Caminho-de-Ferro Transporta Granito da Huíla Para o Porto de Moçâmedes

A administração do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes chegou a acordo com empresários do sector das rochas ornamentais para baixar o preço por tonelada de 7,5 para 6,5 kwanzas por quilómetro, facilitando dessa forma o transporte de granito para o porto de Moçâmedes, capital da província de Namibe, disse quarta-feira no Lubango o administrador financeiro da empresa ferroviária.

O acordo surge três anos depois do começo das negociações, como resultado da pressão que os governos provinciais do Namibe e da Huíla exerceram nos últimos oito anos para que se proibisse o transporte do granito, mármore e de combustíveis por via rodoviária, por ser a responsável pela degradação acelerada da Estrada Nacional N.º 280.

O administrador financeiro da CFM, António Conceição, disse à agência noticiosa Angop que a redução do preço por quilómetro ao longo dos 253 quilómetros da linha entre Lubango e Namibe permite que o transporte de cada bloco de granito com 2,5 toneladas passe a custar 41 mil kwanzas, que compara com o custo actual de 90 mil kwanzas quando o mesmo bloco é transportado por via rodoviária.

António Conceição adiantou que a empresa decidiu aumentar a frequência do comboio de carga de duas para cinco viagens semanais, a fim de dar resposta à procura que se espera venha a ocorrer.


Interrompidas Há Seis Anos Para Obras na Via Retomaram Hoje as Viagens do CFM Entre Lubango e o Namibe

O Caminho-de-Ferro de Moçâmedes, no sul de Angola, retomou hoje (27) o transporte de carga e passageiros no percurso Lubango – Moçâmedes, capital provincial do Namibe, com uma composição que levou 300 passageiros e 85 toneladas de mercadorias.

As viagens tinham sido interrompidas há seis anos, devido a obras no traçado da ferrovia.A ligação ferroviária com transporte de passageiros circulará duas vezes por semana, num percurso de 270 quilómetros.

Segundo o diretor comercial do CFM, Carlos Rol, o preço do bilhete da viagem custa  850 Kwanzas.

O CFM já assegura o percurso Cubango/Huíla com alguma frequência, com comboios diários, de segunda à sexta-feira, com uma média diária de transporte de 1.500 pessoas.


Antiga Estação dos Caminhos de Ferro de Moçâmedes Transformada em Museu

Um museu de equipamentos ferroviários está em fase de formação na cidade do Lu­bango, numa iniciativa do Governo Provincial da Huíla, em parceria com o departamento de História do Instituto Superior de Ciência de Educação (ISCED), e a empresa dos Caminhos-de-Ferro de Moçâmedes (CFM).

O anúncio foi feito ontem pelo chefe do departamento provincial da Acção Cultural da Direcção da Cultura, na Huíla, Pedro Mussunda, no quadro das festividades alusivas aos dias dos Mártires da Repressão Colonial e da Cultura Nacional, celebrados a 4 e 8 de Janeiro.


47,1 Milhões de Euros Para Manutenção da Linha Férrea de Moçâmedes

O Governo vai gastar 47,1 milhões de euros com a manutenção de 900 quilómetros da linha ferroviária no sul do país, a realizar por um empreiteiro chinês, por a empresa Caminhos-de-Ferro de Moçâmedes (CFM) não ter capacidade técnica.


35 Anos Depois o Caminho de Ferro de Moçâmedes Retoma a Circulação Entre a Jamba e Tchamutete

Foto OPAÍSO Caminho-de-ferro de Moçâmedes, (CFM) procedeu ontem ao lançamento do comboio comercial que ligará a sede municipal da Jamba à comuna do Tchamutete, província da Huíla.