A Actual Cidade do Waku-Kungo é Uma Sombra de Si Mesma, Desemprego Falta de Água e Falta de Energia Eléctrica

São vários os problemas que afligem os munícipes da cidade do Waku-Kungo, município da Cela, província do Cuanza-Sul. Em conversa com OPAÍS, alguns munícipes descreveram as dificuldades, que passam pelo desemprego, a falta de água e de energia eléctrica,

e por não verem soluções para travar a degradação paulatina da vila, que já foi um dos cartões postais do país.
“Abençoada” pela natureza com terras aráveis, rios e um clima propício para o cultivo de diversas espécies de hortícolas, bem como para a criação de gado,

factores que, desde 1901, têm atraído homens de diversas latitudes, de Angola e não só, a investirem nesta parcela do território nacional, a qual havia sido atribuída o nome de Vila da Santa Comba,

a actual cidade do Waku-Kungo é uma sombra de si mesma. Num período mais recente, na esperança de relançar a agricultura e a indústria transformadora que esteve há anos paralisada, o Estado apostou nesta vila, localizada no município da Cela, província do Cuanza-Sul, com a implementação de projectos como o Aldeia Nova, entre outros.


Governo Angolano Põe Fim ao Monopólio da Venda de Diamantes

O Governo angolano aprovou esta quarta-feira o Regulamento Técnico de Comercialização de Diamantes Brutos que, na prática, põe fim ao monopólio da venda do mineral, e criou formalmente a Agência Nacional de Petróleos e Gás (ANPG), a nova concessionária nacional.

As decisões foram tomadas na tradicional reunião do Conselho de Ministros, liderada pelo Presidente angolano, João Lourenço, cujo comunicado final foi enviado à agência Lusa.

O regulamento, lê-se no documento, é um “instrumento legal” que estabelece as modalidades de compra e venda de diamantes, com o intuito de “atingir os objetivos estratégicos do setor mineiro e da política de comercialização definida pelo executivo, visando aumentar a prospeção e exploração, fomentar o investimento externo, instalar fábricas de lapidação e obter maiores receitas para o Estado.

“Foi aprovada há já algum tempo a política para a proteção de diamantes, que tem como fundamento primeiro a eliminação do monopólio da comercialização de diamantes brutos que existia no país”, explicou o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos de Angola, Diamantino de Azevedo.

A 07 de agosto último, Diamantino de Azevedo anunciou uma reestruturação no setor geológico-mineiro no país, que passa pela remodelação das empresas públicas e concessionárias do país, como a Endiama e a Ferrangol.


Angola é o País Mais Corrupto da SADC e o Quinto Pior da União Africana

Pela primeira vez na sua história, a Procuradoria-Geral da República criou um Plano Estratégico de Prevenção e Combate à Corrupção que visa estancar toda a acção de corrupção no País, numa altura em que a ONG Transparência Internacional coloca Angola na posição 5 dos países mais corruptos da União Africana e África Subsariana, sendo o mais corrupto ao nível da SADC.

Os dados constam do Plano Estratégico de Prevenção e Combate à Corrupção da Procuradoria-Geral da República, apresentado esta manhã no Palácio da Justiça, na presença de vários membros do Poder Executivo, Legislativo e Judicial.

Hélder Pitta-Grós, Procurador-Geral da Republica, disse, na abertura, que a PGR, em cooperação com os Ministérios do Interior, da Justiça, das Finanças, IGAE, Tribunal de Contas e outros órgãos, já traduziu em tribunal alguns processos de grande envergadura e repreensão social.

“O sinal do combate à prática ilícita já anunciada, que corrói a sociedade angolana, foi dado. Quem até então se sentia ou se considerava acima da lei, teve de atender à notificação da justiça” salientou Hélder Pitta-Grós.


Devido à Quebra Acentuada nas Vendas a Empresa “Soba Catumbela” Faz Despedimento Colectivo

Setenta trabalhadores da fábrica de bebidas “Soba Catumbela”, Sociedade de Bebidas de Angola, foram despedidos em Novembro último, devido à quebra acentuada nas vendas.

Além deste grupo, outros 25 trabalhadores afectos à Coca-Cola, do mesmo grupo, foram despedidos, apurou a Angop juto de uma fonte ligada às duas empresas.

O processo de despedimentos poderá ter sequência no I trimestre de 2019, sendo que a indemnização dos trabalhadores com mais de 15 anos de serviço ronda os mais dois milhões de kwanzas.

Uma fonte ligada à empresa informou que os memos já receberam as indemnizações.

A Sociedade de Bebidas de Angola é uma unidade fabril privada, que se dedica à produção de cerveja.

Este ano, a fábrica, que tinha 410 trabalhadores, previa produzir 570 mil hectolitros de cerveja.

Numa simulação feita pela empresa, em Novembro, estavam produzidos 531 mil hectolitros, faltando produzir 39 mil, até finais de Dezembro.


O Fim da Época de Lapidação do Erário Público, é o Que Representa o Actual Executivo de Angola

Frederico Cardoso, que procedeu hoje, em Luanda, ao lançamento público do Plano Estratégico de Prevenção e Combate à Corrupção em Angola, disse que chegaram também ao fim os “desvios para fins pessoais de recursos, que deviam atender a necessidades inadiáveis nos domínios da saúde, educação e saneamento básico”.

Segundo o governante angolano, para a tarefa do combate à corrupção em Angola é chamada toda a sociedade, que deve estar empenhada, agindo de modo concertado, com deveres específicos e responsabilidades partilhadas.

“Vamos melhorar a coordenação e a troca de informações entre as entidades que exercem funções de prevenção, de investigação e de julgamento dos casos de corrupção”, disse Frederico Cardoso.

O fortalecimento da capacidade operativa, técnica e financeira dos órgãos públicos envolvidos no combate à corrupção e a melhoria da transparência no acesso à informação da administração pública são outras acções a serem desenvolvidas para combater ao fenómeno.

No actual executivo, segundo o ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente da República, será exigido que sejam geridos “com idoneidade e probabilidade” os recursos humanos na administração pública e fortalecidas as regras da contratação pública.