PGR angolana.

Eduarda Rodrigues, que abordou o tema pela primeira vez em Angola, disse que, infelizmente, ao abrigo da Lei de Repatriamento de Recursos Financeiros, não houve qualquer entrega voluntária de capitais.

“Isto estava entregue às instituições financeiras. Quem tivesse retirado de forma ilegal proveitos e benefícios do Estado, tinha seis meses para o devolver a qualquer instituição financeira em Angola, desde que estivesse sob superintendência do Banco Nacional de Angola (BNA). Mas o facto é que, na prática, não tivemos notícias de repatriamento voluntário de capitais”, disse Eduarda Rodrigues.

Segundo a magistrada, esta lei, que dava o prazo de seis meses – de 26 de junho a 26 de dezembro de 2018 – “era uma verdadeira amnistia” que, “infelizmente, não foi aproveitada”.


A Interligação Entre Laúca , Wako Kungo, Huambo e Kuito Já Permitiu Reduzir Quatro Milhões e Quatrocentos Mil Dólares Mensais

A interligação entre Laúca , Wako Kungo, Huambo e Kuito, permitiu já reduzir em cerca de 4.400.000,00 USD( Quatro milhões e quatrocentos mil dólares), mensais, os custos de produção da energia eléctrica nessas cidades.
Essa redução resulta da eliminação do Diesel na produção de energia eléctrica , bem como dos encargos com a operação e manutenção das centrais térmicas.

Este projecto, que se insere no Plano Nacional de Desenvolvimento 2018/2022, almeja potenciar o aumento do acesso das populações à energia eléctrica, a cobertura das necessidades de desenvolvimento do sector económico e produtivo, bem como o desenvolvimento da Rede Eléctrica Nacional .

Não obstante o quadro de escassez de recursos financeiros, este e outros projectos estruturantes, continuam a registar desenvolvimentos permitindo assim, a gradual expansão do acesso aos benefícios da electricidade e redução dos inerentes custos.

O MINEA prevê-se, que essa tendência de reversão de custos com a redução da geração de energia térmica,conheça maiores progressos ainda no decorrer do presente ano, com a conclusão da interligação entre Cambamde e Benguela, cujos trabalhos têm conclusão prevista para Julho.