Huambo

Igreja Bairro S.João

Aeroporto



Casa do Gaiato e a Baía Farta em Benguela

Dança

Cavaco-Casa do Gaiato

Baía Farta

Avª Central


Luanda e a Escola Hípica



Crianças visitam Unidade da Polícia Montada e tomam contacto com cavalos


Moxico


Moxico
Centro de Saúde de Lucusse com registo nulo de óbitos em Outubro
Luena – O centro de saúde da comuna do Lucusse, província do Moxico, teve durante o mês de Outubro, um registo nulo de casos de óbitos, revelou hoje, sexta-feira, à Angop, o director geral da instituição sanitária, José Domingos Mucuma.
Segundo o responsável, a unidade sanitária inaugurada no princípio deste mês, assistiu até a presente data 1.222 pacientes que apresentaram diversas patologias.
O director geral disse que os 22 pacientes que se encontravam internados no hospital tiveram alta por melhoria.
Apontou a malária, doenças diarreicas agudas, parasitoses intestinais, bronquites, gonorreias e infecções urinárias como as doenças mais frequentes na instituição.
Com uma capacidade para internar 30 pacientes, o centro hospitalar atende mais de 50 doentes nas secções de medicina, banco de urgência, cirurgia e nas consultas internas.
Situada 133 quilómetros a sul do Luena, a comuna do Lucusse tem uma população estimada em mais de 15 mil habitantes.


Bié


Hipopótamos devastam culturas agrícolas no Bié
Kuito – Vários hectares de terras, com produtos agrícolas cultivados em regiões baixas e nas margens do rio Kwanza, na Comuna do Umpulo, a leste da cidade do Kuito, província do Bié, foram destruídos este ano por hipopótamos e javalis, informou hoje (sexta-feira) o administrador comunal, Arão Félix Chambassuc
Em declarações à Angop, o administrador comunal de Umpulo, Arão Félix Chambassuco disse que entre as culturas destruídas estão as de milho, feijão, mandioca, gergelim, massabala e hortaliças diversas.
Informou que as lavras devastadas pertencem a camponeses de 30 aldeias, das localidades de Mucoso, Chiquesso, Tombi e Massamba, onde, segundo a fonte, os animais continuam a danificar as culturas.
Sem se referir ao número específico de hectares devastados, o administrador disse estarem a ser tomadas medidas a nível local para reduzir o impacto dos prejuízos. Garantiu estar a serem construídos, pelos camponeses, cercos com paus para proteger as plantações.
Realçou que durante o ano de 2007 mais de dez hectares de plantações de milho, mandioca, feijão e gergelim foram igualmente destruídos por animais nas mesmas localidades.