Alargar Mobilidade a Todos os Cidadãos da CPLP Vais Ser Proposto Por Portugal

O ministro dos Negócios Estrangeiros português afirmou que Portugal está pronto para alargar o regime de mobilidade que aplica bilateralmente com o Brasil a todos os cidadãos da CPLP, acreditando na possibilidade de alcançar um acordo global até 2020.

Em entrevista à agência Lusa na cidade cabo-verdiana do Mindelo, ilha de São Vicente, na véspera da XXIV reunião ordinária do conselho de ministros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Augusto Santos Silva assumiu que “a questão central” da reunião de sexta-feira será “o trabalho que tem vindo a ser feito sobre o regime de mobilidade e livre circulação” dentro da organização.

“Estou seguro de que os ministros dos Negócios Estrangeiros e Relações Exteriores aprovarão [na sexta-feira] uma resolução que significará um passo em frente em direção ao acordo que os chefes de Estado e de Governo possam aprovar. Eu estou seguro de que vai haver passos. Qual é a largura desses passos? Isso estou como um célebre jogador de futebol português, que dizia que prognósticos só no fim do jogo”, disse Santos Silva.


Urgência na Mobilidade das Pessoas na CPLP Pede o Presidente João Lourenço

O Presidente João Lourenço, esta quarta-feira (18), em Cabo Verde «atenção e alguma urgência» para a concretização da mobilidade dos cidadãos lusófonos, enquanto o chefe de Estado moçambicano reclamou a total circulação de pessoas, bens e capitais.

«Tenho consciência da complexidade de alguns temas, um em particular, a mobilidade dos cidadãos», afirmou João Lourenço, no encerramento da XII conferência de chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Santa Maria, ilha do Sal.

O Presidente angolano defendeu que os países lusófonos devem debruçar-se «com atenção e até com alguma urgência para que a CPLP seja uma organização em que não só a língua e a cultura sejam factores de aproximação, como, fundamentalmente, a circulação dos cidadãos entre os Estados-membros».

«Os nossos cidadãos devem perceber que vale a pena fazer parte da comunidade, não só pelos actos de cooperação que vamos realizando aqui e ali, mas principalmente pelas vantagens directas e até pessoais que poderão obter do facto de estarem inseridos nesta comunidade», salientou.


Para Oferecer Ensino à Distância Juntam-se Universidades de Sete Países Lusófonos

Universidades de sete países lusófonos juntaram-se na primeira associação de educação à distância, com o objectivo de promover a inclusão através do ensino e criar uma oferta educativa conjunta, disse hoje à Lusa o reitor da Universidade Aberta.

A Associação de Educação à Distância dos Países de Língua Portuguesa, cuja criação tem o patrocínio da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), integra a Universidade Aberta (Portugal), Universidade Agostinho Neto (Angola), Universidade de São Paulo (Brasil), Universidade de Cabo Verde, Universidade Eduardo Mondlane (Moçambique), Universidade de São Tomé e Príncipe e Universidade Nacional de Timor-Lorosa’e.

“O grande objectivo da associação é promover a língua portuguesa como língua de conhecimento, inovação e de valor na sociedade digital, através da educação à distância, que é um factor de inclusão social e é, cada vez mais, um meio para ultrapassar as barreiras ao acesso ao ensino”, afirmou o reitor Paulo Dias.

O responsável da Universidade Aberta apontou que alguns países lusófonos têm “grandes necessidades” desta forma de ensino, como é o caso do Brasil, por ser um país muito grande, ou Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, arquipélagos.


Portugueses e Chineses Juntos nos Países de Língua Portuguesa em Infra-Estruturas de Transporte Rodoviárias e Ferroviárias

Foto-Vigas da Purificação | Edições NovembroEmpresas públicas de Portugal e China passam a desenvolver em parceria infra-estruturas de transporte, rodoviárias e ferroviárias, nos países de língua portuguesa, que pode estender-se também ao Brasil, na sequência de um acordo assinado entre os dois países, em Lisboa.


Livre Circulação em 2018 na CPLP Seria “Excelente” Afirma António Costa

O primeiro-ministro português, António Costa, assumiu a posição em Nova York no final de uma reunião com chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).