Cabo Verde Numa Lista da ONU Entre Países Que Precisam de Ajuda Alimentar

Um  relatório da FAO sobre perspetivas de colheitas e situação alimentar indica que, “em Cabo Verde, dois por cento da população está em situação de crise”.

Segundo o relatório da FAO, o ano de 2018 foi um ano de fraco desempenho nos setores agrícola e pecuário, pelo que, de acordo com a análise feita no último quadro harmonizado, cerca de novemil Cabo-verdianos estão numa situação de crise alimentar.

O mesmo documento revela ainda  dificuldades causadas pela falta de chuvas que afetam diversos países da costa ocidental africana.

Segundo a FAO, “devido a um atraso no início da estação chuvosa, seguido por uma pluviosidade abaixo da média e irregular, afetaram o crescimento inicial” das plantações e o desenvolvimento das colheitas.

Na Mauritânia, a falta de chuva provocou níveis de produção mais baixos nos últimos 20 anos.


As Ilhas de Cabo Verde Tiveram um Aumento de Procura Turística de 10% Por Parte dos Britânicos

A procura turística do Reino Unido pelas ilhas de Cabo Verde aumentou 10% no primeiro trimestre de 2019, face ao ano anterior, acima da média do crescimento do setor do turismo no país africano.

De acordo com o último relatório estatístico do Banco de Cabo Verde, citando dados atualizados do Instituto Nacional de Estatística (INE), globalmente, o país registou 1.357.216 dormidas por turistas estrangeiros no primeiro trimestre de 2019.

Esse registo compara com as 1.302.924 dormidas registadas no primeiro trimestre de 2018, traduzindo-se assim num crescimento global de 4,2%.

Do total de dormidas no primeiro trimestre deste ano, quase 30% correspondem a turistas do Reino Unido.

Segundo o mesmo relatório, a procura britânica por unidades hoteleiras cabo-verdianas traduziu-se em 397.933 dormidas de janeiro a março deste ano, um aumento de 10% em termos homólogos e um valor acima de qualquer um dos quatro trimestres de 2018.


A Partir de 15 de Agosto Entra o Serviço de Transporte Marítimo Inter-Ilhas em Cabo Verde

O serviço de transporte marítimo inter-ilhas em Cabo Verde entra em operação a 15 de agosto, disse  o ministro do Turismo e Transportes e Ministro da Economia Marítima, José da Silva Gonçalves.

“Já temos uma solução perfilada [para o transporte inter-ilhas com navios] que começa a operação efetiva a 15 de agosto. É uma solução que vai ligar todas as ilhas num só circuito”, disse José da Silva Gonçalves.

O governante, que falava à margem da assinatura Memorando Específico de Cooperação (MEC) entre Portugal e Cabo Verde para a economia marítima, lembrou que, no início do ano, foi assinado o acordo de concessão única de transportes marítimos com a portuguesa Transinsular, que assume o papel de parceira estratégica.

Com este acordo, a operadora portuguesa detém 51% da Cabo Verde Inter-Ilhas, empresa criada na sequência da concessão do serviço marítimo, enquanto os restantes 49% estão nas mãos de armadores cabo-verdianos.

O governante explicou que, até hoje, os transportes marítimos no arquipélago apenas existiam onde os operadores entendiam e lhes convinha em termos comerciais. “As áreas que não têm apetência económica e rentabilidade ficavam mal servidas”, salientou o ministro cabo-verdiano.


Para Recordação, Turistas em Cabo Verde Pagam por Fotos Com Tubarões Esquartejados

Foto África 21 Digital

A captura e esquartejamento de tubarões para exposição aos turistas, que não hesitam em pagar por uma fotografia perto do “rei” dos predadores, preocupa as organizações que alertam para a necessidade urgente da proteção desta espécie em Cabo Verde.

O Movimento Contra a Poluição de Cabo Verde (MCPCV) colocou na sua página da rede social Facebook imagens de vários tubarões anequim/mako (Isurus oxyrinchus) e de raias-mobula, espécies classificadas como em risco de extinção, esquartejados e expostos no pontão de Santa Maria, na ilha do Sal.

Em redor dos animais, amontoam-se os turistas que, empunhando telemóveis, registam o momento em que os animais são transportados e as suas feridas expostas no pontão. Alguns, em troca do “espetáculo”, oferecem dinheiro aos pescadores que veem naquela cena uma forma de angariar rendimento.

O MCPCV sublinha que “as duas espécies são altamente vulneráveis à pesca intensiva devido a seu crescimento lento e a reprodução de poucas crias”.

Para Zeddy Seymour, diretor do projeto MarAlliance – aliados para a Fauna Marinha em Cabo Verde, esta situação regista-se na pesca artesanal, embora essa não seja a maior ameaça, uma vez que se tratam de espécies pelágicas (do mar aberto), onde a pesca industrial tem autorização para proceder à sua captura, mediante acordo entre a União Europeia e Cabo Verde.


No Instituto Confúcio Instalado em Cabo Verde, Mais de 1.000 Alunos Cabo-Verdianos Aprendem Mandarim

Foto:VOA/Arq

Desde janeiro de 2016 que está instalado em Cabo Verde o Instituto Confúcio, instituição de formação sem fins lucrativos que visa divulgar e melhorar a compreensão da língua e da cultura chinesa.

O presidente da Associação de Amizade Cabo Verde-China (Amicachi) admite que língua continua a ser a principal dificuldade na integração da comunidade chinesa em Cabo Verde, enquanto mais de 1.000 alunos cabo-verdianos já aprendem mandarim no país.

Em declarações à agência Lusa, à margem do Fórum Económico Empresarial Cabo Verde – China, que decorre na cidade da Praia, José Correia disse que a comunidade chinesa neste país vive essencialmente da atividade comercial e está “bem integrada”.

Para os cerca de 2.000 chineses que a associação estima estarem a trabalhar e a viver em Cabo Verde, a língua e a cultura são os principais desafios.

Por seu lado, o mandarim revela-se cada vez mais atrativo para os estudantes cabo-verdianos, estando 1.000 a aprender esta língua nos vários estabelecimentos de ensino cabo-verdianos.