Investidores Holandeses Interessados em Investir em Porto Novo, Cabo Verde

Foto: UCCLA

Representante da Escudo Holding Adventure Food manifestou intenção de construir em Porto Novo um pequeno resort turístico.
A Escudo Holding Adventure Food é uma sociedade holandesa que já manifestou às autoridades municipais a intenção de investir no sector imobiliário turístico no Porto Novo, Santo Antão, investimentos que podem concretizar-se, dentro de pouco tempo, neste município.

Uma representante desta empresa esteve, semana passada, no Porto Novo, onde se encontrou com o executivo camarário ao qual manifestou a vontade de construir neste concelho “um pequeno resort de beach voley”, segundo a edilidade portonovense.

“Trata-se de mais um investimento privado que vai nascer nos próximos tempos no concelho do Porto Novo que tem como objectivo criar empregos para os jovens”, confirmou a câmara do Porto Novo, através de uma nota.

Os projectos privados em carteira para Porto Novo, nos próximos anos, podem ultrapassar os três milhões e meio de contos, abarcando, sobretudo, os sectores do turismo, agricultura, pesca e energias renováveis.


127 Milhões de Euros Foi Quanto Cabo Verde Perdeu em 2017 nas Reservas Internacionais

Cabo Verde registou, em 2017, uma queda de cerca de 127 milhões de euros nas  suas reservas internacionais, resultante do aumento “significativo” das importações e do alargamento das necessidades  financeiras da economia cabo-verdiana.

Segundo o relatório anual do Banco de Cabo Verde (BCV), “a expansão da procura agregada, dadas as restrições da capacidade produtiva, resultou num crescimento significativo das importações e, consequentemente, no agravamento das balanças comercial e corrente”.

O BCV afirmou ainda que, para satisfazer a procura, as importações de bens, sobretudo de capital, produtos alimentares transformados e combustíveis, aumentaram 18,7 porcento (10,1 porcento em 2016).

“O défice da balança corrente quase triplicou, passando de 2,7 para 7,1 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) sobretudo devido à deterioração do défice comercial de bens e serviços na ordem dos 31 por cento (15 por cento em 2016), determinada pelo aumento das importações de bens e serviços”, reforça o BCV.

O alargamento das necessidades de financiamento da economia que, segundo o BCV, não foi compensado pelo crescimento das entradas de financiamento, levou a um “comportamento desfavorável” das contas externas, determinando “uma redução das reservas internacionais líquidas do país, na ordem dos 13 milhões de euros, pela primeira vez desde 2011”.


Aumentar Protecção às Tartarugas Marinhas é o Que Pretende o Governo Cabo-Verdiano

O ministro da Agricultura e Ambiente de Cabo Verde, Gilberto Silva, pediu apoio às organizações da sociedade civil para reforçar a fiscalização de proteção das tartarugas marinhas. A lei que criminaliza o consumo entrou hoje em vigor.

“As autoridades públicas têm responsabilidade muito grande em matéria de fiscalização, mas é fundamental neste tipo de matéria considerar a chamada ‘fiscalização complementar’, que é feita pela sociedade, sobretudo pelas organizações da sociedade civil, que desempenham um papel importante, que o Governo reconhece”, disse, terça-feira (22), Gilberto Silva.

O ministro falava aos jornalistas, na cidade da Praia, durante uma cerimónia de condecoração de entidades que têm contribuído para a conservação da biodiversidade durante as últimas décadas, evento organizado no quadro da comemoração ao Dia Internacional da Biodiversidade.

O dia coincidiu com a entrada em vigor da lei que criminaliza o consumo de carne, ovos ou quaisquer restos ou parcelas de tartaruga, reforçando as medidas previstas no regime jurídico especial de proteção das tartarugas marinhas em Cabo Verde.


Firmado Há 20 Anos o Acordo Cambial entre Portugal e Cabo Verde Deu um Contributo Importante Para a Economia Cabo-Verdiana

O economista do Banco de Portugal Luís Saramago considera que o acordo cambial entre Portugal e Cabo Verde, firmado há 20 anos, deu um “contributo importante” para a abertura e modernização da economia cabo-verdiana.

“O acordo de cooperação cambial deu um contributo muito importante, reconhecido tanto a nível de Portugal como de Cabo Verde e como dos principais observadores internacionais, o FMI e o Banco Mundial”, disse Luís Saramago.

O técnico do Banco de Portugal falava à imprensa, na cidade da Praia, no âmbito de um seminário sobre os “20 anos de Acordo de Cooperação Cambial (1998-2018)”, promovido pelo Instituto Superior de Ciências Jurídicas e Sociais (ISCJS).

Luís Saramago, que foi a título pessoal um dos oradores do evento, sublinhou a contribuição para a “promoção da estabilidade macroeconómica”, nomeadamente através da “convergência dos níveis de inflação em Cabo Verde para valores próximos da inflação prevalecente na área do euro”.


A Economia de Cabo Verde Cresce 4,3% em 2018 é a Previsão do FMI

No entanto, aquela instituição prevê, no quadro do panorama da economia mundial, um abrandamento da economia cabo-verdiana, já a partir de 2019, com projecções de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) a chegarem apenas a 4%.

Também prevê que inflação deve crescer este ano 1 % e que a balança de pagamentos deve agravar-se no arquipélago cabo-verdiano.

A projecção do FMI relativamente à inflação é mais modesta do que a feita pelo Banco de Cabo Verde (BCV) segundo a qual haverá uma barreira mais elevada no intervalo entre o 1,75 % e 2,75 %.