Novas e Melhores Políticas Que Reduzam o Preço dos Livros em Angola, Pede Pepetela

Foto de Paulino Damião

pepetela_O escritor Pepetela considerou ontem, em Luanda, fundamental serem criadas novas e melhores políticas para a redução dos preços dos livros, de maneira a permitir que mais pessoas possam ter contacto permanente com as obras dos autores angolanos.

O escritor, que apresentou na quinta-feira, na União dos Escritores Angolanos (UEA), o seu mais recente livro, “O Tímido e as Mulheres”, referiu que existem ainda problemas “sérios” de edição no país, o que encarece o preço dos livros.
A falta de bibliotecas públicas e nas escolas, assim como os custos elevados da produção de obras literárias são, para o autor, deficiências que acabam por se reflectir na própria literatura, assim como na falta de leitores e na qualidade das obras.
Apesar de ter felicitado os esforços das instituições ligadas à produção literária angolana, para dar outra dinâmica à arte da escrita no país, Pepetela reconheceu existir uma expectativa maior que ainda não se alcançou, desde a edição dos primeiros livros do pós-independência, “que deram a sensação de existir uma explosão literária”.
Agora, disse, existem mais títulos e um súbito aparecimento de bons escritores que têm dado outra dinâmica à literatura angolana. “As artes plásticas, a música e o teatro têm-se desenvolvido bastante, mas o cinema e a literatura ainda precisam de mais investimentos e divulgação”, realçou.
O escritor referiu, ainda, que é importante definir e padronizar a cultura angolana, tal como é urgente aumentar no mercado os materiais para produção e divulgação das obras. “A cultura vai continuar a ser feita no país. O único problema é como a divulgar ao mundo, já que para isso são precisos apoios financeiros”, desabafou.
Pepetela acrescentou que existe uma diferença muito grande entre a literatura de antes e a de agora. “Anteriormente, os textos eram mais focados na independência, com forte pendor político. Actualmente, há uma maior liberdade de expressão nas abordagens dos textos literários”, contou.
Para se criarem bons escritores, Pepetela aconselhou a nova geração a ler e a escrever muito. “Este é apenas o único caminho para uma pessoa se tornar um bom escritor”, disse o autor de “O Tímido e as Mulheres”. O livro, esclareceu, é uma análise de Luanda, sobre as pessoas que se movem na cidade e também de uma família, como muitas outras, que vive num bairro mais periférico. “É um retrato da vida social e do desenvolvimento da capital do país”, explicou.
Pepetela adiantou que o seu novo romance, que vendeu mais de 200 exemplares no acto de lançamento, de acordo com a Texto Editor, tem aspectos diferentes das outras obras já publicadas. “Acredito que é pelo facto do assunto ser um pouco mais superficial, abordando os problemas mais pessoais das personagens, e não propriamente as ideias, embora tenha preservado alguns princípios”, comentou o representante da editora.
Pepetela é o pseudónimo literário de Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos, nascido em Benguela, há 71 anos. Tem no mercado as obras “Muana Puo”, “Mayombe”, “O cão e os calús”, “Yaka”, “Lueji – O nascimento de um Império”, “A Geração da Utopia”, “Parábola do Cágado Velho”, “A gloriosa família” e “A Sul. O Sombreiro”.
Licenciado em sociologia em Argel, Pepetela foi guerrilheiro do MPLA, político e governante. Desde 1984 é professor na Universidade Agostinho Neto, em Luanda.
Pepetela tem no seu palmarés o Prémio Camões de Literatura, conquistado em 1997. É também membro da União dos Escritores Angolanos (UEA).

Jornal de Angola/Manuel Albano

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anti-Spam * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.