O Sector Agro-Industrial Angolano Deverá ser a Grande Aposta para o Crescimento da Economia

O sector agro-industrial em Angola deve ser encarado como «a grande aposta para o crescimento da economia, empoderamento das famílias e, inclusive, como oportunidade de inclusão social de militares desmobilizados e veteranos de guerra», considerou Welwitchia dos Santos, presidente do Tea Club Amar Angola, durante o seu discurso de abertura no workshop subordinado ao tema: “Diversificação da Economia – Desenvolvimento do Sector Agro-Industrial”.

 O evento decorreu quarta-feira, dia 12 de Abril, no Museu da Moeda, em Luanda, numa organização do Tea Club Amar Angola em alusão aos 15 anos de Paz.

 A expansão de pequenas indústrias no meio rural, com vista a potenciar e incentivar a produção local no país, constitui justamente uma das apostas do Executivo Angolano, revelou Kiala Gabriel, Secretário de Estado da Indústria, ao falar do PROFIR – Programa de Fomento da Pequena Indústria Rural no encontro. «Queremos valorizar a produção agrícola nas comunidades para evitar o desperdício de produtos nacionais, aproveitando as potencialidades produtivas que os municípios oferecem».

 Com prelecção de altos executivos internacionais, como Josefa Sacko, comissária da União Africana para a Economia Rural e Agricultura, Maria Luisa Abrantes, administradora não executiva do Centro de Negócios EUA- África da Câmara do Comércio Norte-americana, Cremildo Paca, promotor do Projecto de Hidroponia de Angola, o workshop contou ainda com a apresentação de depoimentos e casos de sucesso contados na primeira pessoa, por agricultores e industriais nacionais, entre os quais o apresentador Ernesto Bartolomeu. 

 O incentivo ao desenvolvimento da agricultura, os incentivos fiscais e aduaneiros para o sector agro-industrial, constrangimentos actuais e instrumentos de apoio ao sector agro-industrial, projectos e oportunidades na agricultura e indústria, os caminhos de sucesso para a indústria do turismo e para os agro-negócios, os novos horizontes da cafeicultura em Angola e o Plano de Desenvolvimento Industrial de Angola foram os principais temas em análise.

 O workshop, que teve como parceiros a Associação de Empresários Brasileiros de Angola (AEBRAN), a Câmara do Comércio Angola-China, a Federação de Mulheres Empresárias de Angola (FMEA) e o LIDE Angola – Grupo de Líderes Empresariais, contou ainda com o apoio institucional da Administração Geral Tributária, do Ministério da Agricultura, do Ministério da Economia, do Ministério da Indústria, da Angonabeiro, do Platina Line e da Uanda –

 ANGONOTÍCIAS

 

 

 

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anti-Spam * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.