Revalidação do Título Africano de Basquetebol Feminino para Angola

afrobasketNuma festa dominada pela língua portuguesa, Moçambique e Angola protagonizaram na noite de ontem uma final super emocionante. Num jogo em que até ao último minuto o vencedor continuava a ser uma incógnita, tendo se recorrido ao prolongamento, Angola revelou-se o verdadeiro detentor do trófeu, com uma vitória de 61-64. Tanto a Angola, como Moçambique, conseguiram garantir a sua presença no mundial de basquetebol-2014, a decorrer na Turquia.

As moçambicanas até se adiantaram no marcador, mas no encerramento do primeiro período a diferença era de apenas um ponto. 15-14, com o sinal positivo para as moçambicanas. No segundo período, o equilíbrio volta a instalar-se no placar, com as equipas a recolherem para os balneários em 29-29.

Apesar de um jogo bastante corrido, no terceiro período Angola cresceu quatro pontos, tendo encerrado o mesmo em 40-44.

No quarto e último período, o equilíbrio voltou a dominar o jogo, com as duas equipas a fecharem o tempo regulamentar em 54-54, tendo se recorrido a um prolongamento de cinco minutos. Foram cinco minutos de muita tensão. O público apoiou, as “meninas” esforçaram-se, mas a Angola, com a revalidação do título à vista, teve mais ocasiões de fazer pontos e conseguiu acelerar três pontos, tendo encerrado a partida em 61-64 a favor das angolanas.

A cerimónia de encerramento da vigésima terceira edição do Afrobasket culminou com a entrega do troféu à selecção angolana, um acto que foi efectuado pelo primeiro-ministro moçambicano, Alberto Vaquina. Vaquina fazia-se acompanhar pelo ministro da Juventude e Desportos, Fernando Sumbana Júnior, entre outras figuras da nata política do país.

Ainda na cerimónia de encerramento do Afrobasket, Domingas Ngulela e Tanucha foram destacadas pela sua prestação na selecção moçambicana ao longo do campeonato e o Egipto foi galardoado como equipa “fair-play”do certame.

O Afrobasket decorreu em Maputo de 20 a 29 de Setembro corrente, sendo esta a terceira vez que Moçambique organizou, depois de tê-lo feito em 1986 e 2003. Participaram do certame doze selecções.

O País online (Moçambique)


Recuperar o Título de Cidade Jardim de Angola para Ndalatando

Foto Angop

ndalatandoA cidade de Ndalatando (capital do Kwanza Norte) regista avanços significativos no que concerne à reposição dos espaços verdes, visando a recuperação do seu estatuto de “Cidade jardim de Angola”, ostentado nos períodos colonial e pós independência.

A intenção para a concretização de tal desiderato é marcado pelo empenho actual do governo provincial em torno da reabilitação das principais zonas verdes, permitindo devolver o anterior cenário da urbe caracterizado pela existência de jardins e arvoredo nas suas principais artérias e separadores rodoviários.

A empreitada de reabilitação dos espaços verdes da cidade de Ndalatando congrega um projecto que insere a plantação de centenas de árvores, arbustos herbáceos e vivazes, todos adaptados ao clima da zona, numa área de 18.302 metros quadros que compreendem diversos largos, separadores rodoviários, parques e zonas de lazer.

O projecto tem como principais pressupostos garantir a sustentabilidade dos sistemas de vegetação e elevação da qualidade de vida dos habitantes e visitantes do Kwanza Norte, que procuram, cada vez mais, locais aprazíveis, de recreio e lazer.

Segundo informações prestadas à Angop pela coordenadora do projecto, a arquitecta paisagista, Sandra Bastos, o investimento em curso desde 2010 compreende a criação de espaços verdes constituídos por áreas relvadas e arbustos, cujo conjunto se destina à criação de espaços de elevado valor visual.

Para a técnica, a concepção das composições vegetais corresponderam a um conceito tropical ou subtropical, através da aplicação de material vegetal cujo conjunto de espécies está perfeitamente adaptado à região.

Sandra Bastos disse que, para garantir tais objectivos, a base das plantações são constituídas por espécies de plantas seleccionadas e pertencentes ao grupo da vegetação autóctone, às quais estão associadas outras espécies exóticas que, ainda que não pertencentes à flora local, são perfeitamente adaptáveis às condições e características da região.

Entre as áreas da cidade de Ndalatando abrangidas no plano de reposição das zonas verdes, a arquitecta apontou as principais artérias, largos, praças, jardins e separadores rodoviários das vias do centro da urbe e da periferia.

Os cidadãos aplaudem a medida e mostram-se empenhados em cooperar com as autoridades na preservação do actual cenário verde que caracteriza a cidade de Ndalatando (Ex-vila Salazar), também apelidada de terra da “Rosa de Porcelana.

Fundada a 28 de Maio de 1956, através do Diploma Legislativo 2.757, primeira série, número 21, do Boletim Oficial do então Governo português em Angola, Ndalatando, ex-Vila de Salazar, é a capital da província do Kwanza Norte.

Angop/Lucas Leitão


Segundo Voo Regular Directo Entre Luanda e Pequim na TAAG

taagA transportadora aérea angolana Taag iniciou na passada semana o segundo voo regular directo entre Luanda e Pequim e tenciona lançar um terceiro em 2014, disse o director da companhia em Pequim, António Inácio.

Num encontro realizado este fim-de-semana para assinalar o início de mais um voo regular, António Inácio sublinhou ser a Taag a única companhia aérea africana a empregar tripulantes chineses.

A transportadora aérea angolana começou a voar para Pequim, uma vez por semana, em 2008.

A China “é um parceiro estratégico e privilegiado de Angola” e “Angola é hoje um dos principais parceiros comerciais da China em África”, disse o embaixador angolano em Pequim, João Garcia Bires.

Os voos Luanda-Pequim saem às segundas e sextas-feiras e regressam às terças e sábados, constituindo os chineses, com mais de 260 mil pessoas a viver em Angola, a maior comunidade estrangeira no país.

(angolahub)


Angola Participa na Mais Famosa Regata Para Iates do Atlântico Sul

4131456023_1da04536c3Angola participa, pela primeira vez como nação soberana, na próxima edição da mais famosa regata para iates do Atlântico Sul, que começa na cidade do Cabo (África do Sul) no próximo dia 4 de janeiro, rumo ao Rio de Janeiro.

Já saiu da Europa, rumo a Luanda, a equipa de vela patrocinada pela Angola Cables e que vai representar Angola na famosa regata Cape Town – Rio de Janeiro. (Cape2Rio2014).

Com uma tripulação composta por 8 angolanos, entre os quais Filipe Luvambo, vice-campeão do mundo na classe Vaurien – o iate angolano de 55 pés tem como skipper Tita Correia da Silva e já se encontra nas ilhas Canárias (Espanha) a caminho de Luanda.

Angola participa, pela primeira vez como nação soberana, na próxima edição da mais famosa regata para iates do Atlântico Sul, que começa na cidade do Cabo (África do Sul) no próximo dia 4 de janeiro, rumo ao Rio de Janeiro.

Toda a preparação da equipa Angola Cables – quer ao nível da embarcação, como do treino da tripulação em alto mar – foi feita nos últimos meses em Portugal e teve o seu desfecho no passado dia 31 de agosto com a partida simbólica de Cascais (Portugal).

Neste evento, onde decorreu a cerimónia de “baptismo”, estiveram presentes diversos clientes internacionais da Angola Cables, bem como várias entidades do Governo, nomeadamente, o secretário de Estado das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, Aristides Safeca, e o secretário de Estado das Relações Exteriores, Manuel Augusto.

África 21


A Vida de Milhares de Crianças em África Mudou com a Bola de Futebol Indestrutível

OneWorldFutbolComo uma ideia tão simples pode mudar a vida de tantas pessoas? Tim Jahnigen viu um documentário transformador em 2006 sobre crianças no Darfur (região do Sudão) e, sabendo que não resolveria o problema da guerra ou da pobreza, tentou resolver um outro: fazer com que as crianças pudessem, por um momento, ser apenas crianças.

O empresário norte-americano ficou impressionado com o fato de elas, rodeadas de problemas, ainda terem força pra brincar e sorrir. E, para muitas delas, uma bola era suficiente. Acontece que a maioria utilizava qualquer coisa (garrafas PET, latinhas, tampas, laranjas ou até pedras) e a outra parte recorria a bolas doadas que, por causa das condições em que vivem as crianças, não duravam muito tempo.

Então nasceu o One World Futbol, em busca de um material que não se deteriorasse, furasse ou murchasse, independente do piso. O PopFoam foi o eleito – você talvez já tenha ouvido falar, por ser o mesmo material usado pra fazer os famosos Crocs. O problema era o custo de produção das bolas com PopFoam, que era muito caro.OneWorldFutbol1

A solução veio com a ajuda do cantor Sting, que se propôs a ajudar e a lançar uma campanha de marketing. Através do site com o nome do projeto, eles começaram vendendo estas bolas, que aguentam o peso de um carro, não rasgam, não murcham e podem durar até 30 anos, a 39 dólares. E o mais legal é que, por cada bola vendida, uma outra é doada. Você pode ainda optar por simplesmente doar a bola indestrutível, pagando pra isso 25 dólares e escolhendo para onde vai a oferta.

Hoje o difícil é suportar tanta procura – o projeto já correu mais de 160 países e 500 mil crianças. Assista ao vídeo de apresentação abaixo.

RevistaAfro.Com