Governo Sul Africano Pretende Investir em Angola no Sector Mineiro

O Governo sul-africano pode investir no sector mineiro em Angola, segundo admitiu o ministro do sector daquele país, Mosebenze Zwane. A intenção foi manifestada ontem, na Cidade do Cabo, e revelada pelo ministro angolano Francisco Queiroz no final de um encontro com o seu homólogo sul-africano durante a Conferência Internacional de Minas que decorre naquele país. Os dois governantes versaram a sua conversa nas possibilidades de os dois países cooperarem no sector da exploração mineira.


Estão no Seu Melhor Momento as Relações Económicas Angola/África do Sul

angola-e-frica-do-sulAs relações económicas entre Angola e África do Sul estão no seu melhor momento. África do Sul continua ser a maior economia do continente e a economia de Angola está em franco crescimento. Os empresários dos dois países juntam cada vez mais sinergias para desenvolver parcerias com vantagens mútuas.

Nos últimos quatro anos, o investimento sul-africano cresceu bastante em Angola. Grandes empresas sul-africanas entraram para o mercado angolano trazendo um valor acrescentado a economia nacional e empresas angolanas também já procuram investir na África do Sul.

As empresas sul-africanas garantem emprego a milhares de angolanos e estão a participar activamente na reconstrução de Angola e nos esforços de diversificação da economia do país. “Teddy de Almeida, presidente da Câmara de Comercio e Indústria África do Sul/Angola, garante que o contributo das empresas no desenvolvimento de Angola, vai aumentar e pretendemos também transferir competências para os cidadãos Angolanos e reinvestir parte dos lucros no país para fortalecer o desenvolvimento sustentável”. “Estamos também empenhados em aumentar os fluxos de investimento entre as duas economias”, recordou.

Actualmente os negócios entre os dois países estão avaliados em 4.4 mil milhões de dólares norte-americanos. Angola vende para África do Sul petróleo e outros minerais, enquanto que a África do Sul vende para Angola bens e serviços nas áreas de construção, produtos alimentares, bebidas, automóveis, alta maquinaria e derivados de petróleo.

Empresas sul-africanas em Angola

Fibrex – Dedicada ao fabrico de tubos, a empresa Fibrex oferece várias soluções na área para prédios modernos erguidos na cidade de Luanda e redes de esgotos.

Frankipile – AngolaAs fundações de vários arranha-céus de Luanda, foram feitas pela empresa Sul-Africana Frankipile Angola.

Standard Bank – O Standard Bank, a maior instituição financeira em África, com mais de 150 anos de experiência, está presente em Angola através da sua subsidiária, Standard Bank de Angola; um banco conhecido pela sua qualidade de serviço e conhecimento; tendo ganho 8 prémios internacionais durante a sua breve existência de três anos em Angola.

Nossa Seguro – A empresa de seguros Sul-Africano Hollard com sua parceira Nosso Seguro, oferecem produtos de seguro de saúde para vários Ministérios do governo angolano.

Lancet – Ainda no ramo da saúde, os laboratórios da Lancet e Ampath, tem desempenhado um papel fundamental na analise clínica de exames de certas patologias, recomendadas por médicos angolanos.

Angolata – A Angolata, sucursal do grupo Nampak lidera o mercado de produção de latas para fabricas de bebidas e refrigerantes.

Barloworld – A empresa Sul- Africana Barloworld Equipamentos, agente da Caterpilar em Angola, é a principal fornecedora de equipamentos pesados preferidos pela indústria mineira e construção de estradas.

Shoprite – A Shoprite maior retalhista de África, continua a sua expansão em Angola e hoje já cobre parte do território angolano.

Pep – As lojas da Pep também estão cada vez mais próximas dos angolanos, oferecendo uma gama diversificada de vestuário, calçados e utensílios domésticos.

DSTV – No ramo das telecomunicações, a DSTV Multichoice, continuam a liderar a oferta de televisão por assinaturas.

Seacom – A empresa Seacom produziu o cabo submarino WACS que apoia as ligações telefónicas internacionais e internet em Angola.

Revista África Today/Fonte:Angonoticias


Cooperação Entre Angola e África do Sul no Ramo da Investigação Científica nos Sectores da Agricultura e Saúde Pública

29Instituições públicas e privadas do ensino superior e técnicos do sistema nacional de ciência e tecnologia e inovação de Angola e da África do Sul concluem hoje, em Luanda, uma avaliação à cooperação no domínio da investigação científica e qualificação de recursos humanos e tecnológicos.

Instituições públicas e privadas do ensino superior e técnicos do sistema nacional de ciência e tecnologia e inovação de Angola e da África do Sul concluem nesta terça-feira (19), em Luanda, uma avaliação à cooperação no domínio da investigação científica e qualificação de recursos humanos e tecnológicos, durante a reunião técnica conjunta, noticia o Jornal de Angola.

O encontro de Luanda está a analisar propostas de cooperação em matéria de investigação científica nos sectores da agricultura e saúde pública. A reunião visa incrementar a colaboração e fortalecer capacidade nacional em matéria de investigação científica e desenvolvimento tecnológico dos dois países, com base num programa conjunto sobre ciência e tecnologia.

Angola e África do Sul assinaram, em 2008, um acordo multilateral na área da Ciência e Tecnologia, e desde 2009 grupos técnicos dos dois países têm trabalhado com base neste instrumento jurídico de cooperação. Em 2011 as partes começaram a aplicar o acordo com a realização de seminários entre as comunidades científicas dos dois países.

O encontro de Luanda serve de “rampa de lançamento” para a identificação de novas áreas de cooperação. Para além de fazer o balanço das actividades desenvolvidas nos últimos tempos, o encontro vai definir, disse Alexandre Sousa e Costa, novas áreas de actuação, como a mobilidade dos investigadores, docentes e estudantes, o estabelecimento de parcerias e incentivar as instituições que fazem pesquisas e aperfeiçoamentos tecnológicos. “Advogamos, nesta fase, o incremento da cooperação, incentivando que outras áreas do saber possam integrar-se neste plano de actividades”, disse, reconhecendo que a África do Sul oferece grandes possibilidades no domínio da formação científica.

África 21