Província do Bié Aguarda Fim das Obras do Caminho de Ferro

Os habitantes da província do Bié aguardam ansiosamente pela conclusão das obras de construção e reabilitação do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB) que está a ser realizada pelo Executivo Angolano. O CFB é considerado uma das mais importantes linhas-férreas da região austral do continente.
As chuvas que estão a cair incessantemente nesta região do centro do país não impedem os trabalhadores chineses e angolanos de concluírem esta magnífica obra. A empresa trabalha na remodelação de todo o sistema ferroviário, partindo do município do Chinguar, passando por várias estações ferroviárias até atingir a comuna do Munhango, no município do Cuemba.
Isaac Chandenguele, 68 anos, é um dos habitantes da cidade do Cuito que há décadas não ouve o apito do comboio, mas como a esperança é a última a morrer, o ancião aguarda com expectativa a chegada do comboio ao Bié.
“Estou bastante ansioso pela chegada do comboio, depois de tantos anos de paralisação”, disse Issac Chandenguele.
Rita Chilonga, moradora da vila do Cunje, conta cada segundo, minuto, horas, dias e os meses que faltam para o comboio voltar finalmente a apitar. “Estou contente, porque já sei que o comboio chega ao Huambo e dentro de pouco tempo vai chegar aqui”.
Helena Ngueve, outra moradora da comuna do Cunje, disse que a chegada do comboio ao Bié vai trazer muitas vantagens, por se tratar de um meio de transporte mais barato. “Com a chegada do comboio a vida vai mudar”, disse.
Evaristo Dembei, de 81 anos, é funcionário aposentado do CFB. O antigo maquinista disse à reportagem do Jornal de Angola que, apesar da idade avançada, o seu grande sonho é ver de novo o comboio a circular entre as províncias de Benguela e do Bié e voltar a viajar, agora em novas carruagens.

Jornal de Angola/José Chaves


Mais Cargos de Chefia Entregues a Mulheres no Bié, Angola

O governo da província do Bié registou este ano um aumento no número de mulheres que exercem os cargo de chefia, disse hoje no Kuito, a directora da Família e Promoção da Mulher (Difamu) no Bié, Ana Bela Coivo Ngonga.
A responsável em declarações à Angop disse que, o número de mulheres que exercem cargos de chefia nas instituições do Estado, subiu de 65 em 2010, para 82 este ano, sublinhando ser resultado da aposta na formação académica e profissional.
Entre elas, segundo a fonte, figuram uma vice-governadora, cinco directoras provinciais, igual número de administradoras municipais, duas administradoras adjuntas, sete administradoras comunais e seis administradoras comunais adjuntas.
Fazem ainda parte, segundo Ana Ngonga, sete chefes de departamento, 37 chefes de secções, três directoras de gabinetes e nove responsáveis de autoridades tradicionais (sobas), respectivamente, que no seu entender é graças à aposta do governo e da abnegação, interesse das mulheres em querer superar os níveis educacionais.
Aconselhou ainda as mulheres, no sentido de permanecerem firmes, isto é, empenhando-se na formação académica, profissional e não só, por formas a continuar a granjear o prestígio conquistado no seio das instituições governamentais e não só.
Defendeu ainda, a necessidade das mulheres, mormente, as jovens e adolescentes no sentido de prevenir-se das gravidezes precoces, situação que, segundo ela, contribuem negativamente no processo de formação, assim como, em firmar-se na sociedade.

Angop


Monumentos e Sítios Históricos Serão Reabilitados no Bié em 2012

O director provincial da Cultura no Bié, António dos Santos Buta, disse ontem, na cidade do Kuito, que a sua instituição prevê reabilitar, no próximo ano, os monumentos e sítios históricos da região.
O responsável sublinhou que as autoridades registaram 83 monumentos e sítios que carecem de uma reabilitação.
António dos Santos Buta afirmou ainda que a iniciativa visa possibilitar o melhoramento dos monumentos e sítios no Bié e garantir igualmente a boa imagem da província.
O responsável lembrou que a província dispõe de 172 locais de referência, sendo 14 históricos, 83 civis, cinco militares, 35 religiosos e 35 funerários, e acrescentou que a direcção provincial tem conhecimento de outros 135 sítios, entre os quais 44 históricos, 49 naturais e ambientais, sete arquitectónicos e 35 funerários.
António dos Santos Buta afirmou que, dos monumentos históricos civis da província, apenas o edifício dos correios e telégrafos, erguido em 1936, na vila de Kamacupa, é reconhecido pelo Ministério da Cultura.
No próximo ano, de acordo com o responsável, após a reabilitação dos monumentos e sítios, a direcção da cultura vai promover, junto do Ministério da Cultura, o seu reconhecimento.
António dos Santos Bula pediu ainda às populações mais respeito e dedicação na preservação dos monumentos e sítios históricos da região, pelo facto de simbolizarem o passado.
O responsável frisou que os cidadãos devem ter em conta a importância que estes locais representam como acervo histórico.

Jornal de Angola


Nova Central Térmica Para o Bié

A nova central térmica de energia eléctrica em construção no município do Cuito, província do Bié, está na fase final de execução, anunciou, ontem, o director local da Energia e Água.
Abel Guerra disse que os três primeiros grupos geradores de 2.5 MW vão prestar inicialmente serviços para minimizar a falta de energia no município do Cuito.
A cidade Cuito está parcialmente às escuras, o que leva o governo provincial a reabilitar a rede de média e baixa tensão município.

Com a instalação destes sistemas, as autoridades pensam reduzir as constantes avarias, que têm afectado o ensino, principalmente no período nocturno, e proporcionar melhor iluminação nas artérias da cidade.
Apenas um grupo gerador de 2.4 MW está funcionar na distribuição da energia em toda a cidade, mas, disse Abel Guerra, estão a ser desenvolvidos esforços para resolver o problema. Em relação à distribuição de água, sublinhou que está a ser feito um trabalho de limpeza e desassoreamento.
Abel Guerra afirmou que há mais de duas mil ligações domiciliárias em todas as artérias do município, que os pedidos para ligações têm aumentado. O director disse que 75 bombas manuais de água estão avariadas, mas em fase de recuperação para a distribuição ser feita sem interrupções
A extensão da rede de distribuição faz parte de um programa de abastecimento de água potável às zonas rurais.

Delfina Victorino/Jornal de Angola

Rede Sanitária no Bié Está a Ser Reforçada

Jornal de Angola-Um hospital geral, um sanatório, oito hospitais municipais, dos quais seis missionários, seis centros e oitenta e sete postos de saúde, descrevem a actual rede sanitária em todos os municípios da província do Bié.
De acordo com a direcção provincial da Saúde, cerca de 2 mil 804 e 690 habitantes dependem de uma unidade sanitária. Por isso, o programa de melhoria e aumento da oferta de serviços básicos às populações vai ter a sua continuidade.
Os municípios do Kuito, Andulo, Nharêa, Catabola, Chinguar e Camacupa são as localidades com maior índice populacional em ralação aos do Chitembo, Cuemba e Cunhinga.
O governo local implementou em zonas de alta densidade populacional 44 por cento das unidades sanitárias, nomeadamente nas localidades do Kuito, Nharêa e Andulo.
Actualmente 10 hospitais foram construídos no âmbito do programa de melhoria e aumento da oferta de serviços básicos às populações, incluindo seis hospitais missionários e centros médicos, bem como 88 postos de saúde.
Cerca de dez médicos angolanos, 62 estrangeiros de diversas nacionalidades, um técnico superior e mil 125 técnicos médios, bem como mil e 376 técnicos básicos, fazem parte do perfil de trabalhadores da rede sanitária pública por categoria em todas as localidades da província.
O director provincial da Saúde salientou que a malária, a raiva, o sarampo, a febre tifóide, a cólera, a meningite, o tétano neo-natal, entre outras, são as principais enfermidades registadas.
José Augusto salientou que a malária continua a ser a primeira causa de doença de morte e está relacionada com as características entomológicas do vector que causa a infecção desta doença.
A chegada dos especialistas cubanos contribuiu para a melhoria de prestação de cuidados médicos às populações.
Assegurou que o abastecimento de medicamentos essenciais às unidades sanitárias melhorou consideravelmente. Por isso, terminou a problemática de roturas de stock de medicamentos e materiais gastáveis.