A História da Cidade De Luanda

porto_luanda_sec_xviiiFoi em 1575 que Paulo Dias de Novais, capitão-mor das conquistas do Reino de Portugal, desembarcou na ilha do Cabo onde, para além de alguns compatriotas seus, encontrou uma população nativa bastante numerosa, tendo aí consigo cerca de 700 pessoas, 350 dos quais homens de armas, padres, mercadores e servidores.

Um ano depois, reconhecendo não ser “o lugar acomodado ideal para a capital da conquista”, avança para terra firme e funda a vila de São Paulo de Luanda, tendo logo de seguida lançado a pedra para a edificação da igreja dedicada a São Sebastião, a 25 de Janeiro de 1576, no lugar onde hoje é o Museu Central das Forças Armadas (morro de São Miguel).

A origem do nome Luanda provem de Axiluandas singular Muxiluandas que significa “homem da ilha/mar” nativos da ilha do Cabo.luandacolonial

Só cerca de 30 anos mais tarde com o aumento da população europeia que se juntou à população nativa e o consequente aumento de edificações, para fins diversos, a vila toma foros de cidade, estendendo-se a urbe do morro de S. Miguel ao largo defronte do hospital Maria Pia, hoje Josina Machel.

A 24 de Agosto de 1641, o povo e o governo, alarmados com o aparecimento na baia da Grande Armada, sob o comando do almirante holandês Pedro Houtbeen, abandonam precipitadamente a cidade, sendo este acto uma sequência das perturbações causadas pelos holandeses, que têm inicio cerca de 1624.

Em 1648, Portugal restaura a conquista da colónia, por intermédio de uma investida conduzida por Salvador Correia de Sá e Benevides, iniciando um novo período onde são notáveis os esforços para a restauração do que havia sido destruído pela invasão holandesa, tendo sido recuperadas algumas das edificações da época como as fortalezas de S. Miguel, do penedo de Santa Cruz, várias igrejas (algumas já desaparecidas), conventos dos Jesuítas dos Terceiros Franciscanos, Hospital da Misericórdia e casario diverso, principalmente na baixa de Luanda.

Entre as construções mais notáveis da época estão ainda conservadas a ermida da Nazaré, a igreja do Carmo e a cerca, restos do convento das Carmelitas, todas do séc. XV. São do séc. XVIII o acabamento da fortaleza de S. Pedro da Barra, do forte do Penedo, o Palácio do Governo, a Alfândega, entre outras.

Pouco era o casario da cidade ainda nos meados do séc. XIX; das construções mais importantes desse período destacam-se o mercado da Quitanga (1818), o primeiro cemitério (1806) e já no fim do séc. o hospital de D. Maria Pia, notável ainda hoje pelo seu plano e grandeza e que as obras de vulto de anos recentes lhe dão tão grande importância.

É a mistura de todas estas construções, antigas e modernas, que dá à cidade um aspecto característico próprio.

Desde então Luanda tem conhecido um crescimento significativo, sendo de notar uma grande explosão demográfica a partir da década de 60 do séc. XX. Em pouco mais de 10 anos Luanda expandiu-se tendo atingido cerca de 880 mil habitantes assumindo-se autenticamente como capital do novo país que já desenhava um horizonte próximo.

A esse grande crescimento da área urbanizada seguiu-se um período de estagnação logo após a independência, ao contrário da área suburbana da capital que cresceu para mais do triplo da dimensão de 1974 (último ano da permanência da autoridade colonial portuguesa no território). A partir da década de 60 do séc. XX a cidade conheceu uma explosão demográfica e em pouco mais de 10 anos atingiu cerca de 880 mil habitantes e actualmente conta c

De entre os muitos atractivos que Luanda tem para oferecer, poderá encontrar:

Igrejas

 

Devotos de um cristianismo com tempero africano, os luandenses, também conhecidos como caluandas, expressam sua religiosidade nos diversos templos da cidade.

 

A Igreja de Jesus, barroca, fundada em 1636 e restaurada recentemente, é a mais antiga do núcleo central da cidade. Tipicamente tropical, a Igreja de Nossa Senhora dos Remédios, de 1679 e actual Sé de Luanda, encanta pelas frondosas palmeiras de seu adro e pelas torres gémeas que enobrecem a fachada.

 

Também do século XVII, a Igreja de Nossa Senhora do Carmo chama a atenção pelo tecto pintado à mão, pelo coro e pelos azulejos setecentistas. Anexo à igreja, o antigo Convento do Carmo é sinónimo de paz e tranquilidade

 

Porém, a igreja mais simpática de Luanda é a da Nazaré, junto à Marginal, com dois tambarineiros seculares em seu adro e magníficos azulejos historiados no interior.

 

Na ilha do Cabo, à entrada da baía e com acesso ao final da Marginal, está localizada a igreja mais antiga de Angola, fundada em 1575 pelos quarenta portugueses que viviam na ilha antes da mudança da cidade de Luanda para o continente, a igreja de Nossa Senhora do Cabo.

 

Edificios Civis e Militares

 

A maior parte das construções coloniais encontra-se em mau estado de conservação, incluindo o famoso Palácio de Ferro, que se supõe ter sido projectado por Gustave Eiffel. Destacam-se, pelo bom estado de conservação, os edifícios da Alfândega e do Hospital de Josina Machel. Mais modernos, destacam-se alguns edifícios do governo e a sede do Banco Nacional de Angola, com sua belíssima fachada restaurada.

 

No exacto ponto onde a Marginal encontra a ilha do Cabo, está a Fortaleza de São Miguel, primeira fortificação erigida para defender Luanda, em 1576. A fortaleza abriga actualmente o Museu Central das Forças Armadas.

 

Museus
Situado no Largo do Kinaxixe, o Museu Nacional de História Natural abrange o universo da fauna e da flora angolana, através de seu interessante acervo. Já o Museu Nacional de Antropologia aborda o lado humano do ambiente angolano, com mostras de instrumentos de trabalho e arte das distintas etnias do país.

 

Ocupando o espaço da Fortaleza de São Miguel, o Museu Central das Forças Armadas expõe o testemunho das diversas guerras de Angola, além de algumas estátuas do período colonial em seu exterior.

 Paisagens
Um dos mais belos cartões-postais de Luanda, a Av. 4 de Fevereiro, conhecida simplesmente como Marginal, exibe o contraste entre a beleza natural da baía e os edifícios modernos ao seu redor.

A ilha do Cabo, à entrada da baía de Luanda, possui belíssimas praias de areias brancas e águas claras, ornadas por coqueiros. Na ilha existe uma excelente estrutura de entretenimento, com muitos bares e restaurantes.

 Noite
Luanda ferve com a chegada da noite. Alegre e descontraído, o povo angolano se diverte intensamente no ritmo quente da noite luandense. Para quem gosta de curtir a noite, são muitas as opções, que só terminam ao raiar de um novo dia.

 e prefere uma boa noite de sono, nada melhor para coroar um dia repleto de descobertas do que a descobrir o maravilhoso mundo gastronómico angolano, escolhendo um dos diversos restaurantes de Luanda para restaurar as energias.

com aproximadamente 4 milhões de habitantes.