Luanda, Benguela e Zaire Ligadas por Fibra Óptica

Um circuito de fibra óptica de mil quilómetros, ligando Benguela e Zaire, passando por Luanda, está à disposição dos agentes económicos destas regiões, no quadro de uma parceria entre a Internet Technologies Angola (ITA) e a Rede Nacional de Transporte de Electricidade (RNT).

De acordo com uma nota de imprensa, a rede, à disposição dos agentes económicos desde o segundo semestre deste ano, tem capacidade de 10 Gigabytes por segundo e vem rentabilizar a infra-estrutura da RNT que não é utilizada pelo organismo, ao mesmo tempo que permite à ITA entregar serviços diferenciadores, com uma qualidade excepcional, e expandir a sua rede nacional de serviços.
“Com este circuito, os agentes económicos na província de Benguela e nos demais pontos por onde passa esta infra-estrutura passam a estar ligado directamente a um dos maiores pontos de conectividade do país, que são os circuitos da ITA, tirando deste modo proveitos dos benefícios proporcionados pelas telecomunicações”, refere a nota


Julgamentos, Casamentos e Emissão de BI em Angola Cancelados por Greve dos Oficiais de Justiça

Não se vislumbram sinais de «reconciliação» nas negociações. Greve dos oficiais de justiça é quase irreversível. Eis alguns dos «estragos» se a paralisação vingar na próxima semana: não haverá julgamentos, casamentos e emissão de BI.

Foi o nascimento do Sindicato dos Oficiais de Justiça de Angola (SOJA), em 2014, que deu vida às reivindicações que hoje dão corpo a uma greve convocada para a próxima segunda-feira, 28, em todo o país.

O mote é um conjunto de exigências que tem na “progressão de categorias” o ponto mais alto. Não são, por isso, reclamações alheias ao conhecimento da entidade empregadora, o Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos. Esta, segundo atestam os próprios oficiais de justiça, “nunca se fechou” ao diálogo, mas as negociações “quase sempre” redundaram em “simples conversa”.


Num Ano Angola Importa Mais de 4.000 Milhões de Dólares em Combustíveis

Angola vai gastar mais de 4.000 milhões de dólares durante um ano para importar combustíveis refinados, segundo uma autorização para o negócio, envolvendo o grupo da petrolífera estatal Sonangol, a que a Lusa teve acesso esta sexta-feira.

Em causa está o despacho presidencial n.º 61/18, de 24 de maio, em que o Presidente angolano, João Lourenço, autoriza a abertura do procedimento de contratação simplificada para o fornecimento de derivados do petróleo, nomeadamente gasolina, gasóleo e gasóleo de marinha, à Sonangol Logística.

O contrato é referente ao período de 01 de abril de 2018 a 31 de março de 2019 e “autoriza a realização de despesa inerente aos contratos a celebrar” no valor global de 4.030.734.000 dólares (3.430 milhões de euros).

A petrolífera angolana Sonangol anunciou a 16 de março a contratação de duas empresas internacionais de trading e refinação para fornecimento de combustíveis, o que representa o fim do monopólio da Trafigura.


A 7 de Setembro Deste Ano o Presidente João Lourenço Assume a Liderança do MPLA

Comité Central do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) aprovou hoje a data de 07 de setembro para a realização do VI congresso extraordinário e a candidatura de João Lourenço, atual vice-presidente, a presidente do partido.

A informação consta do comunicado final saído da segunda sessão extraordinária do Comité Central do MPLA, na qual o presidente do partido, José Eduardo dos Santos, confirmou que deixa este ano a vida política por vontade própria, argumentando que “tudo o que tem um começo tem um fim”.

O secretário para a Informação do partido, Norberto Garcia, disse, na leitura do comunicado final da reunião de hoje, que o Comité Central apreciou a informação do Bureau Político, tendo aprovado “na plenitude” os resultados da terceira sessão ordinária daquele organismo de direção, realizada a 27 de abril passado.

Segundo Norberto Garcia, a proposta de cronograma apontava para a realização do congresso extraordinário do MPLA, na primeira quinzena do mês de setembro, tendo como data prevista 07 de setembro de 2018.


Inaugurada Hoje em Luanda Biblioteca Pública com 17.000 Títulos

Ministro das Finanças Angolano

Uma biblioteca e mediateca, com 17 mil títulos sobre economia e finanças, foi inaugurada esta quinta-feira, em Luanda, no município de Cacuaco, em Luanda, pelo ministro das Finanças Archer Mangueira, no âmbito da capacitação dos quadros da administração pública e a comunidade estudantil angolana.

Instalada no edifício do Instituto de Formação de Finanças Públicas (Inforfip), a biblioteca dispõem de livros físicos e em formato digital, para apoiar a pesquisa técnico-científica nas especialidades de finanças, economia, gestão, direito, informática, ente outros.

No mesmo recinto, estão também disponíveis 32 computadores que suportam livros digitais com vários títulos de autores nacionais e estrangeiros.

O acervo bibliográfico contou com o suporte do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), no quadro do seu projecto de Apoio à Gestão Económica e Financeira, que entre outros objectivos, visa a capacitação dos recursos humanos angolanos.


Parceria Com Portugal Para Aumento de Produção de Água na Província da Huila

Foto de Diniz Simão

O sector de águas na província da Huíla poderá estabelecer, nos próximos tempos, uma parceria empresarial com Portugal, para elevar a produção diária de 26 mil para 63 mil metros cúbicos, para satisfazer a demanda de 630 mil consumidores da cidade do Lubango, dentro de sete anos.

A intenção foi manifestada quarta-feira, no município da Humpata , por empresários portugueses que durante três dias visitaram a província para constatar as possíveis condições para formação de parceiras no sector de energia e águas.

Liderada pelo embaixador português em Angola, João da Silva, a comitiva visitou infra-estruturas de captação e de distribuição, incluindo a nascente da Humpata, onde as autoridades locais pretendem erguer uma nova fonte para reforçar o abastecimento do precioso líquido ao município do Lubango.

Uma fonte do sector disse existir a necessidade de se fazer nova captação de água, no manancial do município da Humpata, para atender um maior número de consumidores do município do Lubango.


Em 15 Dias Foram Assassinadas Sete Pessoas em Luanda

Sete pessoas foram mortas, de oito a 22 de Maio, em Luanda, durante os assaltos com recurso a armas de fogo e branca, registados nos municípios de Viana, Cacuaco, Kilamba-Kiaxi e Belas.

O director do gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa da delegação provincial do Ministério do Interior (MININT), intendente Mateus Rodrigues, disse que por envolvimento nos crimes foram detidas 11 pessoas com idades entre os 17 aos 22 anos.

Mateus Rodrigues afirmou que as mortes foram registadas durante os assaltos na via pública, residências e estabelecimentos comerciais.

A polícia deteve, igualmente, durante várias operações de combate ao crime realizadas nos municípios do Talatona, Cazenga e Belas, outros 62 suspeitos de envolvimento em roubos qualificados a mão armada, rapto e posse ilegal de arma de fogo.


Namibe Já Se Assume Como “Gigante Ornamental” e Maior Manto Rochoso de Angola

Cobre, lítio, nióbio, permatites, petróleo e metais básicos são os minerais em prospecção na província do Namibe, que já se assume como “gigante ornamental” e maior manto rochoso de Angola, dada a abundância de mármore e granito na região.

Sem contar com os inertes, por ano são produzidos, localmente, milhares de metros cúbicos de granitos rosa e cinza, de mármores rosa, branco, branco com listras azuis, branco com listras verdes e de quartzitos tropicais e outros, encontrados em toda a extensão do território provincial.

O facto de a cidade de Moçâmedes ter sido construída sobre uma “manta de calcário” prova o enormíssimo potencial rochoso do Namibe, que tem a Huíla como o principal concorrente, sobretudo em matérias de granito, cuja referência é o “Negro Angola”, o mais consumido no exterior.

São rochas em abundância nos municípios de Moçâmedes, Tombwa, Camucuio, Bibala e Virei, em forma de montanhas, exploradas e hoje transformadas, localmente, em essencial, por três empresas nacionais que individualmente absolvem em média 200 metros cúbicos de blocos/mês.


A Indústria Petroquímica Deverá Ser a Aposta de Angola

Angola deve aproveitar o sector dos petróleos que já domina, apostar na indústria petroquímica e transformar o petróleo bruto e derivados para exportar, considerou hoje, em Luanda, o economista Precioso Domingos.

O economista, que reagia à recente aprovação pelo Conselho de Ministros da adesão de Angola à Zona de Livre Comércio da SADC , é de opinião que o País deveria aproveitar a experiência do sector dos petróleos que já domina e entrar para indústria petroquimica, para transformar o petróleo bruto, na perspectiva de exportar gasolina, gasóleo, gás e asfalto.

Destes produtos, disse, há um conjunto de outros derivados, como os fertilizantes para agricultura que o país poderia deixar de importar.

“Angola pode ter sucesso nisto. O foco de Angola deveria estar aqui e não apontar muitos sectores que depois não terão peso nenhum no mercado”, referiu.

Na sua opinião, a diversificação da economia pode ser feita na agricultura, mas esta não tem peso. Se se reparar que nas exportações angolanas mais de 98 porcento é petrolífera, 1, 5 porcento diamantifera, 0,3 são do sector da madeira, café e pescas as restantes produções não são visiveis.


A Flora Angolana Apresenta uma Lista de 115 Espécies Sob Ameaça de Extinção

As plantas comumente conhecidas como mafumeira, mutchate, múmue e mupanda fazem parte da lista das vulneráveis. A bióloga Esperança da Costa acha necessária a adopção de legislação destinada à preservação das espécies ameaçadas, para que as mesmas beneficiem as futuras gerações

A flora angolana apresenta uma lista de 115 espécies sob ameaça de extinção, segundo revelou ontem, em Luanda, a directora do Centro de Botânica da Universidade Agostinho Neto, Esperança da Costa. Até 2008, na lista de plantas ameaçadas constavam apenas 97, mas os estudos realizados nos últimos anos, pelo centro em referência, concluem a necessidade de reforçar as medidas de prevenção face à probabilidade da sua inclusão na lista de espécies em vias de extinção.

Esperança da Costa, que foi uma das prelectoras na Conferência Internacional da Biodiversidade, que até hoje decorre numa das unidades hoteleiras da capital, entende que o nível de ameaça às espécies vegetais em Angola apresenta elevada degradação, que pode concorrer, nos próximos tempos, para surgir um grupo de plantas em extinção no país. As plantas comumente conhecidas como mafumeira, mutchate, múmue e mupanda fazem parte da lista das mais vulneráveis elaborada pelo Centro de Botânica, que podem ser encontradas nas províncias costeiras e no Norte do país. Segundo a bióloga, é necessário alertar para que a situação não se agrave, sendo que o fornecimento da lista de plantas sob ameaça de extinção aos órgãos competentes ajuda o país a cumprir os pressupostos no âmbito dos compromissos internacionais.