Há 21 Milhões de Meninas “Indesejadas” Pelos Pais, Segundo Relatório do Governo da Índia

Foto Reuters

Na Índia, a vontade dos pais terem filhos em vez de filhas resultou em 21 milhões de meninas “indesejadas”, segundo um relatório do Governo.

O relatório produzido pelo Ministério das Finanças indiano afirma que muitos casais naquele país continuam a ter bebés, até que nasça um rapaz.

Os autores do projeto chamam à tendência “uma forma mais subtil” daquela sociedade manifestar uma preferência por bebés do género masculino, em vez da solução mais radical de recorrer a abortos seletivos. Porém, avisa que mesmo assim essa “propensão” pode levar a uma maior discriminação dirigida a raparigas e que a menos recursos sejam disponibilizados para o seu crescimento


Número de Crianças Refugiadas Aumenta no Mundo e Já Representa Mais de Metade das Vítimas

O número de crianças refugiadas está a aumentar no mundo e já representa mais de metade das vítimas de violência, perseguição e discriminação que foram forçadas a abandonar o seu país para salvar a vida, foi hoje anunciado.


Partiram Hoje Para Tratamento Médico Especial na Alemanha Mais 70 Crianças Angolanas

Foto de /O PAÍScriancas_angolanasO projecto é uma parceria entre as organizações Kimbo Liombembwa e Friedensdorf International.

Crianças angolanas com necessidades de tratamento especial vão permanecer nos hospitais e clínicas em território alemão até ao mês de Maio de 2017, altura em que se presume que estarão em condições de retornar ao país.


Primeiro Festival de Moda Infantil de Luanda no Próximo Dia 4 de Dezembro

Foto-Rede Angolamoda-infantil-2016-620x271Para além dos desfiles, os participantes poderão apreciar actuações musicais, além de usufruir de uma feira de livros infantis.

No próximo dia 4 de Dezembro, decorre no Centro Cultural Paz Flor, na Samba, a primeira edição do Festival de Moda Infantil, organizado pela Mídia 

Arte.


Não Pára de Crescer o Número de Crianças a Viver nas Ruas de Luanda

meninos_rua_luandaO número de crianças a viver nas ruas de Luanda, subsistindo de esmolas e de pequenos expedientes, não pára de crescer nos últimos meses, muitos, como o Novo Jornal Online constatou, porque as famílias não os conseguem manter ou porque fogem de casa devido aos maus-tratos.

Na baixa de Luanda ou em locais próximos como o Maculusso ou a Sagrada Família, diante do olhar público, centenas de crianças, descalças e pobremente vestidas, deambulam em busca de sustento, pedindo esmolas ou recorrendo a pequenos serviços, como arrumar carros ou engraxar sapatos.