Reconstrução e Conservação de Estradas

A conservação do troço de estrada Lucala/Cacuso, numa extensão de 56.30 quilómetros, está orçada em 242 milhões de Kwanzas, enquanto a via Cacuso/Malanje, estimado em 67 quilómetros, está orçada em 249 milhões de Kwanzas, soube O PAÍS.
Nesta primeira fase do arranque do programa, sofrerão intervenções os lotes constituídos pelos troços Viana/ Maria Teresa (91Km), Kifangondo/ Funda/Catete, incluindo os acessos à Cabiri, numa extensão de 66 quilómetros.
Os trabalhos serão extensivos aos troços Quibala/Waco Kungo (74Km), Waco Kungo/Alto Hama (118.5Km) desvio da Matala/Quipungo e Quipungo/Matala, cujas consignações deverão ocorrer a breve trecho e na devida oportunidade inserir-se-ão no sistema os restantes lotes de conservação já definidos e outros por definir, na medida em que as empreitadas de reabilitação forem concluídas.


No arranque da primeira fase, foram adjudicadas obras à cinco empresas, que participaram em concurso público a propósito, devendo cobrir oito lotes. A empresa Angolaca, que assume os trabalhos do troço Lucala/Cacuso e Cacuso/Malanje, é a única que tem sob sua responsabilidade dois lotes.

O chefe de Departamento de Conservação do INEA, disse a OPAÍS, que ao longo da primeira fase foram seleccionados oito lotes e cada lote tem mais de 60 quilómetros.
A julgar pela dimensão do programa, Florentino da Silva deu a conhecer a realização para breve de mais concursos públicos para a selecção de empresas, devendo o anúncio ser publicado oportunamente.
O concurso, conforme explicou o responsável do INEA, tem razão de ser, na medida em que há a necessidade de se adjudicar os restantes 46 lotes de estradas a empresas que se mostrarem interessadas em participar no processo.

O que será feito

As empresas envolvidas nos trabalhos de conservação e manutenção de estradas terão como missão a recomposição de base com demolição e incorporação de revestimentos com adição de material proveniente de pedreiras.
Recomposição de defensa lateral metálica, recomposição mecanizada de aterro, remoção manual e mecanizada de barreira de solo, execução de descida de água de betão, execução de dreno profundo e execução de aqueduto.
Está ainda reservado a rega de impregnação com asfalto diluído, operação tapa buraco, remendo profundo com demolição manual e limpeza e desobstrução da faixa de rodagem.

Florentino da Silva deu a conhecer que para essa operação poderão concorrer pequenas empresas familiares, com vista a garantir empregos para jovens e manter as estradas trasfegáveis em condições de conforto, conforme foram reabilitadas.

José Meireles-JornalO País


Passeando Por Luanda

luanda_passeata_13_
luanda_passeata_14

luanda_passeata_15

luanda_passeata_16
Veja Mais


O Regresso ao Autódromo de Luanda

O Autódromo de Luanda registou casa cheia ao acolher a prova de motociclismo e automobilismo organizada pela Associação Provincial dos Desportos Motorizados (APDM), onde participaram os melhores corredores em ambas as categorias.
Na pista, os corredores devolveram alegria aos espectadores que não assistiam a provas do género há alguns anos, devido as peripécias que a modalidade atravessou nos últimos tempos. O roncar dos motores contagiou de tal modo os amantes da modalidade, que, no fim da prova invadiram a pista para ver de perto os pilotos, obrigando a intervenção das forças da ordem. Num momento em que as corridas deixavam de atrair o público amante, a organização da prova exprimiu a sua satisfação aos espectadores que se deslocaram ao local situado a Sul de Luanda.

João Martins, um dos organizadores, disse que foi uma prova positiva e espera que no Huambo, Benguela e Huíla haja a mesma aderência. “ O Autódromo registou uma moldura humana que não se via há muito tempo”, acrescentou.

Hélder Coelho “Vuti” da equipa Motoshop, venceu a contenda em motos, rivalizando com Victor Barros do TAM Kwanza Sul e Nuno Figueiredo da Kicoleia que ficou na terceira posição. A experiência de Vuti nas curvas e contra-curvas fez com que cortasse a meta de forma folgada. O piloto da Motoshop, referiu que foi uma prova difícil por causa das condições em que a pista se encontra.

Luís Oliveira da equipa Thomaz Maria, Ramiro Barreira da Racing Angola e Maló Almeida da Yeam Soescapes foram os vencedores nas classes A, B e C em automobilismo.

Os pilotos afirmaram que foi uma corrida difícil e esperam que com o apoio de algumas instituições a modalidade possa ter mais praticantes para um dia representarem Angola além fronteiras.

Ramiro Barreira frisou que “foi uma prova bem disputada, embora tivesse tido muitos problemas na primeira manga”.

Sebastião Félix/Jornal O País

Droga no Campo do Independente

Agentes da Polícia à paisana surpreenderam um grupo de cidadãos estrangeiros, na manhã da última sexta-feira, que tentavam comercializar droga entre os assistentes no “Campo do Independente” ao bairro Golf, enquanto decorria uma partida de futebol.
Segundo um morador da área, que disse ter presenciado o acto de captura de pelo menos um vendedor, a partida em referência opunha duas equipas integradas por cidadãos oriundos da Nigéria residentes no município.
“Nós vimos o rapaz que foi preso com um saco que continha um pó branco”, afirmou a testemunha que admitiu tratar-se de cocaína o que viu, dando de seguida mais detalhes sobre esta operação relâmpago da Polícia.

“Vimos quatro senhores a chegar nos seus carros e ficaram a observar como se fossem assistentes. Momentos depois gerou-se uma confusão e correram atrás de uns jovens, mas só apanharam um e os outros fugiram”, esclareceu a testemunha.
Segundo contou, os agentes ainda terão chamado a atenção dos moradores do bairro pela sua permissividade em relação à venda de drogas disse terem confirmado ser cocaína-, a céu aberto sem que fizessem uma denúncia à polícia local.

O grupo de trabalho, segundo adiantou, não partiu de nenhuma unidade do Golf, porque “um deles disse que tinha sido retirado da sua esquadra na Ingombota para cumprir esta missão aqui no Kilamba Kiaxi”, acrescentou.
Por aí, percebe-se que se trata de uma rede sob acompanhamento dos órgãos policiais vocacionados no combate ao tráfico de drogas entre os cidadãos da parte ocidental do continente africano integrado maioritariamente por países em pobreza extrema e buscam Angola como ponto de enriquecimento fácil.

Com sucessivas abordagens na media local, o domínio do pequeno comércio é segmento preferencial do seu investimento, fazendo em tão pouco tempo elevadas fortunas que são exportadas depois para os seus países de origem.
Há, entretanto, questionamentos que põem em causa a acumulação de riqueza em tão pouco tempo, quando estes supostos investidores não aportam capital, abastecem-se dos produtos de revenda nos mesmos pontos que a população, mas apresentam “uma facilidade de enriquecimento”.
Por aí deverá passar também a rede de tráfico de drogas, segundo alguns observadores que deve ser alvo de um cerco policial cerrado.

A proximidade da droga pesada como a cocaína aos bairros periféricos de Luanda, de onde se reporta um clima de alta instabilidade por causa da delinquência, pode tornar a situação muito mais perigosa nos próximos tempos.

Eugênio Mateus/Jornal O País

Nova Central Térmica Para o Bié

A nova central térmica de energia eléctrica em construção no município do Cuito, província do Bié, está na fase final de execução, anunciou, ontem, o director local da Energia e Água.
Abel Guerra disse que os três primeiros grupos geradores de 2.5 MW vão prestar inicialmente serviços para minimizar a falta de energia no município do Cuito.
A cidade Cuito está parcialmente às escuras, o que leva o governo provincial a reabilitar a rede de média e baixa tensão município.

Com a instalação destes sistemas, as autoridades pensam reduzir as constantes avarias, que têm afectado o ensino, principalmente no período nocturno, e proporcionar melhor iluminação nas artérias da cidade.
Apenas um grupo gerador de 2.4 MW está funcionar na distribuição da energia em toda a cidade, mas, disse Abel Guerra, estão a ser desenvolvidos esforços para resolver o problema. Em relação à distribuição de água, sublinhou que está a ser feito um trabalho de limpeza e desassoreamento.
Abel Guerra afirmou que há mais de duas mil ligações domiciliárias em todas as artérias do município, que os pedidos para ligações têm aumentado. O director disse que 75 bombas manuais de água estão avariadas, mas em fase de recuperação para a distribuição ser feita sem interrupções
A extensão da rede de distribuição faz parte de um programa de abastecimento de água potável às zonas rurais.

Delfina Victorino/Jornal de Angola