A Partir de Dezembro a Cabo Verde Airlines Passa a Voar Duas Vezes por Semana Para Luanda

A companhia aérea Cabo Verde Airlines vai passar a voar duas vezes por semana para Luanda, a partir do mês de Dezembro, podendo partir da capital angolana para outros destinos, disse o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças de Cabo Verde, Olavo Correia.

Ao falar, quinta-feira, na capital angolana sobre “Transferência  de competências para os municípios e gestão da transição”, o governante cabo-verdiano, que não precisou o tipo de aparelho a operar, sublinhou que a intenção é viabilizar o fluxo migratório nos dois sentidos.

Acrescentou que a medida visa igualmente facilitar o intercâmbio cultural entre cabo-verdianos e angolanos, assim como reforçar as relações entre os dois povos, como reflexo da vontade dos dois governos, que em Abril deste ano assinaram um acordo no domínio da aviação.

“(….) Esta nova ligação entre Cabo Verde e Angola procura reforçar a presença da companhia no mercado africano, como parte da estratégia em fazer da Ilha do Sal um Hub (plataforma giratória)”, referiu o governante, anunciando o voo inaugural para o dia 9 de Dezembro.

Segundo Olavo Correia, a ligação entre a capital angolana e a Ilha do Sal, em Cabo Verde, será feita duas vezes por semana, partindo o primeiro voo da capital cabo-verdiana às 22H35, com previsão de chegada a Luanda às 6H00 locais do dia seguinte (10).


O Segundo Produto Mais Exportado em Angola Continua a Ser o Diamante

Os diamantes continuam a ser o segundo produto mais exportado do País e, no l semestre deste ano, as receitas fiscais geradas com o imposto industrial registaram um aumento de 191,2% face ao mesmo período de 2018. Melhor sistema de controlo na Sodiam potenciou receitas do Estado. As receitas do Estado com o Imposto Industrial no subsector dos diamantes quase que triplicou no primeiro semestre deste ano face aos primeiros seis meses do ano passado, apesar de as exportações terem descido quase 10% para 618 milhões USD. Segundo vários analistas, estes números mostram que o sistema de controlo da Sodiam melhorou com o fim do processo dos clientes preferenciais, e hoje é mais favorável às necessidades de captação de receitas do Estado.

Face ao período homólogo, nos primeiros seis meses de 2019, as receitas com o Imposto Industrial subiram 191,2%, passando de 3,3 mil milhões Kz para 9,8 mil milhões. Aliás, as receitas atingidas entre Janeiro e Junho de 2019 já ultrapassaram (em 47,3%) o total da receita do ano passado com este imposto, já que os valores foram de 6,7 mil milhões Kz.

Os 9,8 mil milhões Kz arrecadados em Imposto Industrial no primeiro semestre resultam da venda de 4,1 milhões de quilates de diamantes, valor que representa uma descida de 27,7% na comercialização dos quilates. E apesar de o preço médio por quilate rondar os 150 USD em 2019, face aos 120 USD dos primeiros seis meses de 2018, essa subida dos preços não chegou para compensar a descida da comercialização já que as exportações renderam menos 9% no I semestre de 2019, passando de 681 milhões USD para os actuais 618 milhões.


Guerra Comercial EUA/China Atinge Angola-Petróleo Com Perdas Recorde nos Últimos Sete Dias

De 31 de Julho às 10:40 de hoje, 07 de Agosto, o barril de petróleo comercializado em Londres, onde o Brent local serve de referência às exportações angolanas, perdeu quase sete USD, caindo de 65,05 para os actuais 58,8 dólares, um resultado directo da agudização da guerra comercial que os Estados Unidos e a China travam há mais de dois anos, desde que Donald Trump assumiu o cargo de Presidente dos EUA.

A guerra comercial, que começou com um aumento substancial das tarifas sobre os produtos importados pelos Estados Unidos da China, que teve como resposta o aumento dos impostos sobre produtos Made In USA que chegam à economia do gigante asiático, foi uma opção assumida por Donald Trump, que já em campanha eleitoral, acusava Pequim de roubar os norte-americanos há décadas, com políticas agressivas de apoio estatal às exportação e dificuldades estratégicas impostas às importações.

E esse batalhar constante acaba de sofrer mais um agravamento com a China a responder com uma desvalorização da sua moeda, o Yuan, para ganhar competitividade face ao aumento das taxas impostas por Washington, logo depois de Donald Trump, descontente com o impasse nas negociações, ter ameaçado com um aumento de 10% sobre 300 mil milhões USD de bens importados da China já a 01 de Setembro.

Os analistas norte-americanos, citados pelos media locais, admitem já que a China tem como estratégia não abrir as portas a um acordo com os EUA até às eleições de 2020, onde Trump joga o seu segunda mandato, estando claramente a apostar no confronto com a China, mas também com a União Europeia ou a Índia, entre outras frentes de batalha, como, por exemplo, a saída abrupta do acordo nuclear com o Irão, que levou a uma subida da tensão no Golfo Pérsico, região que gera 30% do petróleo consumido diariamente em todo o mundo.


Namibe Tem Um Enorme e Rico Património Cultural Herdado dos Povos que Habitaram a Região

A província do Namibe possui um “enorme” mosaico arquitectónico antropológico e cultural que deve ser valorizado e conservado, afirmou, nesta sexta-feira, em Moçâmedes, o governador Carlos da Rocha Cruz.

A província do Namibe é detentora de um rico património cultural herdado dos povos que habitaram a região ao longo dos tempos, representado por pinturas e gravuras rupestres, muitas das quais agrupadas em estações arqueológicas, furnas e sítios históricos.

O Gabinete Provincial da Cultura controla oito monumentos históricos classificados, nomeadamente, a Fortaleza de Kapangombe, Fortaleza de S. Fernando, o Palácio do Governo, a Igreja de Santo Adrião, as Pinturas de Tchitunduhulu e as instalações das Alfandegas, entre outros.

Falando na abertura do primeiro forum sob o lema “valorização e conservação do património histórico do Namibe”, promovido pela Administração de Moçâmedes, o governador disse que este património e as suas construções típicas assentam numa ornamentação romancista própria da época do renascimento e do iluminismo.


Representantes da Sonangol e Galp Reafirmam Preservar a Aliança Que os Une

Representantes da Sonangol e da sua congénere portuguesa Galp mantiveram encontros em Lisboa, que uma fonte da companhia angolana declarou ontem ao Jornal de Angola terem servido para reafirmar a decisão mútua de preservar a aliança que as une na estrutura accionista da petrolífera lusa.

As informações obtidas por este jornal dão conta da declaração proferida aos parceiros portugueses, de que a Sonangol vai manter a participação na Amorim Energia por intermédio do consórcio Esperaza.
De acordo com a fonte, os representantes da companhia que mantêm reuniões em Lisboa também reafirmaram a decisão do Conselho de Administração de manter “em níveis relevantes” a participação no banco português BCP.
O grupo estatal angolano detém uma posição de 60 por cento da Esperaza, um accionista do Grupo Amorim Energia, detentor de 33,34 por cento do capital da Galp.
Dessa, a Sonangol detém uma participação indirecta de 15,98 por cento na Galp Energia, além de controlar, por outro lado, uma posição de 14,87 por cento do capital social do Banco Comercial Português, conhecido pela marca Millennium BCP.