Benguela

Caotinha





Angola-Acidentes de Viação


Angop – Em Angola morrem em média 50 pessoas por dia, vítimas de acidentes de viação, segundo o director Nacional de Viação e Trânsito, subcomissário Inocêncio de Brito.
Estes números preocupam as autoridades ligadas ao trânsito, disse Inocêncio de Brito, que falava à margem do encerramento do curso intensivo de segurança do trânsito e prevenção rodoviária que encerrou,ontem, no Huambo. Luanda, Benguela, Huambo e Huíla são as províncias com maior número de casos. O excesso de velocidade, a sonolência e a condução sob efeito de álcool são alguns factores que contribuem para os acidentes de viação.
Os sinistros nas estradas são a segunda causa de morte em Angola, superados apenas pela malária, revelou Inocêncio de Brito. Com a realização deste curso avançado de segurança do trânsito e prevenção rodoviária, espera-se mais eficácia na prevenção e na fiscalização.

Huambo decreta “tolerância zero”

Com a entrada em vigor do novo Código da Estrada, prevista para o mês de Abril deste ano, o Governo da província do Huambo vai decretar “tolerância zero” aos automobilistas que desrespeitem a legislação rodoviária. A advertência veio do governador Albino Malungo, quando falava, ontem, na cerimónia de encerramento do primeiro curso avançado de segurança do trânsito e prevenção rodoviária, que decorreu no Anfiteatro do Instituto Superior Politécnico do Huambo.
O acto contou com a presença do delegado do Ministério do Interior, comandante provincial da Polícia Nacional, do Director Nacional de Viação e Trânsito, do conselheiro da Viação e Trânsito, subcomissários, António de Jesus Miranda Guedes, Inocêncio Morais de Brito e Bernardo Caluyombo.
Albino Malungo classificou a província do Huambo como um mau exemplo em termos de sinistralidade rodoviária devido ao elevado número de vítimas humanas em acidentes de viação. “Com a entrada em vigor do novo Código de Estrada, vamos decretar tolerância zero para os que violarem a lei, e para os polícias que permitirem a violação do Código de Estrada”, afirmou.
O Estado, segundo o governador, não pode permitir que os automobilistas conduzam de forma irresponsável. O governador afirmou que há duas semanas visitou o hospital provincial e verificou que dos 320 dos internados, 90 por cento eram vítimas de acidentes de viação.
O novo Código da Estrada deve ser complementado com outras acções no domínio das infra-estruturas, como parques de estacionamento,inspecção de viaturas e a imposição de regras na importação de viaturas de segunda mão, assim como às oficinas de reparação de carros, disse o governador.
O governador felicitou o comando geral da Polícia Nacional, particularmente a Direcção Nacional de Viação e Trânsito por ter organizado o curso. Salientou que vai garantir, através da prevenção rodoviária, mais tranquilidade, vida e segurança.


José Eduardo Água Lusa


O escritor angolano José Eduardo Agualusa está nomeado para o Prémio Independente de Ficção Estrangeira 2009, atribuído pelo Conselho das Artes do Reino Unido, com o romance “As mulheres do meu pai”.
De acordo com a publicação Bookseller, o mais recente romance de Agualusa integra a lista de 16 finalistas, de um total de 126 obras submetidas a concurso. O prémio literário tem um valor monetário de 10.000 libras (cerca de 11.180 euros), que será repartido entre o escritor e o tradutor.
Citada pela Bookseller, a responsável pela estratégia para literatura daquele Conselho britânico, Antonia Byatt, elogiou o facto da lista de finalistas revelar uma grande diversidade de línguas representadas. “É um banquete para os leitores e um grande desafio para o júri”, disse.
O Prémio Independente de Ficção Estrangeira pretende reconhecer uma obra de ficção que tenha sido traduzida e publicada no mercado britânico no decurso de um ano.
Em Abril será revelada uma lista dos seis finalistas e o vencedor será anunciado a 14 de Maio, em Londres.
Além de “My father´s wives”, traduzido por Daniel Hahn, ao prémio são candidatas obras da francesa Celine Curiol, do austríaco Thomas Glavinic, do escritor albanês Ismail Kadare e da japonesa Yoko Ogawa. “Como o soldado conserta gramofone”, do escritor bósnio Sasa Stanisic, recentemente editado em Portugal, também está nomeado.
José Eduardo Agualusa, nascido em Angola em 1960, já venceu este prémio em 2007 com o romance “O Vendedor de Passados”, traduzido para inglês com o título “The book of chameleons”. Entre os premiados de edições anteriores conta-se também José Saramago, que venceu em 1993 com a obra “O Ano da Morte de Ricardo Reis”.


Perfumes Naturais






Lubango


Angop – Sessenta e duas armas de calibres diversos foram entregues esta semana ao Comando da Polícia Nacional na Huíla, por cidadãos que as possuiam ilegalmente, no âmbito do processo de desarmamento de civis.
O facto foi dado a conhecer à Angop hoje, sexta-feira, pelo porta-voz da corporação, primeiro superintendente Paiva Tomás.
O oficial da polícia adiantou que no mesmo período foram entregues 320 munições, 44 carregadores, 10 explosivos e 75 meios militares diversos.
Paiva Tomás acrescentou que entre as armas entregues, destaque para as do tipo AKM, mousers, PKM e Estrelingues.
De acordo com a fonte, destas armas, 25 foram entregues no município do Lubango, Quilengues (18), Cacula (12) e Humpata (7).
O porta-voz exortou, na ocasião, a todos os cidadãos que ainda possuem armas de forma ilegal a procederam a entrega das mesmas às autoridades competentes.
Nos últimos sete dias, a polícia Nacional registou 78 crimes de natureza diversa e deteve 65 cidadãos nacionais, supostamente implicados nos mesmos.