Angola é o País Mais Corrupto da SADC e o Quinto Pior da União Africana

Pela primeira vez na sua história, a Procuradoria-Geral da República criou um Plano Estratégico de Prevenção e Combate à Corrupção que visa estancar toda a acção de corrupção no País, numa altura em que a ONG Transparência Internacional coloca Angola na posição 5 dos países mais corruptos da União Africana e África Subsariana, sendo o mais corrupto ao nível da SADC.

Os dados constam do Plano Estratégico de Prevenção e Combate à Corrupção da Procuradoria-Geral da República, apresentado esta manhã no Palácio da Justiça, na presença de vários membros do Poder Executivo, Legislativo e Judicial.

Hélder Pitta-Grós, Procurador-Geral da Republica, disse, na abertura, que a PGR, em cooperação com os Ministérios do Interior, da Justiça, das Finanças, IGAE, Tribunal de Contas e outros órgãos, já traduziu em tribunal alguns processos de grande envergadura e repreensão social.

“O sinal do combate à prática ilícita já anunciada, que corrói a sociedade angolana, foi dado. Quem até então se sentia ou se considerava acima da lei, teve de atender à notificação da justiça” salientou Hélder Pitta-Grós.


Está em Fase Final de Instrução Contraditória o Processo de Tentativa de Burla ao Estado Angolano no Valor de 50 Mil Milhões de Dólares

O presidente do Tribunal Supremo de Angola, Rui Ferreira, disse hoje que o processo de tentativa de burla ao Estado, no valor de 50.000 milhões de dólares, envolvendo cidadãos angolanos e tailandeses, está em fase final de instrução contraditória.

A informação foi avançada pelo também presidente do Conselho Superior da Magistratura Judicial de Angola, à margem da cerimónia de abertura oficial do “Curso Especial de Formação Judiciária”, em Luanda, dirigido a mais de 100 auditores de Justiça.

“O processo está no Tribunal Supremo, está na fase final de instrução contraditória e, a seu tempo, os juízes conselheiros que têm o processo vão pronunciar-se”, disse hoje Rui Ferreira, quando questionado pela agência Lusa.

Segundo informação de julho do Tribunal Supremo, neste caso, conhecido como “Burla à Tailandesa”, existem “suspeitas de envolvimento de 11 cidadãos nacionais e estrangeiros”, aos quais são imputados crimes de falsificação de documentos, burla por defraudação, associação de malfeitores e branqueamento de capitais.

O ex-Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas (FAA), Geraldo Sachipengo Nunda, é um dos arguidos neste processo.


Durante Seis Dias o Empresário Angolano Álvaro Sobrinho Foi Interrogado nas Ilhas Maurícias Por Uma Comissão Anti-Corrupção

O empresário angolano Álvaro Sobrinho, foi interrogado, durante seis dias, nas Ilhas Maurícias, por uma comissão anti-corrupção, sobre os seus investimentos naquele país e relações com o poder político. Álvaro Sobrinho foi ouvido pela comissão que investiga o caso que levou à demissão da Presidente da República.

“Estou muito cansado. Não há nada a dizer”. Foi o único comentário do empresário Álvaro Sobrinho, após sair das instalações da Comissão Independente contra a Corrupção das Ilhas Maurícias.

A Presidente da República das Maurícias, Ameenah Gurib-Fakim, demitiu-se em Março após ter sido detectado que usava um cartão de crédito fornecido pela Planet Earth Institute, uma fundação criada por Sobrinho com o objectivo de promover a ciência em África.

O empresário foi surpreendido na sexta-feira da semana passada com a presença de investigadores na casa que possui no complexo residencial Royal Park, outro dos alvos da investigação, já que Sobrinho terá adquirido ali dezenas de habitações. Houve uma busca no local e foi convocado para interrogatório “under warning”, como pessoa de interesse para a investigação, tendo ficado impedido de sair do país sem autorização. O objectivo desta medida foi assegurar que iria prestar os esclarecimentos que a comissão considera serem essenciais.


Empresas Brasileiras Ligadas a Angola e Moçambique Apanhadas nas Malhas da Corrupção

Empresas brasileiras ligadas a Angola e Moçambique acabam de cair nas malhas de uma operação anti-corrupção lançada pelas autoridades brasileiras. Como a Odebrecht, uma das maiores construtoras da América Latina.


Portugal Tornou-se Uma Máquina de Lavar Dinheiro Para Angola e Para a Guiné Equatorial

petrolroInvestigação da empresa confirma haver “evidência” de pagamento de milhões de dólares a entidades oficiais ou seus familiares

A companhia holandesa SBM Offshore envolvida na exploração de petróleo ao largo de Angola admitiu que poderá ter pago milhões de dólares em suborno a entidades oficiais angolanas.

Os pagamentos poderão ter sido em feitos em dinheiro ou em produtos não especificados “de valor”.

A SBM Offshore é uma companhia de serviços que se especializa em plataformas marítimas usadas na exploração de petróleo e gás.

A SBM tinha afirmado em 2012 que estava a investigar supostos subornos feitos por entidades da companhia a entidades no Brasil, Angola e Guiné Equatorial.

Num comunicado ontem divulgado, a empresa disse que uma investigação interna não encontrou provas de subornos no Brasil, mas encontrou provas que representantes em Angola e na Guiné Equatorial podem ter subornado entidades dos governos desses países.

“A respeito de Angola e Guiné Equatorial há evidências de que pagamentos podem ter sido feitos directa ou indirectamente a autoridades do governo”, disse o comunicado da companhia que não divulgou, contudo quaisquer, nomes.

O comunicado diz que entre 2007 e 2011 companhias ligadas à empresa usaram “agentes múltiplos” em Angola, incluindo um anteriormente usado para negócios na Guiné Equatorial.

“Há alguma evidência que pessoas ligadas a pelo menos um desses agentes eram entidades do Governo angolano ou estavam associados a entidades do Governo angolano,” diz o comunicado que acrescenta:

“Há também alguma evidência de que o agente usado na Guiné Equatorial poderá ter feito pagamentos a entidades do Governo angolano e que outros tipos de valor foram entregues a entidades do governo e/ou a seus familiares”, lê-se no comunicado.

Leia Mais