João Lourenço Defendeu Incremento da Cooperação Científica com Cuba

O Presidente da República, João Lourenço, defendeu nesta segunda-feira, em Havana, o aprofundamento da cooperação entre as instituições académicas e científicas de Angola e Cuba, a fim de permitir uma melhor inserção competitiva dos dois países na economia internacional.

Numa aula magna realizada na centenária Universidade de Havana (fundada a 5 de Janeiro de 1728), João Lourenço afirmou que o aprofundamento da cooperação entre as instituições académicas e científicas joga um papel decisivo na promoção do diálogo com o sector produtivo e pode assegurar uma maior oferta de empregos.

Afirmou que o futuro das relações com Cuba passa pelo incremento da mobilidade de académicos e investigadores, realizando projectos conjuntos, orientados para resolução dos problemas das populações e das empresas, tendo em vista à promoção do emprego.


Apesar do Pagamento de Parte da Dívida a Cuba, a Saída em Massa de Angola dos Técnicos Cubanos Está Eminente

medicos-cubanosA falta de pagamento da dívida angolana para com Cuba, avaliada em 300 milhões de dólares, tem estado na origem de notícias sobre uma eventual saída em massa de técnicos cubanos a partir do mês de Agosto.

Segundo informações divulgadas pela imprensa privada de Angola, o Governo angolano saldou parte da dívida, que no entanto não terá sido o suficiente para Luanda convencer o Executivo de Raul Castro a não retirar os técnicos, particularmente os das áreas da saúde e educação.


Governo Angolano Regulariza Situação de Professores e Médicos Cubanos, Que Ameaçavam Regressar a Casa

professores_cubanos

Foto Mário Mujetes

O Governo angolano já começou a pagar a dívida que tem com Cuba, resultante da prestação de serviços na educação e na saúde, através da empresa Antex. Responsáveis cubanos garantem que, apesar da dívida, os técnicos caribenhos vão continuar, por isso, a trabalhar. A dívida provocou pressões de Havana.

A dívida de Angola a Cuba obrigou a que o vice-ministro do Conselho de Ministros, Ricardo Cabriza Ruiz, tivesse vindo a Luanda pressionar as autoridades angolanas a desbloquear as verbas por saldar. Os salários e as casas de grande parte dos profissionais cubanos que se encontram em Angola estavam a ser suportados por Havana que assim garantia a permanência de quadros cubanos, em especial, médicos, professores e engenheiros
Luanda prometeu liquidar a dívida ao vice-ministro cubano. Uma fonte governamental garantiu ao NG que esse pagamento começou a ser processado a semana passada, através do Ministério das Finanças, descartando, desta forma, qualquer hipótese de um intempestivo regresso a casa dos profissionais cubanos.


Vão Sair a Partir de Agosto os Médicos Cubanos a Trabalhar em Angola, que Causará Grandes Problemas no Serviço de Saúde

medicos_cubanosUma notícia veiculada nas redes sociais, mas fazendo referência a dados muito concretos, dá conta do regresso paulatino de médicos, académicos e outros quadros cubanos ao seu país, por falta de pagamento do Governo angolano. A questão já está a causar preocupação, particularmente no sector da Saúde, onde mais se sente a necessidade desta força de trabalho qualificada.Em causa, está o facto de, supostamente, o Governo Angolano não estar a honrar, há cerca de três anos, os pagamentos à Antex, empresa estatal de Cuba que contrata médicos, professores, além de especialistas em construção civil para prestação de serviço em Angola.Os profissionais, sobretudo médicos, actuam em grande parte das unidades sanitárias existentes, ou seja, em 18 províncias e 64 municípios, e a sua redução repentina é, como se vê, susceptível de provocar um caos nos Serviços Nacionais de Saúde.


Em Angola Vão Cooperar Nas Áreas da Saúde, Educação, Construção e da Cultura Quatro Mil Quadros Cubanos

bandeira_de_angola_e_cuba1Mais de quatro mil quadros cubanos vão trabalhar, este ano, no país, em diversos sectores, anunciou sábado, no Lubango, província da Huíla, a consultora da embaixada de Cuba em Angola, Marcot Castro Maior.

Em entrevista à Angop, no âmbito do 60º aniversário do Assalto ao Quartel Moncada e Carlos Manuel de Sespéde, assinalado na sexta-feira (26 de Julho), a responsável informou que virão quadros que vão cooperar nas áreas da saúde, educação, construção e da cultura.

Disse que a vinda dos quadros cubanos a Angola enquadra-se nas relações bilaterais que caracterizou de satisfatória e positiva, atendendo os laços de amizade que une os dois povos.

Marcot Castro Maior referiu que na província da Huíla 55 técnicos cubanos leccionam na Faculdade de Medicina da Universidade Mandume ya Ndemufayo, assim como trabalham em diversas unidades sanitárias na região e no sector da cultura e construção civil.

Apesar de não revelar o número de cubanos que se encontram em Angola, a consultora afirmou que a cifra de técnicos pode aumentar atendendo as exigências que o país está a registar, principalmente, nos domínios da saúde, educação e construção.

“ Cuba e Angola têm mantido uma colaboração recíproca com vários benefícios, por isso vamos ter brevemente mais de quatro mil técnicos a funcionar no país, para ajudar no crescimento do mesmo”, realçou a responsável cubana.

Sublinhou que a cooperação entre os dois países está sempre aberta, desde a independência de Cuba e de Angola, por isso a que se fortalecer cada vez mais.

Para saudar o dia do 60º aniversário do Assalto ao Quartel Moncada, o Governo provincial da Huíla ofereceu um jantar de confraternização que juntou cidadãos cubanos que trabalham na província e membros do Executivo local.

Angop