O Maior Risco de Segurança Para Empresas em Angola São a Criminalidade e Delinquência

A criminalidade violenta e a pequena delinquência representam a maior ameaça em termos de segurança para as empresas que atuam em Angola, um risco exacerbado pela incapacidade da polícia em lidar com o problema, segundo a consultora Fitch.

De acordo com um relatório que apresenta os riscos operacionais em Angola para o primeiro trimestre de 2020, produzido pela consultora Fitch e a que a Lusa teve acesso, a história violenta de Angola, a desigualdade e os altos níveis de pobreza são fatores que contribuem para o elevado nível de crimes com motivação económica no país.

Um risco “exacerbado pela falta de capacidade das forças policiais em investigar e lidar com o crime, por estarem mal equipadas, receberem salários baixos e serem consideradas altamente corruptos pela maioria da população”, indica o documento.

Angola – que está classificada em 10.º lugar num conjunto de 13 países do sul de África analisados pela Fitch quanto ao risco de vulnerabilidade ao crime, e em 11.º no que respeita à criminalidade e delinquência – implica assim custos adicionais para as empresas que terão de gastar “recursos significativos” em medidas de segurança privadas para garantir a segurança dos seus trabalhadores e bens.

Segundo a Fitch, as empresas do setor logístico e de abastecimento enfrentam riscos particularmente elevados de roubo de mercados e perdas financeiras devido à subida da criminalidade, associada ao aumento dos níveis de pobreza e escassez de alimentos.


Foram Assassinados na Província da Huíla um Empresário Português e Outro Moçambicano

Um cidadão português e outro moçambicano, ambos empresários, foram assassinados na província da Huíla, em Angola, informou hoje a polícia.

O português, Délcio dos Reis Cardoso, e o moçambicano, Álvaro Morgado, ambos de 64 anos, residiam na província de Benguela, no litoral sul de Angola, de acordo com o comunicado.

O desaparecimento das vítimas foi dado a conhecer pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC) de Benguela, na quarta-feira, à polícia da província da Huíla, para onde os empresários terão partido no dia 20 de janeiro, para o município da Matala, supostamente numa viagem de negócios.

A polícia refere que, após algumas diligências, foi possível confirmar as mortes dos empresários nos dias 23 e 24 de janeiro, bem como a localização dos seus corpos.

Segundo a nota, as diligências permitiram também identificar e deter os autores confessos dos crimes. Fonte da polícia informou que se encontram detidas cinco pessoas.


Em 15 Dias Foram Assassinadas Sete Pessoas em Luanda

Sete pessoas foram mortas, de oito a 22 de Maio, em Luanda, durante os assaltos com recurso a armas de fogo e branca, registados nos municípios de Viana, Cacuaco, Kilamba-Kiaxi e Belas.

O director do gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa da delegação provincial do Ministério do Interior (MININT), intendente Mateus Rodrigues, disse que por envolvimento nos crimes foram detidas 11 pessoas com idades entre os 17 aos 22 anos.

Mateus Rodrigues afirmou que as mortes foram registadas durante os assaltos na via pública, residências e estabelecimentos comerciais.

A polícia deteve, igualmente, durante várias operações de combate ao crime realizadas nos municípios do Talatona, Cazenga e Belas, outros 62 suspeitos de envolvimento em roubos qualificados a mão armada, rapto e posse ilegal de arma de fogo.


No KM 30 do Município de Viana em Luanda Foi Encontrada Morta a Jornalista da TPA Beatriz Fernandes

 

A jornalista da Televisão Publica de Angola (TPA) Beatriz Fernandes, raptada na noite de quarta-feira, foi hoje ( quinta-feira) encontrada morta, no KM-30, no município de Viana em Luanda.

Angop soube, de fontes ligadas ao Serviço de Investigação Criminal (SIC), que a jornalista desapareceu na companhia de dois filhos menores, quando seguia para casa ao volante da sua viatura.


Encontrado Cadáver de Um Português Assassinado na Barra do Dande a Norte de Luanda

Um geofísico português, de 62 anos, foi assassinado em Angola alegadamente por um gangue liderado pelo seu motorista, tendo o corpo sido abandonado na barra do Dande, a norte de Luanda, confirmou hoje à Lusa fonte ligada à investigação.

Os restos mortais de Luís de Mendonça Torres, descobertos a 22 de maio, foram trasladados hoje para Portugal, depois de realizada a autópsia, que, segundo a mesma fonte, revelou que o crime terá sido cometido a 05 de Abril de 2017. abandonado na barra do Dande, a norte de Luanda