Fundo da Nações Unidas Apoia Angola Com 500 Mil Dólares Para Produção de Mel

Ministério da Família e Promoção da Mulher (MINFAMU), Fundo da Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), em parceria com o PNUD, firmaram, ontem, em Luanda, um acordo de cooperação para a implementação de um projecto-piloto de apoio à promoção da apicultura em benefício da mulher rural na região Sul do país (Cunene, numa primeira fase), no valor de USD 500 mil.


O Que se Consome em Angola Apelas 2% é Produzido no País

O Executivo angolano criou um Grupo Técnico Intersectorial para conceber o que designa de Reserva Estratégica Alimentar do Estado, uma iniciativa que terá como objectivo armazenar produtos alimentares necessários em momentos de crise alimentar.


Num Seminário Sobre Saúde e Alimentação em Luanda Vai Ser Apresentada a Farinha de Múcua Integral

Um seminário sobre saúde e alimentação, numa perspectiva oncológica, vai ser realizado na manhã de domingo, numa unidade hoteleira de Luanda, pelo Standard Bank de Angola, em parceria com a Liga Angolana Contra o Cancro (LACC).


O Pólo Agro-Industrial de Capanda em Malanje Pode Atingir Cerca de 2 Milhões de Toneladas de Alimentos Diversos Por Ano

MalanjemalangeO Pólo Agro-industrial de Capanda, em Malanje, tem capacidade para atingir anualmente 1,982 milhões de toneladas de alimentos diversos, com realce para grãos, carne bovina, hortícolas, frutícolas, açúcar, etanol e energia eléctrica, garantiu o presidente do Conselho de Administração, Carlos Fernandes.

Carlos Fernandes, que falava na sede municipal de Cacuso, na abertura do seminário sobre  “A importância do Plano de Negócio para o Sucesso do Investimento”, realçou que para o alcance daquela produção torna-se imperioso o restrito cumprimento de regras e procedimentos relativos à exploração da terra. O potencial produtivo do Pólo Agro-industrial de Capanda, disse, é bastante elevado, com uma capacidade de 293 mil hectares de terras aráveis disponíveis, que permitem o desenvolvimento agro-pastoril e agro-industrial.


Angola a Partir de 2015 Passa a Comercializar Carne e Deixa de Importar

carne_angolaO governador de Malanje, Norberto dos santos acredita que o País está em condições de até 2015 deixar de importar carne e passar a comercializar, essas palavras foram proferidas aquando da realização da 4ª edição da feira agro-pecuária do Namibe, informou o Jornal de Angola.

Há um envolvimento enorme do Ministério da Agricultura, que está a delinear algumas acções, para que na devida altura se possa consumir em condições aquilo que é nosso, realçou.

Norberto dos Santos, disse que a actual produção nacional de carne é suficiente para abastecer o país, tendo em conta o número de criadores de gado e de animais existentes em toda a extensão do território angolano.

O governador, que participou num leilão de gado que se realizou na quarta edição da feira agro-pecuária do Namibe, adiantou que o mais importante é que a classe de empresários ligados ao ramo da pecuária esteja unida, para juntos traçarmos políticas destinadas a diminuir os níveis de importação de carne.

Temos de nos organizar, saber dos empresários e da população criadora de gado o número de cabeças existentes, a vacinação, pois, este é mais um momento para conseguirmos esse grande objectivo e para trocarmos ideias, disse.

O governador mostrou-se ainda satisfeito com a transparência do leilão e com os parâmetros traçados pela comissão organizadora, que teve algumas inovações, mas que, segundo explicou, é uma forma de os governos provinciais traçarem políticas que visam o crescimento da economia nacional.

O governador do Huambo, Kundi Paihama, que também participou no evento, pediu aos naturais do Namibe para abraçarem a iniciativa do governo provincial, para que a próxima edição da feira seja realizada com a participação de mais criadores.

Kundi Paihama augura que, essa feira seja permanente, pois, afirmou, Angola tem todas as premissas e recursos para ultrapassar a importação e consumir o produto local, acrescentando que apenas falta organização aos criadores organização, para que estejam melhor estruturados e melhor servidos.

A feira contou com a presença de representantes das províncias da Huíla, Cunene, Bié, Lunda Norte, Malanje, Benguela e Huambo.

No leilão de gado, foram vendidas mais de 50 cabeças de bovinos, além de outras quantidades menores de cavalos, porcos, cabritos, ovelhas e aves diversas.

Jornal Expansão