Devido à Quebra Acentuada nas Vendas a Empresa “Soba Catumbela” Faz Despedimento Colectivo

Setenta trabalhadores da fábrica de bebidas “Soba Catumbela”, Sociedade de Bebidas de Angola, foram despedidos em Novembro último, devido à quebra acentuada nas vendas.

Além deste grupo, outros 25 trabalhadores afectos à Coca-Cola, do mesmo grupo, foram despedidos, apurou a Angop juto de uma fonte ligada às duas empresas.

O processo de despedimentos poderá ter sequência no I trimestre de 2019, sendo que a indemnização dos trabalhadores com mais de 15 anos de serviço ronda os mais dois milhões de kwanzas.

Uma fonte ligada à empresa informou que os memos já receberam as indemnizações.

A Sociedade de Bebidas de Angola é uma unidade fabril privada, que se dedica à produção de cerveja.

Este ano, a fábrica, que tinha 410 trabalhadores, previa produzir 570 mil hectolitros de cerveja.

Numa simulação feita pela empresa, em Novembro, estavam produzidos 531 mil hectolitros, faltando produzir 39 mil, até finais de Dezembro.


Activistas e Estudantes Preparam Nova Marcha Contra o Elevado Índice de Desemprego em Angola

Activistas cívicos e estudantes angolanos prevêem realizar a segunda marcha contra o elevado índice de desemprego que se regista no país no dia 8 de Dezembro. Segundo uma nota de imprensa enviada a OPAÍS, a marcha terá como lema “o emprego é um direito, o desemprego marginaliza”.

Os activistas e estudantes irão exigir políticas públicas concretas que fomentem o emprego para os jovens, pois mostram-se “cansados de estar a ouvir muitas promessas. Os 500 mil empregos prometidos pelo manifesto eleitoral do MPLA, que parecem uma miragem, já que muitos jovens continuam a ser lançados nas águas do desemprego”, lê-se na nota. A actividade que realizam constitui um acto de exercício da cidadania que visa pressionar e dar a conhecer ao Executivo as necessidades e anseios da juventude angolana, segundo os organizadores.

Mostram- se igualmente preocupados com o facto de o actual Presidente da República, João Lourenço, no seu discurso à Nação não ter apontado planos concretos da concretização da promessa feita. “O trabalho é um direito, pois o desemprego desumaniza, marginaliza e nos exclui do meio social”, voltaram a enfatizar.


Em Angola Perderam o Trabalho nos Petróleos Desde 2016 70.000 Trabalhadores

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores Organizados do Setor Petrolífero e Afins (STOSPA), Victor Aguiar, estimou hoje que cerca de 70.000 trabalhadores daquele ramo foram despedidos desde 2016, na sua maioria “a margem da lei”.
Em declarações à Lusa, o sindicalista explicou que 2016 e 2017 foram os anos com registo de mais despedimentos no setor, afetado pela crise da baixa da cotação do barril de crude no mercado internacional, sendo Angola o segundo maior produtor petrolífero em África.


Dívida do Governo de Benguela às Empresas de Recolha de Lixo Pode Levar ao Desemprego Cerca de 500 Trabalhadores

benguela_skys_1A dívida do Governo de Benguela pode destruir mais de quinhentos postos de trabalho nas empresas de recolha de lixo, sem dinheiro desde Junho de 2014.

A Ersol, empresa que opera na Catumbela, não paga salários há seis meses, mas os seus funcionários preferem não optar pela paralisação.

Já a Ambiáfrica, a funcionar em mais de uma cidade, promete fechar as portas e despedir trezentos trabalhadores.


A Bristish Petroleum (BP) Anuncia o Despedimento de 150 Trabalhadores dos Quais 40 São Angolanos

bpA multinacional Bristish Petroleum (BP) em Angola anunciou o despedimento de cerca de 150 trabalhadores, dos quais 40 angolanos, noticiou a estação emissora Voz da América.

Segundo a rádio que cita fontes da empresa que justificam a decisão com a extinção dos postos de trabalho, no quadro de um processo de redução das actividades offshore denominado “simplificação e eficiência”, que vai até Dezembro deste ano.