Entre as Províncias do Cuanza Sul e Benguela a Baía dos Tigres e Montanhas Submarinas Serão Áreas Protegidas

Foto de Joaquina Bento

A Baía dos Tigres na província do Namibe e a área oceânica nas “montanhas submarinas”, localizada entre as províncias do Cuanza Sul e Benguela, serão áreas protegidas, por abundar nela várias espécies marinhas.

Com a criação das áreas protegidas no país, locais com grandes condições para a reprodução e desenvolvimento das mais de 400 espécies marinhas existentes no País, será desenvolvido um substrato para haver maior reprodução de peixe e permitir que estes vão para as outras áreas da costa angolana.

Segundo o director nacional para os assuntos do Mar do Ministério das Pescas e do Mar, António Barradas, será proibida a pesca nestes locais e a passagem de embarcações nestas áreas e não se poderá verificar arrastões, para permitir maior reprodução e a expansão destas espécies por toda costa angolana.

O responsável, que falava na terceira reunião regional das áreas marinhas de importância ecológicas e biológicas dos países da África Austral (Angola, África do Sul e Namibia), ligada à Corrente Fria de Benguela, disse que alguns critérios científicos estão a ser usados neste encontro, aberto hoje em Luanda.

O encontro dos estados membros do grande ecossistema da corrente fria de Benguela visa revisar e validar as áreas de importância ecológicas ou biológicas existentes e as novas áreas propostas que apresentam as descrições e critérios de acordo com as exigências da Convenção da Biodiversidade.


RTP África Vai Transmitir 18 Episódios Diferentes Dedicados à Preservação e Conservação Ambiental em Angola

minuto-verdeChama-se “Minuto Verde” e é uma das mais conhecidas rubricas do canal de televisão portuguesa RTP, transmitida em Angola através da RTP África. O objectivo é aconselhar o cidadão a tomar pequenos passos que possam vir a melhorar o meio ambiente. A partir de Novembro, e num total de 18 episódios diferentes, o espaço abordará os esforços do Governo de Angola em relação à preservação e conservação ambiental

Os episódios serão transmitidos no decorrer do programa “Bom Dia Portugal”. “Queremos com este programa apoiar os esforços do Governo angolano, através do Ministério do Ambiente, na sensibilização da população sobre a preservação e conservação do ambiente”, disse o coordenador da rubrica “Minuto Verde”, Francisco Ferreira, à Angop.

Leia Mais


Aves Migratórias em Risco da Sua Existência Devido á Construção de Infra Estruturas nas Salinas do Cacuaco

 

aves_migratoriasOs entulhos colocados nas antigas salinas do município de Cacuaco e outras zonas húmidas estão a degradar o habitat transitório das aves migratórias idas de vários páises, colocando em risco a sua existência.

O facto foi constado hoje, em Luanda, por um grupo de técnicos das direcções nacional de Biodiversidade, de Inspecção Nacional e de Estudo de Impacto Ambiental do Ministério do Ambiente, que manifestaram o seu desagrado com o actual estado de conservação das zonas húmidas de Cacuaco, sobretudo das antigas salinas desta circunscrição da capital.

Neste local, foram encontradas oito espécies de aves migratórias vindas da Europa e do Norte de África (Marrocos, Mauritânia e outros), e verificou-se que algumas construtoras entulham o espaço com areia e pedras, além de terem já erguido infra-estruturas, como é o caso da fábrica de Oxigénio, um parque de recreação “carrossel”, escola, entre outras.

“Por aquilo que vimos, é lamentável. O estado de conservação está mal, estamos a ver terrenos a ser recuperados nesta zona húmida para fins habitacionais, o que não é aconselhável”, lamentou o chefe de departamento da Biodiversidade e áreas de Conservação, António Nascimento.

Está zona húmida de carácter regional a nível de Luanda, retêm as águas das chuvas que vêm a partir de Viana e suas áreas adjacentes como Mulenvos, explicou António Nascimento, destacando a sua importância e grandeza na qualidade de “bacia hidrográfica”.

“A zona húmida regional a nível de Luanda tem a sua bacia hidrográfica que se estende desde o limite da via expressa até ao caminho de ferro de Catete. Despeja as suas águas neste local, que tem a função de receptor”, explicou.

Como receptor, alertou, se for restringida a sua bacia, vários danos podem advir, como é o caso da destruição paulatina da ponte que liga a vila de Cacuaco e, do ponto de vista ambiental, poderá destruir definitivamente o habitat das aves migratórias.

“As aves que frequentam este espaço e tantas outras zonas húmidas vêm da europa e da África. Se estas aves são protegidas a nível internacional, Angola também deve fazer a sua parte para a protecção destes ecossistemas importantes”, realçou António Nascimento.

Disse ser necessária sinergias a nível nacional e internacional, para travar ao máximo o surgimento de mais obras neste local, depois da requalificação da ponte que liga a vila de Cacuaco e outras infra-estruturas que foram surgindo.

Leia Mais


Morador no Rangel Tem no Quintal um Verdadeiro Jardim Botânico

quintal“Um pequeno jardim botânico” é assim que Carlos Neto, morador no Rangel, define o seu quintal, um verdadeiro viveiro com grande variedade de árvores de fruta.

Embora tenha pouco espaço, o morador da Rua da Estremadura de Baixo, Terra Nova, conseguiu plantar e conservar no seu quintal, mais de cinco mil laranjeiras, mamoeiros, mangueiras, abacateiros, cajueiros, pés de maracujá, pitangueiras, limoeiros, fruta pinha e palmeiras de dendém.
O que mais há no quintal são laranjeiras. Carlos Neto mostrou disponibilidade em oferecer à Administração Municipal do Rangel mil laranjeiras para serem plantadas em todo o distrito.
Quer ver a sua terra arborizada, nem que seja com árvores de fruto. Carlos Neto sabe que Luanda precisa de muitas árvores nas ruas que garantam alguma sombra sobretudo quando o sol queima.
Carlos Neto gosta do trabalho que faz. Todo o material utilizado, desde as sementes aos pacotes térmicos para a conservação das árvores, vem do lixo.
Paga a jovens que recolhem do lixo, nos mercados, caroços de frutas e aproveita as sementes. É assim que consegue as árvores que tem no seu quintal.
No bairro da Terra Nova ele é membro do núcleo instalador da Associação Paz, Amor e Fruto na Terra, que existe há quase três anos e está virada para a preservação, desenvolvimento do Ambiente, com a criação de áreas de lazer.
Oferece árvores a todos os que lhe dão garantias de que vão cuidá-las bem.
O núcleo trabalha com escolas e pessoas singulares com o objectivo de mostrar a importância da arborização, incutindo nas crianças, adolescentes e jovens, a cultura de plantar árvores por todo o bairro da Terra Nova.
A Associação Paz, Amor e Fruto na Terra,prevê desenvolver nos próximos dias actividades com as igrejas para criar hábitos de arborização nas comunidades da província de Luanda.
Encontrar soluções para combater a pobreza com foco nos jovens e na mulher rural é também um dos objectivos da Associação Paz, Amor e Fruto na Terra, que pretende desenvolver as suas acções de forma abrangente.
A associação já disponibilizou 100 laranjeiras a uma comuna da aldeia de Cabiri, município de Icolo e Bengo, em Luanda.
“Consigo arborizar num espaço de cinco anos, só com árvores de fruto, toda a cidade de Luanda. Mas para isso preciso de meios apropriados e a colaboração de todos cidadãos. A falta de meios para trabalhar e desenvolver com celeridade a nossa actividade condiciona a actuação da associação, que muito tem feito para garantir melhor ambiente a cidade”, disse. Carlos Neto tem filhos e toda a família já tem a cultura da arborização.

Jornal de Angola/Nilza Massango


Dia Nacional do Ambiente Assinalado no Namibe Com Campanha de Remoção de Lixo

                    Lucira

namibe_luciraUma campanha que visa a remoção dos grandes focos de lixo nas artérias da cidade está a envolver 120 funcionários de empresas públicas e privadas, na província do Namibe, numa iniciativa enquadrada nas comemorações do Dia Nacional do Ambiente que hoje se comemora.

Em declarações à Angop, o chefe do departamento para o saneamento, Silvério Fernandos, assegurou que as condições estão criadas para o arranque ainda hoje da campanha.

Silvério Fernandos disse que os organizadores da campanha têm o apoio e a ajuda do Instituto de Estradas de Angola (INEA) e da empresa Opuai, que disponibilizaram camiões monta-cargas para a remoção do lixo.

Com duração de dois dias, a campanha vai abranger todas as artérias da cidade do Namibe e arredores do cemitério municipal, da loja Nosso Super, forte Santa Rita, Cinco (5) de Abril e estrada que liga a cidade ao aeroporto, num percurso de sete quilómetros.

O Dia Nacional do Ambiente tem como principal objectivo reforçar os alertas aos diferentes sectores para a necessidade de se adoptar padrões de vida sustentáveis e que promovam uma gestão equilibrada dos recursos naturais.

Foi no dia 31 de Janeiro de 1976 que terminou a primeira “Semana de Conservação da Natureza, realizada em Luanda, durante a qual estiveram presentes delegações provenientes de Moçambique, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde.

Lusa / Novo Jornal