Degrada-se a Situação dos Doentes Angolanos Devido a Atraso nas Transferências de Dinheiro de Angola para Portugal

O Presidente João Lourenço prometeu melhorar as condições dos doentes angolanos com junta médica em Portugal. Mas de novembro até hoje nada melhorou, pelo contrário, a situação degradou-se.

Dez meses depois da visita oficial do Presidente angolano João Lourenço, as condições de habitabilidade e a qualidade da alimentação nas pensões que acolhem os pacientes não melhoraram.

Há mais doentes a chegarem a Lisboa, mas também há casos de pessoas desalojadas por falta de pagamento, em consequência dos atrasos nas transferências de dinheiro de Angola para Portugal. O setor da saúde da Embaixada de Angola reuniu-se esta semana com a associação que representa os doentes para mais uma tentativa em busca de soluções.

Condições precárias

Um dos doentes é José Maria Paixão Fonseca, 62 anos, tenente coronel das Forças Armadas, que vive numa das quatro pensões em Lisboa que albergam angolanos que têm


A Cidade Que Cresce Mais Rapidamente no Continente Africano é Luanda

Não são necessariamente as cidades mais populosas de África, mas são as que crescem de forma mais rápida, segundo as Nações Unidas. Luanda lidera a lista das cidades com maior crescimento populacional no continente.

Nenhuma cidade africana está a crescer tão rapidamente como Luanda, a capital de Angola. Segundo dados da ONU, vivem aqui mais de 7,7 milhões de pessoas. A idade média dos luandenses é de 20,6 anos. A capital é uma das cidades mais caras do mundo. Mas apenas as elites de Angola beneficiam das grandes reservas de petróleo do país. A população fala em desigualdade social no país.

DW

 


Violência Armada na Província Moçambicana de Cabo Delgado Está a Intensificar-se

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) considerou esta quinta-feira (12.09.) em Maputo que a violência armada na província de Cabo Delgado, norte de Moçambique, está a “intensificar-se” e pode ameaçar a segurança regional.

“Os chamados grupos terroristas têm aumentado a intensidade dos ataques na província de Cabo Delgado”, lê-se num comunicado distribuído esta quinta-feira, em Maputo.

Aquela agência da onusiana emitiu a nota, na sequência de “consultas de alto nível” que promoveu com quadros do Estado moçambicano, para a elaboração e aprovação do “Plano de ação estratégico abrangente em resposta ao crime organizado, transnacional, drogas e terrorismo”.

Debilidade das fronteiras

Na reunião com as autoridades moçambicanas, o diretor de Prevenção de Terrorismo na UNODC, Massood Karimipor, afirmou que “criminosos e terroristas exploram igualmente a debilidade das fronteiras e da fiscalização em geral, particularmente na província de Cabo Delgado, no norte, para arrecadar fundos, planear e mobilizar atividades criminosas e violentas”.


175 Mil Pessoas Afectadas Pela Seca Severa a Huíla Precisa de Três Mil Toneladas de Bens Diversos

O Governo da província da Huíla precisa de três mil toneladas de bens diversos para assistir 175 mil pessoas afectadas pela seca severa ,que assola a região, revelou hoje no Lubango, a directora do Gabinete Provincial da Agricultura, Pecuária e Pescas

Mariana Soma revelou estes dados à margem da cerimónia de entrega de alimentos por parte do Conselho Nacional de Protecção Civil ao Governo da Huíla, para às vítimas da seca. Segundo a responsável o número de vítimas da seca está a aumentar significativamente.

De acordo com Mariana Soma, os municípios dos Gambos, Chibia, Matala, Humpata Jamba, Quilengues, Lubango e Cacula estão em situação crítica. “Por falta de água as populações estão em estado de vulnerabilidade extrema, não conseguiram produzir alimentos suficientes e os animais estão sem pastos”, alertou, para acrescentar: “Cada vez mais temos populações, em diferentes localidades, em situação muito crítica.

Na Humpata, por exemplo, tínhamos apenas a batata mas agora há falta de alimentos e água para os humanos e pasto para os animais”.


Aprovada Pelo Presidente Angolano a Compra da Nova Frota da TAAG Para os Voos Internos

A TAAG vai finalmente resolver o problema da inadequada frota para voos internos com a chegada dos seis DASH-8, da canadiana Havilland Aircraft, antiga Bombardier, com 74 lugares e custos na ordem dos 34 a 38 milhões de dólares norte-americanos por unidade, e que devem chegar ao país a partir de Janeiro de 2020, uma unidade por mês, até Junho.

A decisão já tinha sido anunciada no passado mês de Junho, à margem da 53ª conferência do salão internacional de aviação “Paris Air Show”, mas é agora confirmada por um decreto presidencial que autoriza a modernização da frota da companhia de bandeira nacional, em que o Chefe de Estado revoga um diploma de Abril que punha fim ao negócio depois de a aquisição das aeronaves ter sido impedida pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), no âmbito do acordo de empréstimo firmado com o Executivo.

O diploma, que justifica a aquisição com os resultados de um estudo que defende um plano de reestruturação e modernização da frota da TAAG com a aquisição de aeronaves Havilland DASH-8, responde ainda às pretensões do presidente da Comissão Executiva da transportadora aérea,