Investimento Estrangeiro no Comércio Só Acima dos 5 Milhões de Euros Disse 1º Ministro de São Tomé

“Nós somos um país aberto, mas a nível do comércio, nós vamos fechar o comércio aos estrangeiros a não ser que o investimento seja de um certo nível (mais de 5 milhões de euros), essa é a nossa decisão”, disse o primeiro-ministro Patrice Trovoada.

O primeiro-ministro são-tomense, Patrice Trovoada, anunciou que vai “fechar o comércio aos estrangeiros” que não invistam mais de cinco milhões de euros no país, informa a agência portuguesa Lusa.

“Nós somos um país aberto, mas a nível do comércio, nós vamos fechar o comércio aos estrangeiros a não ser que o investimento seja de um certo nível, essa é a nossa decisão”, disse Patrice Trovoada, na segunda-feira, durante o debate parlamentar sobre o estado da Nação.

“O nacional tem que ser aqueles que temos que dar prioridade no comércio. Se o estrangeiro vier investir cinco milhões de euros não em linha de crédito, mas em edifício, tudo bem. Mas abaixo disso nós não daremos mais autorização a estrangeiros para abrir uma tasca aqui na esquina e fazer concorrência aos nacionais”, acrescentou.

O chefe do Governo são-tomense disse ser apologista do mercado com limite. “Eu não sou um adepto do mercado livre a 100%, nós temos uma economia muito pequena e nós vamos fazer algumas reformas a nível do sector comercial para acabar com a liberalização excessiva”, sublinhou.

Sublinhou que o seu governo inspira-se no pragmatismo e não pelo dogmatismo e há coisas que têm que abrir e há outras que devem fechar.

Acrescentou que “há coisas que temos que privatizar e há coisas que temos que nacionalizar, o que importa é o interesse dos são-tomenses”.

Patrice Trovoada disse ainda que o seu Governo está a avaliar a possibilidade de recapitalizar os comerciantes nacionais, maioria dos quais estão totalmente falidos e outros a perderem os seus bens a favor dos bancos onde contraíram empréstimos.

“A questão da recapitalização dos comerciantes nacionais é também outra questão que nós estamos a equacionar. Hoje nós sabemos qual é a situação dos comerciantes nacionais em termos de capital, nós sabemos qual é a situação com os bancos, (..) e nós estamos a equacionar tudo isso”, concluiu.

Em São Tomé, os libaneses e chineses dominam os grandes comércios enquanto os nigerianos e alguns camaroneses dominam o mercado informal que vende maioritariamente peças autos e vestuários.

África 21 Digital

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anti-Spam * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.