Um Investimento Angolano de 5400 Milhões de Dólares na Barragem de Laúca, Para Produzir 2070 Megawatts

Foto: OdebrechtA barragem de Laúca, na província de Malanje, por exemplo, é a maior construção do género a ser erguida neste momento em todo o continente africano. “A potência instalada na barragem de Laúca, que é de 2070 megawatts, é suficiente para alimentar uma cidade de 8 milhões de habitantes. A capacidade energética do país vai duplicar”, explicou-nos Hélder Jorge Pedro, engenheiro civil da Odebrecht.

Ao todo, estamos a falar de um investimento de 5400 milhões de dólares. Tudo para erguer um gigante de 156 metros de altura e mais de 1 quilómetro de largura. Espera-se um impacto profundo sobre a economia. “Vai permitir que mais indústrias possam surgir e que o produto final dessas mesmas indústrias se torne mais barato, porque a energia será mais barata, firme, garantida, e vai deixar de usar-se as fontes alternativas”, considera o gestor de projecto Elias Daniel Estêvão.

Se o acesso alargado à electricidade é uma das chaves do desenvolvimento, a biodiversidade do país é também factor primordial e determinou, em grande medida, a concepção deste projecto faraónico.

“Nós já avançámos com a reflorestação das áreas degradadas – é o equivalente a 70 campos de futebol. Também nos preocupámos, durante o enchimento da albufeira, em manter o curso do rio, para manter sempre a biodiversidade ao longo do rio Kwanza. É por esta razão que mantemos aberto o descarregador de fundo para que a vida ao longo do rio possa continuar”, diz Hélder Jorge Pedro.

Há 4 anos que trabalham cerca de 8 mil pessoas nesta empreitada, provenientes das 18 províncias de Angola. Muitos desses trabalhadores consolidaram aqui as suas competências, seja como gestores, carpinteiros ou pedreiros. A ideia é levarem a sua experiência para o próximo projecto, uma outra barragem situada a cerca de 30 quilómetros deste local.

Um aeroporto que é uma cidade
Outro dos exemplos mais representativos do incremento de infraestruturas é o novo aeroporto em Luanda. Na verdade, trata-se de uma autêntica cidade.

Este é um dos projectos de maior envergadura de sempre em Angola. Foram investidos cerca de 3,8 mil milhões de dólares. Os primeiros aviões deverão começar a circular até ao final de 2018. É a margem de tempo necessária para concluir as obras e realizar os inúmeros testes indispensáveis para o arranque de um aeroporto desta dimensão.

Esta infraestrutura terá capacidade para acolher os maiores aviões do mundo, como o A380. O controlo de tráfego aéreo vai dispor das mais recentes tecnologias de satélite. O objectivo anunciado é o de chamar as novas companhias internacionais e desenvolver um hub africano que multiplique por 5 a capacidade actual da plataforma aeroportuária de Luanda.

Segundo Diógenes Silva, responsável da ENANA, “estamos a falar de [passar de] 3 milhões de passageiros/ano [actualmente] para 15 milhões de passageiros/ano. E também de posicionar esta infraestrutura entre as três maiores da África subsariana, ombreando com Lagos e a África do Sul”.

Do lado ambiental, salienta-se a vantagem de que os aviões já não terão de sobrevoar prolongadamente a capital angolana antes de se posicionarem para aterrar. Do lado económico, o projecto prevê gerar anualmente 16 mil milhões de dólares em volume de negócios, para além de criar emprego na região.

“O que se projectou são cerca de 170 mil postos de trabalho aqui à volta do aeroporto. Portanto, isso por si só, diz do impacto económico que esta infraestrutura irá proporcionar no futuro para o desenvolvimento da cidade de Luanda e, naturalmente no geral, de Angola”, salienta Diógenes Silva.

A construção de bairros inteiros e a transformação dos espaços urbanos participam também de um desenvolvimento que pretende mudar a face de Angola.

(Euronews)

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anti-Spam * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.