Parque Nacional do Maiombe Avaliado Pelo Governo Sobre a Caça Furtiva

Foto Angop

Um diagnóstico sobre a caça furtiva no Parque Nacional do Maiombe, em Cabinda, está a ser elaborado pelo Ministério do Ambiente, no âmbito da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção (CITES).

A informação foi avançada hoje (terça-feira) à Angop pelo director do Instituto Nacional de Biodiversidade e Áreas de Conservação, Aristófanes Fontes, frisando que a iniciativa surge no reforço do quadro legislativo para a implementação do CITES e a aplicação da lei do crime contra à vida selvagem em Angola.

Segundo ele, o programa destina-se ainda a ajudar a conservar as espécies ameaçadas listadas pelo CITES, as que são vítimas da caça furtiva no Parque Nacional de Maiombe, assim como as que podem entrar nos mercados de tráfico ilegal.

“Estas incluem o papagaio cinzento africano, o leopardo, o pangolim de barriga branca e o pangolim gigante”, referiu.

O responsável acrescentou que o chimpanzé central, o gorila das terras baixas e o elefante da floresta, por partilharem o mesmo habitat, enfrentam riscos semelhantes e, como tal, também deverão se beneficiar deste projecto.


Autoridades Angolanas Mandam Queimar Cerca de 1,5 Toneladas de Marfim

As autoridades queimaram cerca de 1,5 toneladas de marfim, quantidade que no mercado negro podia valer perto de um milhão de euros, para garantir o compromisso do país em acabar com a actividade.


Para a Sobrevivência da Palanca Negra Gigante é Necessário Combater a Caça Furtiva com Mais Eficácia

106-0000-077-0-246-

O coordenador do projeto de Conservação da Palanca Negra Gigante, Pedro Vaz, condicionou a saída deste antílope da lista vermelha à redução da sua mortalidade, maioritariamente associada à caça furtiva.

O biólogo disse que qualquer espécie reduzida a menos de 250 indivíduos está necessariamente na categoria perigo crítico – CR, sendo um dos critérios que cumpre atualmente a palanca negra gigante.


No Ano Passado em Moçambique Foram Presas Mais de 300 Pessoas Por Caça Furtiva

Nova imagem (4)Mais de 300 pessoas foram presas por caça furtiva no ano passado em Moçambique, informou o governo, dando conta de que o país perdeu 50% da sua população de elefantes nas últimas duas décadas.


A Gigante Tecnológica Google Ajuda a Impedir a Extinção do Elefante Africano

elefantesPerante a modernização dos caçadores furtivos, que cada vez têm técnicas melhores para atacar os elefantes em África, os protectores destes animais recorrem também a tecnologias avançadas para impedir a sua extinção.