Autoridades Angolanas Recuperam Mais de 700 Pedras de Diamantes

Setecentas pedras de diamantes foram recuperadas pelas autoridades angolanas da posse de exploradores ilegais, nas zonas diamantíferas do país, no âmbito da segunda fase da Operação Transparência, em curso.

Os dados foram avançados ontem pelo porta-voz do posto do comando avançado da operação, comissário António José Bernardo, em declarações à imprensa, no final da reunião regional Centro e Sul do Posto de Comando de Operações Auxiliar. Os recursos foram apreendidos na sequência das operações de desmantelamento das várias cooperativas ilegais instaladas em vários pontos do país, no quadro da protecção das reservas estratégicas da economia nacional, segundo a Angop.

Na mesma operação, disse, foram recuperados mais de 70 mil dólares norte americanos, depositados nos cofres do estado. Estes, continuou, juntam- se as mais de 34 mil quilates de diamantes e mais de um milhão de dólares, apreendidos durante a primeira fase da operação. O porta-voz informou ainda que durante a segunda fase da operação transparência assistiu-se à retirada do país de mais de 200 estrangeiros, na sua maioria da República Democrática do Congo, de forma voluntária e por ordens administrativas.


No Primeiro Trimestre Deste Ano Angola Comercializou 368 Milhões de Dólares em Diamantes e Rochas Ornamentais

A receita bruta proveniente da comercialização de diamantes e rochas ornamentais foi de 368 milhões 660 mil e 981 dólares norte-americanos (USD), durante o primeiro trimestre deste ano, com a venda de dois milhões 647 mil e 215 de quilates.

Neste período registou-se o aumento de receitas no valor de 106 milhões 572 mil e 560 dólares norte-americanos (40,7 por cento) e de 31,5 por cento na comercialização total de quilates, comparativamente com o 1º trimestre de 2018.

De acordo com os dados apresentados esta Segunda-feira, pelo Ministério dos Recursos Mineiras e Petróleos, dos dois milhões 647 e 215 quilates, dois milhões 503 mil 816,52 quilates (94,6%) são diamantes de origem kimberlítica e 143 mil 398,60 quilates de origem aluvionar.

A informação, apresentada durante a análise das actividades do 1º trimestre deste ano, refere que os diamantes comercializados no período em balanço são provenientes das províncias da Lunda Sul (93,6 por cento) e Lunda Norte (6,4 por cento).

À margem do acto que também perspectivou o mercado de diamantes e rochas ornamentais para o 2º trimestre deste ano, o secretário de Estado das Minas, Jânio Correia Victor, referiu que a comercialização aumentou em 31,5 por cento.


Governo Angolano Investe na Construção de Uma Fábrica de Lapidação de Diamantes na Lunda Sul

O Governo angolano vai construir uma fábrica de lapidação de diamantes na província diamantífera da Lunda Sul, no leste de Angola, num negócio de 79,31 milhões de dólares (70,6 milhões de euros).A medida surge no âmbito da promoção de esforços para “fomentar a lapidação de diamantes brutos extraídos no país, bem como a sua comercialização para o mercado interno e externo”, lê-se num despacho presidencial de 25 de Março, a que a Lusa teve hoje acesso.

Segundo o documento assinado pelo Presidente angolano, João Lourenço, verifica-se uma “necessidade imperiosa” para a construção de uma fábrica de lapidação de diamantes em Saurimo, capital da província da Lunda Sul, de modo a dinamizar o sector diamantífero.
Angola vende anualmente cerca de 1.000 milhões de euros em diamantes brutos, o segundo principal produto de exportação, depois do petróleo.
Do valor aprovado pelo Executivo angolano para este negócio, 77 milhões de dólares (68,55 milhões de euros)

serão utilizados para a adjudicação de contratos para a construção do Polo de Atracção de Investimentos e da fábrica de lapidação de diamantes em Saurimo.
Os restantes 2,31 milhões de dólares (2,06 milhões de euros) serão adjudicados para os serviços de fiscalização da execução das obras.
De acordo com o documento,

“todos os actos subsequentes no âmbito do procedimento” – como a nomeação de uma comissão de avaliação, a aprovação de um relatório final e a adjudicação dos contratos – ficarão a cargo da Sociedade de Comercialização de Diamantes de Angola (Sodiam), empresa estatal angolana.


Diamante Com 128 Quilates Descoberto Numa Mina no Lulo, Nordeste de Angola

 

Um diamante com 128 quilates foi encontrado numa mina no Lulo, nordeste de Angola, sendo a 12.ª vez que é recuperada uma pedra superior a 100 quilates naquela região, indica ontem um comunicado da empresa australiana Lucapa Diamond Company.

A mina do Lulo, integrada no complexo mineiro do Lucapa, na Lunda Norte, explorada em parceria com a Empresa Nacional de Diamantes (Endiama) de Angola, tem sido “prolífica” nas “pedras especiais” (superiores a 10,8 quilates), escreve a empresa australiana, salientando ter encontrado ao mesmo tempo uma outra gema, rosada, de 7,5 quilates.

A Lucapa Diamonds, que não adianta a data em que foram encontrados, lembra que as duas pedras foram recuperadas dias depois de Angola ter realizado, no final de janeiro, um leilão de diamantes de grande qualidade oriundos também da mesma mina e que renderam 16,7 milhões de dólares (14,5 milhões de euros), obtendo um “preço excecional” de 33,53 dólares (29,56 euros) por quilate.


A Partir de Amanhã Angola Vai Contar com Nova Fábrica de Lapidação de Diamantes em Luanda

Angola contará a partir de terça-feira, dia 12 de Fevereiro, com uma fábrica de lapidação de diamantes.

Localizada em Talatona, a Stone Polished Diamond (SPD) resulta de uma parceria entre investidores privados angolanos e a SODIAM. O ministro dos Recursos Minerais e dos Petróleos, Diamantino Pedro Azevedo, vai inaugurar amanhã, em Talatona, uma nova fábrica de lapidação de diamantes e de pedras especiais, cujo investimento ascende a 5 milhões USD.

Resultado de uma parceria entre investidores privados nacionais e a SODIAM, que tem uma participação de 10% no capital social, esta nova fábrica está instalada numa área de 400 m2.

A linha de produção é composta por equipamentos de alta tecnologia, de vanguarda tecnológica mundial na actividade de lapidação, capazes de posicionarem a SPD entre os centros de lapidação mais bem equipados do mundo.

Inicialmente irá lapidar diamantes de 3 a 10 quilates e pedras especiais, com uma capacidade de lapidação de 2000 quilates/mês durante o primeiro ano de funcionamento. Construída no prazo de 90 dias, por empresas nacionais quer na fase de projecto quer na de construção, esta fábrica está também equipada com um dos sistemas de segurança mais avançados do país, composto por controlos automatizados de acesso, scanners faciais, leitores biométricos e câmaras de vídeo monitorização de última geração.