Quarto Dia Consecutivo em Luanda com Algumas Bombas Sem Combustíveis

Alguns postos de combustível de Luanda ainda registam hoje falta de gasolina, pelo quarto dia consecutivo, sem que os funcionários consigam dar explicações aos clientes sobre a escassez.

A falta de combustível, que se verifica desde sexta-feira e provocou filas de centenas de metros nas poucas bombas que ainda tinham gasolina, sobretudo no sábado e no domingo, voltou hoje a verificar-se em alguns pontos, segundo uma ronda que a Lusa realizou pela capital angolana.


Prevista a Paralisação da Fábrica de Cimentos do Cuanza Sul por Falta de Combustível

A fábrica de cimento da província do Cuanza Sul informou hoje as autoridades que prevê a paralisação dos trabalhos a 01 de Novembro, devido à falta de fornecimento de combustível.

Aquela unidade industrial escreveu à direção provincial da indústria do Cuanza Sul a dar conta da situação, que se arrasta desde janeiro deste ano, e que se junta a outros problemas que o setor está a atravessar no país, fazendo disparar o preço do cimento.

Para o funcionamento daquela fábrica é necessário combustível do tipo HFO, que serve para a queima de clínquer, matéria-prima para a produção de cimento, bem como para o funcionamento das máquinas.


Especulações no Preço da Gasolina no Bié Devido à Sua Escassez

A escassez de gasolina nas bombas de combustível na cidade do Cuito, província do Bié, está a provocar inúmeros transtornos e especulações de preços no seio da população local, apurou hoje à Angop.


Angola Deve Importar Petróleo Refinado Sugere em Análise a Revista Economist Intelligence Unit

A Economist Intelligence Unit (EIU) considera que a importação de petróleo refinado “pode ser uma estratégia economicamente mais salutar” para Angola do que enviar o petróleo recolhido no país para ser refinado no estrangeiro.


Refinar no Estrangeiro o Petróleo Produzido Está a Ser Ponderado Pelo Governo de Angola

O Executivo está a estudar a possibilidade de refinar no estrangeiro o petróleo produzido em Angola, tendo em vista o posterior consumo no mercado nacional, indica um despacho assinado pelo ministro dos Petróleos.